segunda-feira, 1 de agosto de 2016

As Doutrinas da Graça

Comente Aqui

Nós, reformados, cremos em certas doutrinas que enfatizam a soberania de Deus na salvação. Elas são conhecidas como “doutrinas da graça”, pois enfatizam que a salvação é pela graça de Deus e não pelas obras (Ef 2.8,9). Elas também são chamadas de “cinco pontos do calvinismo”. Elas são “do calvinismo”, porque são uma reafirmação da doutrina bíblica da salvação, conforme ensinada pelo reformador João Calvino no século XVI; elas são “cinco pontos”, porque consistem em cinco doutrinas declaradas em uma confissão chamada Cânones de Dort (1618-1619), em resposta às cinco doutrinas dos seguidores de Jacó Armínio, os “cinco pontos do arminianismo”. 

As doutrinas da graça, ou cinco pontos do calvinismo, são as seguintes:

1. Depravação Total: Todos os homens são pecadores (Rm 3.23; Sl 51.5), totalmente depravados em cada parte do seu ser (Jr 17.9; Mc 7.21-23; Rm 3.10-18; Ef 2.1-3): pensamentos, emoções e vontade (Gn 6.5,6; 1Co 2.14; Rm 8.7,8). Por tal motivo, ninguém pode fazer o bem aos olhos de Deus (Jr 13.23; Rm 3.12), ainda que algumas ações humanas possam parecer boas diante dos homens. Além disso, como a vontade humana também foi afetada, ninguém pode escolher ser salvo sem a graça de Deus (Jo 5.40; 6.44,65). O pecador não tem livre-arbítrio.

2. Eleição Incondicional: Deus escolheu em Cristo desde a eternidade, unicamente pelo Seu amor, graça e vontade, e para Sua própria glória, um número imenso e definido de pessoas para serem salvas dos seus pecados e terem a vida eterna (Ef 1.4-6,11). Essa eleição é chamada de incondicional porque ela não é baseada em nada presente nos próprios eleitos, como fé, boas obras ou perseverança que tenham sido previstas, mas é baseada totalmente na soberana vontade de Deus (Rm 9.11-18; 11.5,6; 2Tm 1.9). Deus não apenas escolheu os eleitos para a vida eterna, mas também preordenou todos os meios pelos quais isso seria possível (Rm 8.28-30). Deus não escolheu a todos e, também para Sua glória, Deus preordenou as demais pessoas para a condenação por causa dos seus pecados, o que é chamado de reprovação (Pv 16.4; Rm 9.17-22).

3. Expiação Limitada: Jesus se ofereceu na cruz como o único e perfeito sacrifício pelos pecados (Hb 10.12-14), para satisfazer a justiça de Deus (Rm 3.21-26), sofrendo a ira divina (Is 53.4-6), tornando-se maldição (Gl 3.13) e morrendo no lugar de pecadores (1Pe 3.18). Por ser verdadeiro Deus, tal sacrifício oferecido por Cristo é de valor e dignidade infinitos, plenamente suficiente para expiar os pecados do mundo inteiro. No entanto, esta expiação é limitada, no sentido de que o propósito de Deus com o sacrifício de Cristo foi expiar apenas os pecados dos eleitos (Mt 1.21; Jo 10.11,15,26-28; 17.6-9,19-21; At 20.28; Rm 8.31-34; Tt 2.14). Portanto, Jesus não morreu por todos os seres humanos literalmente, mas apenas pelos Seus escolhidos.

4. Graça Irresistível: Aqueles que Deus escolheu antes da fundação do mundo são chamados eficazmente por Sua Palavra e por Seu Espírito no tempo determinado por Ele (Rm 8.30; 2Tm 1.9), tendo suas mentes iluminadas para compreenderem o evangelho (1Co 2.12-16; Mt 11.25-27), nascendo de novo para que possam ver o reino de Deus (Jo 3.3,5; Tt 3.4,5) e tendo suas vontades renovadas (Ez 36.26,27) para que, livre e voluntariamente, venham a Cristo (Jo 6.37,44,65), através do arrependimento e fé, que são dons de Deus (At 11.18; Fp 1.29). Essa graça é chamada de irresistível porque é impossível a um eleito resistir ao chamado do Espírito Santo em seu coração, sendo ela o único motivo pelo qual alguns pecadores recebem o evangelho e outros não (Is 55.10,11; Jo 6.37,44,65). Mesmo que apenas os eleitos sejam chamados eficazmente, o evangelho deve ser pregado a todos os homens, para testemunho a todas as nações (Mt 28.18-20; Mc 16.15; Mt 22.14).

5. Perseverança dos Santos: Aqueles que foram eleitos e chamados por Deus não podem decair do estado de graça e perder a salvação; pelo contrário, eles estão eternamente salvos e perseverarão firmes até o fim (Jo 10.27-30; Fp 1.6; Rm 8.35-39). A perseverança deles não depende do seu próprio livre-arbítrio, mas da imutável eleição divina (Rm 8.29,30), da expiação realizada por Cristo que pagou todos os seus pecados (Rm 5.6-10), da atual intercessão de Cristo ao lado do Pai (Rm 8.31-34) e da permanência do Espírito Santo neles, que é o selo e penhor da sua herança (1Jo 3.9; Ef 1.13,14). Ainda que os eleitos não percam a salvação, eles podem cair em graves pecados, desagradando a Deus, entristecendo o Espírito Santo, escandalizando os outros e atraindo sobre si juízos temporais (Jo 18.15-18,25-27). Têm sua comunhão com Deus restaurada através do arrependimento e confissão (Jo 21.15-17).

Comentários

Nenhum comentário em "As Doutrinas da Graça"

 

Teologia e Vida © Revolution Two Church theme by Brian Gardner
Converted into Blogger Template by Bloganol and modified by Filipe Melo