quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

O fenômeno religioso no pentecostalismo brasileiro

4 comentários


O pentecostalismo é a principal vertente do evangelicalismo no Brasil. Diante disso, este trabalho analisa o pentecostalismo como fenômeno religioso, examinando alguns dos seus conceitos, descrevendo algumas de suas crenças e práticas e, finalmente, confrontando-o biblicamente e reconhecendo-o como não bíblico.

Comentários

4 comentários em "O fenômeno religioso no pentecostalismo brasileiro"

Fernando Luis disse...
25 de fevereiro de 2014 21:46

Discordo de sua opinião. A Bíblia afirma o batismo como um dom e virtude, como nas palavras de Pedro em At 11.15-17. Pedro inclusive fala do fenômeno da glossolalia como o dom do Espirito(v.17) que eles haviam recebido, o qual também proclama em At 2.38, e no verso 39 afirma que é para todos a quem o Senhor chamar; portanto o mesmo dom que Cornélio e os apóstolos receberam é prometido a todos a quem Deus chamar. Porém muitos não recebem por ignorância(At 19.2), incredulidade ou porque não pedem(Lc 11.13).O dom ou batismo se difere da imersão no corpo de Cristo pela fé, como cita Paulo em At 19.1-6, em que os discípulos haviam crido mas não haviam recebido o Espirito como em Pentecostes. Paulo também afirma a função do dom na igreja como manifestação da presença de Deus aos infiéis em 1Co 14.24,25; o que vai além de credenciais apostólicas servindo para edificação e ganho de almas. Podemos também afirmar que os milagres e curas não cessarão pois Jesus não mudou(Hb 13.8) e está conosco "até à consumação do século"(Mt 28.20). Agora, se analisarmos a sociedade daquela época, Jesus capacitou os discípulos com poder e virtude do Espírito para testemunhar. Será que nosso mundo pervertido de hoje não precisa da mesma virtude dos apóstolos para aceitar o testemunho de que Cristo vive e seu Reino está presente? Nossos pregadores não precisam mais dessa capacitação para testificar? Podemos julgar desnecessário os dons para ganhar almas e edificar a Igreja?(1Co12).E também como se explicar então, atualmente, as curas e milagres que ainda se operam, ou as revelações que trazem do íntimo daquele que recebe, segredos desconhecidos pelo pregador? O Reino não perdeu o seu poder. Acerca de 1Co 13.8 e analisando os versos seguintes lemos que quando vier o que é perfeito serão aniquilados já que não haverá mais a necessidade de edificação, pois estaremos completos. A não ser que se julgue que a Igreja de hoje já atingiu a perfeição que a Igreja apostólica não conheceu podemos crer que os dons não servem para nós, mas eu creio que tal só se alcançará no céu, na consumação do Reino. Não consigo ver biblicamente nada que exclua a contemporaneidade dos dons. É verdade que há pregadores que não seguem as exortações e ensinos de 1Co 12-14 acerca de ordem no culto e uso dos dons, todavia não acredito que todo o movimento pentecostal seja antibíblico e humano.

William Cervelin Souza disse...
4 de setembro de 2014 02:46

o autor é um ex.pentecostal, só podia nascer textos assim, desrespeitando os demais

João Marcos Jardim Ramos disse...
16 de outubro de 2014 19:07

Sou reformado, mas discordo completamente da posição do artigo. E fico até triste de ler em um blog como esse, tão edificante, algo tão ignorante. Como o Fernando disse, é lógico que existe pessoas que não seguem as escrituras com relações a dons, e muitos também são completamente emocionais. Agora, muito! Mas muito cuidado mesmo em dizer que todo movimento pentecostal não é divino e é humano.
Eu não entendo como os homens ainda pregam suas revoltas.

André Aloísio disse...
19 de dezembro de 2014 10:37

Fernando Luis, muito do que você escreveu é refutado no meu trabalho sobre pentecostalismo, motivo pelo qual não irei refutar novamente aqui.

William, o objetivo do meu trabalho não é desrespeitar ninguém, apenas avaliar um fenômeno religioso à luz do ensino bíblico. Creio que fui fiel às Escrituras nessa avaliação.

João Marcos, é importante enfatizar que eu não acredito, e não defendo no meu trabalho, que em uma igreja pentecostal não exista nada que venha de Deus. Certamente Deus também fala nessas igrejas por meio de Sua Palavra, quando a pregação é fiel, e vidas são transformadas pelo Espírito Santo. O que eu afirmo em meu trabalho é que fenômenos como línguas, profecias, dons de curar e coisas semelhantes que ocorrem em igrejas pentecostais não são de origem divina, mas humana. Não chego a essa conclusão por causa de uma revolta, mas apenas porque fui convencido disso pelas Escrituras.

 

Teologia e Vida © Revolution Two Church theme by Brian Gardner
Converted into Blogger Template by Bloganol and modified by Filipe Melo