terça-feira, 20 de dezembro de 2011

A palavra dita a seu tempo, quão boa é!

1 Comentário

“A palavra dita a seu tempo, quão boa é!” (Pv 15.23).

Esse provérbio é tão simples que parece nem exigir uma explicação. Mas mesmo com toda a sua simplicidade, quão frequentemente ele tem sido negligenciado em nossa prática, como se nem mesmo o conhecêssemos! Parece que nos esquecemos de que “tudo tem o seu tempo determinado” (Ec 3.1), inclusive “tempo de estar calado e tempo de falar” (Ec 3.7).

Às vezes falamos antes da hora. Não conhecemos alguém o suficiente, mas nos precipitamos em dirigir-lhe palavras românticas e sedutoras, iludindo seu coração e provocando sentimentos que não poderão ser correspondidos.

Às vezes falamos depois da hora. Não exortamos ou repreendemos nossos filhos desde sua tenra idade, mas deixamos para fazer isso na adolescência, quando a rebeldia já tomou conta de seus corações.

Às vezes falamos quando deveríamos estar calados. Um amigo perde de forma trágica um ente querido incrédulo, e tudo o que ele precisa é de alguém que o abrace e que chore com ele, mas nos apressamos em apresentar o destino eterno do falecido.

Às vezes ficamos calados quando deveríamos falar. Somos testemunhas do espancamento diário de uma vizinha pelo seu marido, mas preferimos não nos envolver e não denunciar.

A verdade é que dizer a palavra certa no momento certo não é algo fácil. “A língua, nenhum dos homens é capaz de domar” (Tg 3.8), já dizia Tiago. Mas essa dificuldade não é insuperável. Diz-nos outro provérbio que “o coração do sábio é mestre de sua boca” (Pv 16.23), o que nos mostra que um coração sábio pode domar a língua para falar no tempo apropriado. E àqueles que têm falta de sabedoria para tanto, Tiago incentiva: “Se, porém, algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e nada lhes impropera; e ser-lhe-á concedida” (Tg 1.5).

Nós precisamos viver esse provérbio. Precisamos entender a seriedade das nossas palavras e a importância de palavras apropriadas nas ocasiões apropriadas. Palavras mal utilizadas podem trazer morte, mas palavras a seu tempo, vida (Pv 18.21). Que nós saibamos dizer a palavra a seu tempo, “palavras agradáveis como favo de mel: doces para a alma e medicina para o corpo” (Pv 16.24).

Comentários

1 comentário em "A palavra dita a seu tempo, quão boa é!"

Walter Estofados disse...
23 de dezembro de 2011 17:12

Eu tenho um amigo que fumava muito mas, muito mesmo. As vezes de dois a tres maços por dia.E quando terminava um cigarro acendia o proximo com a bituca do que ele acabara de fumar.E o mais intrigante é que ele tinha um amigo que estava com cancer justamente por causa do cigarro.
Certa vez os dois estavam fumando juntos no quintal conversando enquanto soltavam anéis de fumaça ao vento. Então sua esposa colocou a cabeça pra fora da janela e disse: "Isso continue fumando logo, logo será
dois com cancer" Aquelas palavras entraram em seus corações como uma flecha. E todas as vezes que ele pensava em fumar ele desistia e até hoje nunca mais conseguiu colocar um cigarro em sua boca.Nem
ele e nem o amigo. Um por que enxergou oque tinha, e o outro oque iria ter.
"A palavra dita a seu tempo quão boa é!"

Walter estofados

 

Teologia e Vida © Revolution Two Church theme by Brian Gardner
Converted into Blogger Template by Bloganol and modified by Filipe Melo