terça-feira, 31 de agosto de 2010

Vencedor do 4º Concurso do Mês Missionário

Comente Aqui

O 4º Concurso do Mês Missionário chegou ao fim. A vencedora foi a irmã Jacilene S.D.S, com a frase:

"Acreditar na predestinação não implica dizer que não devemos evangelizar; pelo contrário, temos que buscar, e rápido, os eleitos de Deus".

Solicitamos à irmã Jacilene que nos envie por e-mail (teologia.vida@gmail.com) o seu endereço postal, para receber o livro A Vida de David Brainerd (Jonathan Edwards) em sua residência.

Parabéns à vencedora e agradecimentos a todos os irmãos que participaram!

domingo, 29 de agosto de 2010

Relato da Operação Jesus Transforma em Manaus (Parte 3)

Comente Aqui

Parte: [1] [2] [3] [4] [5]
Veja as fotos: Álbum da Trans Manaus 2010


Preparação e planejamento do trabalho


No sábado, dia 03/07, tivemos um café da manhã no Colégio Batista e, logo após, nos preparamos para sairmos com nossas equipes para os bairros designados, às 7:00. Despedi-me de alguns irmãos que ficaram em outras equipes, como Pr. Ordalho, Pr. Daniel, Wendel, Hildo, Osvaldo e outros. Foi um misto de alegria e tristeza: alegria por tê-los conhecido e desfrutado de bons momentos de comunhão; tristeza por pensar que essa poderia ser a última vez que eu os veria. Após as despedidas, minha equipe e eu pegamos a van que nos levaria para o bairro Riachuelo II.

Ao chegarmos no bairro, descarregamos nossas malas numa casa alugada, onde ficaríamos. A casa tinha dois quartos com ar condicionado, dois banheiros (um deles em um dos quartos), sala, copa e cozinha, além de um hall de entrada com uma cadeira de balanço. Apesar disso, a casa era simples. O quarto com suíte, que era maior, ficou com as mulheres, que estavam em maior número. Logo depois de nos acomodarmos, Halysson e eu colocamos uma faixa na frente da casa, com os dizeres: “Operações Jesus Transforma”.

Ainda de manhã, quando Pr. Dinê chegou na casa, cada um dos membros da nossa equipe se apresentou para nos conhecermos melhor e fizemos uma oração em conjunto. Conversei um pouco com Pr. Dinê, descobrindo que ele é carioca e que está como pastor auxiliar na Primeira de Manaus há pouco tempo. Também conversei com uma irmã chamada Simei, da Primeira de Manaus, que iria cozinhar para nós por alguns dias. Ela me falou várias coisas interessantes sobre Manaus e o Amazonas, principalmente sobre a floresta amazônica, os rios do Amazonas e o fenômeno da pororoca. Também descobri que não há rodovias ligando as cidades do Amazonas. O transporte entre cidades é feito de barco ou, nas cidades que têm aeroportos, também de avião.

Depois do almoço, sentados ao redor da mesa da copa e com um mapa do bairro em mãos, fizemos alguns planejamentos, marcando as ruas pelas quais começaríamos o trabalho, e elaboramos um cronograma de nossa rotina, para todos os dias:

6:00-7:00- Devocional particular
7:00-7:30- Devocional coletivo
7:30-8:00- Café da manhã
8:00-11:30- Evangelismo
11:30-14:00- Almoço e descanso
14:00-17:30- Evangelismo
17:30-20:30- Descanso (quando não houvesse outra atividade)
20:30-21:00- Jantar
21:00-22:00- Devocional coletivo e prestação de contas

Combinamos que os cultos seriam realizados aos domingos e terças-feiras, às 19:00, na própria casa onde estávamos hospedados. De segunda a sexta-feira, às 15:00, um pessoal da Primeira de Manaus viria à casa para fazer a EBF (Escola Bíblica de Férias) com as crianças do bairro. E aos sábados, de manhã e à tarde, teríamos ação social numa escola do bairro.

Também dividimos as duplas para o evangelismo: Consolação e Núbia, Maria das Neves e eu, Rainércia e Halysson. Anaylse, que às vezes tinha alguma atividade na Primeira de Manaus, ajudaria alguma das duplas acima ou faria dupla com mais algum voluntário da Primeira de Manaus.

À noite saímos para caminhar pelo bairro, intercedendo pelas pessoas em silêncio, para que Deus abrisse seus corações à Palavra. Foi também uma boa oportunidade para conhecer melhor o nosso campo de atuação.

Quando voltamos para a casa, eu, Núbia e Hallyson ficamos conversando por bastante tempo no hall de entrada. Falamos sobre diversas coisas: diferenças de sotaques, palavras e expressões, entre São Paulo e o Amazonas, frutas exóticas do Amazonas, características do povo manauense, pontos turísticos de Manaus, etc. Foi uma conversa muito interessante, onde aprendi várias coisas sobre a cultura da cidade. O sotaque do povo manauense é muito semelhante ao do Rio de Janeiro. Eles usam muito o “tu” para se dirigir às pessoas, ao invés do “você”, que para eles é mais formal. Algumas coisas tem nomes diferentes, como “lagoa”, que eles chamam de “igarapé”, e “pernilongo”, que eles chamam de “carapanã”. Devido à proximidade da linha do Equador, não existem as quatro estações em Manaus, fazendo calor o ano todo e chovendo um pouco mais no segundo semestre. Por causa da alta temperatura, o ar condicionado é um acessório muito comum em casas de classe média. Por outro lado, os chuveiros não apresentam resistência elétrica, pois não há necessidade. As redes são muito usadas por todo o povo do Amazonas, tanto para descansar quanto para dormir. Devido aos grandes rios que circundam Manaus, a pesca é uma atividade muito comum e o peixe é o principal prato dos manauenses, sendo o Tambaqui um dos mais apreciados e caros. O açaí é uma fruta muita apreciada, tomado puro ou com tapioca.

Para terminar o sábado, tivemos nosso primeiro devocional coletivo, onde cantamos, oramos e eu trouxe uma meditação sobre o Salmo 40.1-3. Falei sobre nossa desesperadora situação quando estávamos no pecado (“poço de perdição” e “tremedal de lama”); como Deus nos salvou poderosamente, inclinando-se para nós, ouvindo nosso clamor, tirando-nos da lama do pecado, firmando os nossos pés na Rocha que é Cristo e colocando em nossos lábios um novo cântico; e sobre como essa poderosa salvação, evidenciada em nossa nova forma de viver (“um novo cântico, um hino de louvor ao nosso Deus”), é um testemunho salvador para os incrédulos (“muitos verão essas coisas, temerão e confiarão no SENHOR”). Ficou combinado que a cada devocional um irmão diferente faria a meditação.

Na hora de dormir, apesar do quarto dos homens ter uma cama de casal, eu decidi dormir no meu colchonete, deixando a cama para Halysson. Fiz isso todos os dias em que estive lá.


Início do trabalho e métodos utilizados


Domingo, depois do devocional particular e coletivo, e do café da manhã, saímos para fazer o evangelismo de casa em casa, uniformizados com a camiseta da Trans 2010, sob o forte Sol de Manaus. Começamos pela rua da nossa própria casa, a Rua das Flores. Nós usávamos uma ficha chamada “Pesquisa Religiosa”, onde eram registrados dados pessoais da pessoa abordada, além de conter várias perguntas, como: “Quais as maiores necessidades desta comunidade? Qual a sua religião? Com que freqüência você assiste às reuniões? Já freqüentou uma igreja evangélica? Possui uma Bíblia? Costuma ler? Deseja conhecer mais a Deus? Você tem certeza da salvação?”. A conversa era iniciada através das perguntas da pesquisa. Enquanto um membro da dupla conversava com a pessoa, o outro anotava as informações na ficha. A pergunta “Deseja conhecer mais a Deus?” abria caminho para oferecermos os estudos bíblicos e, à partir da pergunta “Você tem certeza da salvação?”, apresentávamos o nosso testemunho pessoal e o plano da salvação.

O testemunho pessoal era apresentado em quatro partes: como eu era antes de conhecer a Cristo, como descobri minha necessidade Dele, como se deu minha conversão e como sou agora. O plano da salvação era apresentado de várias formas. Eu, particularmente, optei por usar o método de um folheto chamado “Como ter a Vida Eterna”, que apresenta a salvação em quatro passos: a vida eterna que Deus preparou para Seus Filhos, o pecado que impede o homem de alcançar a vida eterna, a redenção de Cristo para salvar o homem do pecado e a resposta humana para receber a vida eterna, através do arrependimento e da fé em Cristo. Os estudos bíblicos eram baseados no Evangelho de João, quatro estudos ao todo, compostos por perguntas que eram respondidas pelas próprias pessoas, através das referências bíblicas ao lado das perguntas. Esses estudos se assemelham, na forma, aos catecismos históricos, mas apresentam um conteúdo doutrinário mais superficial e uma linguagem mais simples.

Esse método evangelístico nos permitia fazer um recenseamento das casas do bairro, dando-nos uma idéia da realidade sócio-econômica e religiosa das pessoas, ao mesmo tempo em que nos permitia falar do Evangelho e oferecer os estudos bíblicos, que aprofundariam aquilo que havia sido falado na primeira conversa.

A primeira pessoa evangelizada pela minha dupla foi um católico não-praticante chamado Edson. Ele aceitou o estudo bíblico para a segunda-feira, às 20:00, mas não recebeu a Cristo. Na parte da manhã minha dupla recenseou 7 casas, marcou 2 estudos bíblicos e distribuiu 2 Evangelhos de João. Não pudemos ser mais produtivos porque choveu em determinado momento, o que nos obrigou a voltar para a casa. O que pudemos perceber nesse primeiro evangelismo foi que as pessoas de Manaus são bastante educadas, receptivas, hospitaleiras e abertas para ouvir a Palavra, o que nos animou bastante.

Almoçamos e à tarde tomamos açaí com tapioca. Uma maravilha e novidade para mim, que nunca havia tomado açaí! Às 15:30 saímos por várias ruas do bairro para convidar as pessoas para o culto que teríamos à noite. Muitos disseram que iriam. O culto foi realizado às 19:00. Um pessoal da Primeira de Manaus veio nos ajudar com o louvor e Pr. Dinê pregou um sermão evangelístico em Mateus 11.28-30. Infelizmente tivemos como visitantes apenas um casal que já era evangélico. Após o culto ficamos algum tempo conversando no hall de entrada. Encerramos o dia com o devocional coletivo e a prestação de contas, na qual entregamos nossas fichas de recenseamento e fizemos um relatório do trabalho diário.

sábado, 28 de agosto de 2010

Relato da Operação Jesus Transforma em Manaus (Parte 2)

1 Comentário

Parte: [1] [2] [3] [4] [5]
Veja as fotos: Álbum da Trans Manaus 2010


Passeio por Manaus

Na quinta-feira, dia 01/07, acordei às 6:00. Depois de ler a Bíblia e orar, fui tomar café da manhã no Colégio Batista Ida Nelson, em frente à Convenção, junto com Pr. Ordalho e Wendel. Lá conhecemos novos irmãos, entre eles Pr. Daniel, de Maceió, AL, e Hildo, de São Paulo, SP. Voltamos para a Convenção, onde vimos um vídeo da Trans Amazonas 2002, entre os ribeirinhos.

Como a Trans só começaria à noite, resolvemos fazer um passeio por Manaus, para conhecermos um pouco a cidade. Pegamos um ônibus junto com mais alguns irmãos, entre eles a missionária manauense Niumara e um casal do Espírito Santo, e fomos para o porto de Manaus. Lá pegamos um barco simples, mas motorizado, para passear.

Em nosso passeio de barco fomos ao meio da floresta amazônica. Vimos casas ribeirinhas, algumas construídas em cima dos rios, outras flutuantes. Vimos também árvores de várias espécies cujas raízes e parte dos troncos estavam embaixo das águas. É o que eles chamam de igapós, regiões da floresta que ficam alagadas em determinados períodos do ano. Paramos numa construção de madeira sobre o rio onde alguns índios vendiam várias coisas interessantes. Comprei um apito semelhante ao canto de um pássaro, uma flauta, uma faca e uma zarabatana pequena (arma de assoprar setas). Nesse mesmo lugar havia uma ponte de madeira construída sobre o rio que conduzia até algumas vitórias-régias.

Na volta encontramos uma canoa com alguns meninos e três animais: um jacaré pequeno, um bicho-preguiça e uma cobra. Tiramos fotos com os animais e demos um dinheiro aos meninos. Creio que eles vivem disso. Depois vimos o encontro do Rio Negro e do Solimões. O Rio Negro é ácido e escuro, enquanto o Solimões é barrento e marrom, e os dois não se misturam! Além disso, a temperatura e a velocidade da correnteza dos dois rios também é diferente.

O passeio de barco durou mais de três horas. Durante o passeio eu refleti sobre como a glória de Deus se manifesta na criação, apesar de ela estar decaída por conta do pecado. E pensei: se a criação decaída é tão gloriosa, quão gloriosa era a criação original, quão mais gloriosa será a nova criação e quão infinitamente glorioso é Deus, o Criador de todas essas coisas!

De volta à cidade, passeamos por alguns lugares nas proximidades, como um mercado com uma enorme variedade de peixes. Depois fomos almoçar no Shopping Manauara, próximo à Convenção, com destaque para sua mini floresta.

Treinamentos e Culto de Comissionamento

Após o passeio por Manaus, conheci um índio na Convenção que era missionário entre tribos indígenas. Ele me falou um pouco sobre o seu trabalho, mostrando-me fotos e uma filmagem na qual ele evangelizava um índio. Achei muito interessante, principalmente as contextualizações utilizadas pelo missionário para apresentar o Evangelho àquele índio que nada sabia sobre Jesus. Após essa proveitosa conversa, tomei um banho na Convenção e levei minhas malas para o Colégio Batista Ida Nelson, onde iríamos dormir à partir de então.

Às 19:00 começou oficialmente a Trans, com um culto no auditório do Colégio Batista. Tivemos um momento de louvor com músicas contemporâneas. Vários pastores e missionários falaram nesse culto, mas quem deu o treinamento foi Pr. Nilton, da Junta de Missões Nacionais. Esse treinamento, assim como os outros, consistiu basicamente numa apresentação dos métodos que utilizaríamos no evangelismo, que serão descritos posteriormente. Após o culto, que acabou próximo das 22:00, fomos dormir. Dessa vez eu usei meu colchonete, que de tão fino quase me fez acreditar que eu estava deitado diretamente no chão. Para variar, em nosso quarto havia um ar condicionado que deixou a temperatura em torno dos 12°, levando-me a passar frio novamente, já que não havia levado roupas de frio. Mas dormi melhor do que na noite anterior.

Na sexta-feira de manhã tivemos a continuidade do treinamento com Pr. Nilton. Após esse treinamento assistimos o jogo do Brasil contra a Holanda, das 10:00 às 12:00. Apesar da derrota do Brasil, observei que todos estavam animados e pouco se importaram com o resultado. Estávamos com nossos corações inclinados à missão que teríamos pela frente e, diante da sublimidade de tal missão – ganhar almas – uma Copa do Mundo perdia todo o seu encanto.

Almocei com um jovem chamado Osvaldo, de Goiás, convertido há dois anos, com quem também pude fazer amizade e conversar sobre coisas proveitosas. Às 14:00 tivemos o último treinamento com Pr. Nilton, ao final do qual tivemos a divisão das equipes. Foram compostas 15 equipes com os 150 irmãos voluntários da Trans, as quais seriam enviadas para 15 bairros diferentes de Manaus, para plantar ou revitalizar igrejas. Minha equipe foi composta pelos seguintes irmãos: Consolação, uma senhora de meia idade, de Teresina, PI, nossa líder; Maria das Neves, de 58 anos, do Rio de Janeiro; Rainércia, de 36 anos, da Bahia; Anaylse, pouco mais de 20 anos, de Manaus; Núbia, de 20 anos, de Manaus; e Halysson, de 18 anos, de Manaus. Fomos designados para o bairro Riachuelo II, um bairro de periferia que havia sido uma invasão, onde, com o apoio da Primeira Igreja Batista de Manaus, iríamos plantar uma nova igreja. Pr. Winston, filho do Pr. Norton, titular da Primeira de Manaus, ficou responsável por supervisionar o trabalho, e Pr. Dinê, auxiliar na Primeira de Manaus, assumiria o pastorado da nova igreja a ser plantada.

À noite, todos nós, voluntários da Trans, fomos à Primeira Igreja Batista de Manaus, onde seria realizado o culto de comissionamento, às 19:30. Tivemos um momento de louvor e vários pastores e missionários falaram. Quem pregou foi Pr. Nilton. No final da pregação ele fez um apelo àqueles que estavam decididos a se dedicar exclusivamente à obra de pregação da Palavra, como missionários ou pastores, para que fossem à frente, a fim de que ele e outros pastores e missionários orassem por nós. Apesar de eu ter recebido meu chamado para o ministério da Palavra aos 16 anos e ter tido o reconhecimento desse chamado por parte da igreja na mesma época, eu nunca havia confessado publicamente meu assentimento a esse chamado. Portanto, ao ouvir esse apelo e com o coração em chamas pelo desejo de pregar a Palavra, eu fui à frente, junto com mais alguns irmãos, decidido a viver para anunciar as insondáveis riquezas de Cristo! Após a oração, ainda na frente, nós cantamos a música “Por Ti darei a minha vida”, de Almir Rosa e Simone Rosa: “Por Ti darei a minha vida. Por Ti darei meu coração. Seja na vida ou na morte, quero servir a Ti, Senhor! Quero, oh Deus, falar do Teu amor!”. Foi um momento bastante emocionante e significativo para mim. Após isso, todos os voluntários da Trans foram à frente para que a igreja orasse por nós e para tirarmos uma foto. Terminado o culto, voltamos para o Colégio Batista, onde tivemos um café e pudemos conversar mais um pouco, antes de dormir.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Relato da Operação Jesus Transforma em Manaus (Parte 1)

Comente Aqui

Parte: [1] [2] [3] [4] [5]
Veja as fotos: Álbum da Trans Manaus 2010


Preparação para a Trans (excerto do meu diário, escrito dia 30/06/2010, às 16:50)

Hoje é o dia da minha viagem à Manaus. Este momento é importante para mim por uma série de razões: esta será a primeira vez que viajo para fora do estado de São Paulo; esta será a primeira vez que viajo de avião; esta será a minha primeira viagem missionária; esta viagem será uma excelente oportunidade para que eu teste minha aptidão para missões, numa missão muito próxima de algo transcultural; esta será uma excelente oportunidade para ganhar almas!

Quanto aos livros, estou levando apenas o essencial: Bíblia Sagrada, minha única regra de fé e prática, viva e eficaz, penetrante como uma espada de dois gumes, poderosa para discernir os pensamentos e propósitos do coração; Confissão de Fé Batista de 1689, um compêndio de teologia reformada resumido, para trazer à minha memória a fé que uma vez por todas foi entregue aos santos; O Peregrino (John Bunyan), para aquecer a alma e lembrar-me que estou neste mundo só de passagem.

Agora à tarde fiz minha leitura bíblica diária e orei um pouco. Agora estou escrevendo estas palavras. Confesso que estou mais tranqüilo do que eu esperava. Estou só um pouco ansioso, mas sem preocupações, mesmo sabendo que daqui a algumas horas estarei, pela primeira vez na vida, em um avião!

Que Deus possa me usar poderosamente nesta missão! Que muitas almas possam ser salvas através da minha vida! Que Deus seja glorificado quando eu pregar Seu Evangelho, um tesouro que está em vasos de barro como eu, para que a excelência do poder seja de Deus e não minha! Amém!

Viagem e chegada em Manaus

Cheguei ao aeroporto de Viracopus (Campinas, SP) cerca de 20:30, de carona com um irmão da Igreja do Evangelho Quadrangular que trabalha lá. Porém, como o meu vôo sofreu um atraso, o avião só partiu pouco depois das 22:00. Foi uma experiência bastante interessante viajar de avião, principalmente a decolagem e a aterrissagem. Só não foi melhor porque, como eu viajei à noite, não consegui ver muita coisa, apenas as luzes das cidades.

Desembarquei no aeroporto de Manaus à 0:50 e logo ao sair do salão de desembarque encontrei um casal de missionários da Convenção Batista Brasileira com um cartaz da Operação Jesus Transforma (Trans). Dirigi-me a eles e, após me apresentar e nos cumprimentarmos afetuosamente, eles me conduziram até Pr. Djalma, pastor em Manaus, que estava me esperando. Junto com ele havia várias irmãs voluntárias para a Trans e também Pr. Ordalho, um jovem pastor de 30 anos, da Igreja Batista Ouro Verde, em Campinas, SP. Apesar de sermos da mesma cidade, da mesma denominação e termos viajado no mesmo avião, eu e Pr. Ordalho só nos conhecemos no aeroporto de Manaus. Comemos um lanche no Bob’s do aeroporto e logo após Pr. Djalma levou as irmãs para a Convenção Batista do Amazonas. Eu e Pr. Ordalho ficamos no aeroporto esperando Pr. Djalma voltar para nos levar em uma segunda viagem e, enquanto esperávamos, conversamos sobre diversos assuntos: seminário, teologia, organizações batistas, seitas e heresias, etc. Foi uma conversa muito gostosa e proveitosa, ainda mais quando descobri que Pr. Ordalho também é calvinista!

Quando Pr. Djalma voltou, ele nos levou para a Convenção, onde passaríamos a noite. Ao sairmos do aeroporto não pude deixar de notar a alta temperatura da cidade de Manaus, com cerca de 30° de madrugada! Outra coisa que me chamou a atenção foi o cheiro da cidade, diferente da cidade de Campinas, talvez por causa da umidade do ar. No caminho para a Convenção fiquei observando, com uma curiosidade infantil, as diferenças entre as árvores da floresta amazônica e da mata atlântica de São Paulo.

Chegamos na Convenção quase 3:00. Eu e Pr. Ordalho ficamos em um quarto onde Wendel, um irmão de 30 anos, do Rio de Janeiro, já estava dormindo. Dormimos em alguns colchões colocados no chão. Não consegui dormir muito bem, por causa do turbilhão de pensamentos que vinham à minha mente e do frio de nosso quarto, provocado por um ar condicionado. Pensei principalmente na bondade de Deus ao me proporcionar uma oportunidade como essa, de pregar Seu Evangelho num lugar tão distante e tão diferente da minha realidade.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

4º Concurso do Mês Missionário

Comente Aqui

Iniciamos o 4º Concurso do Mês Missionário com um pequeno atraso!

Para participar:

1) Escreva uma frase curta, objetiva e criativa, de no máximo 140 caracteres (tamanho do Twitter), sobre "a evangelização e a responsabilidade humana".

2) Envie sua frase e seu nome completo para o e-mail teologia.vida@gmail.com .

Regras:

1) A frase deverá ser enviada até a próxima segunda-feira, dia 30/08/2010, às 23:59, quando o 4º Concurso será encerrado.

2) O vencedor deste concurso não poderá participar de outro.

A melhor frase será escolhida pela equipe Teologia e Vida e o vencedor será divulgado na terça-feira, dia 31/08/2010.

O vencedor ganhará o livro A Vida de David Brainerd (Jonathan Edwards) e o receberá em sua residência, sem nenhuma despesa.

Não perca tempo e envie agora mesmo a sua frase!

A evangelização e a responsabilidade humana

Comente Aqui

Este artigo foi publicado originalmente pelo irmão Davi Luan, no dia 03/09/2006, com o título "Salvação até aos confins da terra". Decidi republicá-lo, pois ele expressa muito bem nossa responsabilidade diante da grande obra de evangelização de que o mundo necessita.

"Porque o Senhor assim no-lo determinou: Eu te constituí para luz dos gentios, a fim de que sejas para salvação até aos confins da terra" (Atos 13:47)

Hoje pela manhã, no culto que prestamos ao Senhor em nossa igreja, tivemos a presença de uma missionária que trabalha com os povos do Oriente Médio, em especial os iraquianos. Ela esteve falando a respeito do trabalho que é desenvolvido lá, e da grande dificuldade que os cristãos enfrentam naqueles países islâmicos. Falou também sobre o grande esforço missionário empregado pelos muçulmanos, que superam os cristãos nessa área: só a universidade islâmica de Cairo forma 10000 missionários por ano!

Nós, meus irmãos, como Igreja de Jesus Cristo, que temos feito com relação a esses povos que estão se perdendo? Muitos deles nem sequer ouviram falar do Salvador. Vivem em cadeias, escravizados pelo pecado e presos por doutrinas mentirosas e diabólicas. Eles não sabem o que é alegria da salvação, nunca experimentaram a doçura da graça de Deus, não sabem o que é comunhão com Deus, coisas que nós temos o privilégio de desfrutar hoje. Como temos reagido diante disso?

É triste dizer, irmãos, mas a verdade é que muitos de nós têm sido indiferentes sobre essas coisas. Estamos tão preocupados com essa nossa vida, com as coisas que nos cercam, com nossos problemas pessoais, que não paramos para pensar na situação em que muitas nações se encontram por esse mundo. Não deveríamos nós, irmãos, nos preocupar mais com o Reino de Deus? Não deveríamos amar essas vidas que têm se perdido? Saber que muitos morrem sem ouvir as boas novas do Evangelho deveria nos fazer temer e tremer, e chorar perante o Senhor!

Talvez você esteja se perguntando: como eu posso ajudar? O que eu, um simples cristão, posso fazer? Gostaria de citar três coisas:

Ir à frente no campo de batalha! Irmãos, quem dera se houvesse mais missionários cristãos! Pessoas que tomam frente da batalha, e se arriscam a campo, por amor de Jesus. Que vão nesses lugares com coragem e ousadia, anunciando o Salvador, ainda que isso possa custar sua própria vida. Quão formosos são os pés dos que anunciam boas-novas! Que o Senhor chame mais e mais pessoas para essa obra tão especial em outras nações. E se o Senhor está chamando você, amado do Senhor, responda como Isaías: "Eis-me aqui, envia-me a mim".

Ficar na retaguarda, em oração! Talvez você não seja vocacionado pelo Senhor para ir a outras nações pregar o Evangelho, porém esse chamado da oração é universal, para todos os filhos de Deus. Qualquer cristão pode e deve orar pelo Evangelho ao redor do mundo. Meus irmãos, quantos missionários têm sofrido perseguições terríveis, sendo presos, mortos, torturados. Somos nós tão insensíveis, que não nos comovemos diante disso? Quantas pessoas morrendo sem esperança! Quantos lugares onde a Palavra não pode entrar!

Agora irmãos, como têm sido as nossas orações? Há espaço nelas para missões? Ou será que só há espaço para carro novo, casa nova, emprego novo, porta aberta, benção, vitória, milagre, etc etc? Como nossas orações têm sido egoístas! Só pedimos para nós, queremos tudo, e não nos doamos em súplicas a Deus em favor dos que estão perecendo! Que haja em nossos corações um fardo santo, de modo que derramemos nossas lágrimas em oração a Deus, em favor da pregação do Evangelho no mundo!

Enviar suprimentos! Talvez o Senhor esteja abençoando você tremendamente na área financeira, e isso é uma benção. Somos contra a pregação centrada na prosperidade financeira, porém reconhecemos que Deus pode concedê-la a quem lhe apraz. E se Ele tem feito isso com você, irmão, como você tem aplicado esse dinheiro? Tem investido em missões? Tem sustentado missionários? Tem sido liberal, generoso, não apegado ao dinheiro, mas apegado ao Reino?

Mesmo aqueles irmãos que tem uma condição financeira pequena, podem ajudar também. Ainda que seja pouco, devemos cooperar para o progresso do Evangelho! Se você não pode enviar uma oferta para missões em outros países, comece ajudando o departamento de evangelismo de sua igreja. Que o Espírito nos ensine a generosidade e a sabedoria, para aplicar aquilo que Deus tem nos dado de modo fiel!

Irmãos, não posso deixar de mencionar mais uma verdade. É certo que devemos nos preocupar com os que estão longe, mas que não nos esqueçamos dos que estão ao nosso redor! Temos parentes, amigos, vizinhos, que não conhecem ao Salvador, e estão tão próximos de nós. Temos falado de Jesus para eles? Estamos orando pela sua conversão? Ah, povo de Deus, fazemos algo pelas almas que estão a nossa volta, caminhando para o inferno? Como podemos deixar de ensinar o Caminho àqueles que estão perdidos?

Que Deus tenha misericórdia de nós! Ajuda-nos, Senhor, a sermos luz do mundo, e falarmos com ousadia daquilo que temos visto e ouvido! Dá-nos amor pelas pessoas que têm se perdido! Leva-nos a considerar a situação de tantas nações que não conhecem o Teu amor! Desperta-nos para a obra do Evangelho, no Brasil e nos demais países!

domingo, 22 de agosto de 2010

Vencedor do 3º Concurso do Mês Missionário

Comente Aqui

O 3º Concurso do Mês Missionário chegou ao fim. O vencedor foi o irmão Vinícius Pimentel, com a frase:

"A soberania de Deus é a única esperança de que a evangelização feita por servos inúteis como nós há de guiar almas para o céu".

Solicitamos ao irmão Vinícius que nos envie por e-mail (teologia.vida@gmail.com) o seu endereço postal, para receber o livro Evangelização Teocêntrica (R. B. Kuiper) em sua residência.

Parabéns ao vencedor e agradecimentos a todos os irmãos que participaram!

Se você não ganhou, não deixe de participar do 4º Concurso do Mês Missionário! Pode ser sua chance.

domingo, 15 de agosto de 2010

3º Concurso do Mês Missionário

Comente Aqui

Iniciamos o 3º Concurso do Mês Missionário!

Para participar:

1) Escreva uma frase curta, objetiva e criativa, de no máximo 140 caracteres (tamanho do Twitter), sobre a relação entre "a evangelização e a soberania de Deus".

2) Envie sua frase e seu nome completo para o e-mail teologia.vida@gmail.com .

Regras:

1) A frase deverá ser enviada até o próximo sábado, dia 21/08/2010, às 23:59, quando o 3º Concurso será encerrado.

2) O vencedor deste concurso não poderá participar de outro.

A melhor frase será escolhida pela equipe Teologia e Vida e o vencedor será divulgado no domingo, dia 22/08/2010.

O vencedor ganhará o livro A Evangelização e a Soberania de Deus (J. I. Packer) Evangelização Teocêntrica (R. B. Kuiper)* e o receberá em sua residência, sem nenhuma despesa.

Não perca tempo e envie agora mesmo a sua frase!

* Infelizmente não conseguimos encontrar o livro A Evangelização e a Soberania de Deus (J. I. Packer) em nenhuma livraria, nem mesmo na Editora Cultura Cristã. Por tal razão, tivemos que trocá-lo por Evangelização Teocêntrica (R. B. Kuiper), um livro muito semelhante e tão bom quanto.

A evangelização e a soberania de Deus

2 comentários

Este texto foi retirado do livro Evangelização Teocêntrica, de R.B. Kuiper, parte do qual foi publicado no Monergismo.

Desde toda a eternidade Deus preordenou tudo o que acontece, incluindo o destino dos homens. A Bíblia chama de predestinação o decreto divino concernente a esse destino. O aspecto da predestinação mais saliente na Escritura é conhecido pelo nome de eleição. É ensinada em muitas passagens, como a de Efésios 1:4-6,11, que diz: "Assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade, para louvor da glória de sua graça, pela qual nos fez agradáveis a si no Amado...Nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade" [...]

Vez por outra se ouve a idéia de que a eleição torna supérflua a ação evangelizadora. Pergunta-se: "Se o decreto da eleição é imutável e, portanto, torna absolutamente certa a salvação dos eleitos, que necessidade têm elas do Evangelho? Os eleitos não vão ser salvos mesmo, ouçam ou não o Evangelho?"

A premissa desse argumento é inteiramente verdadeira. A eleição divina torna a salvação dos eleitos inteiramente certa. Mas a conclusão derivada dessa premissa revela grave incompreensão da soberania divina como expressa no decreto da eleição.

Enquanto que a eleição foi feita na eternidade, não se pode perder de vista a verdade de que sua concretização é um processo que se dá no tempo, ou seja, dentro da história. Muitos fatores tomam parte nesse processo. Um deles é o Evangelho. E por sinal é um fator da maior significação.

Não se confunda a soberania de Deus com a Sua onipotência. Certamente Deus é todo-poderoso. Significativamente, o conciso Credo Apostólico se refere a este atributo de Deus, não uma, porém duas vezes. Se Deus quisesse, poderia pelo emprego da simples força levar para o Céu os eleitos, e igualmente pelo emprego da simples força lançar ao inferno os não eleitos. Mas Ele não faz nada disso. Pré-ordenação não é compulsão e a certeza não exclui a liberdade. Ninguém jamais foi convertido ao cristianismo à força. Todo verdadeiro converso volta-se para Cristo porque quer - embora seja certo que este querer é dom de Deus, transmitindo a ele por ocasião do seu novo nascimento. Deus trata os seres humanos como criaturas racionais, capazes de agir livremente. Por isso, Ele arrazoa e dialoga com os não salvos por meio do Evangelho. Quer "persuadir" os homens (2 Coríntios 5:11). E no caso dos eleitos, Ele aplica o Evangelho aos corações deles de maneira salvadora, mediante o Espírito Santo.

Não se vá supor que o soberano decreto de Deus só se refere aos fins, com a exclusão dos meios. Por mais ênfase que se dê, não será suficiente para expressar que Deus pré-ordenou tudo que sucede. Tudo abrange meios, bem como os fins. Para ilustrar, Deus não somente pré-determinou que dado fazendeiro colhesse este ano dez mil arrobas de trigo; pré-determinou também que colhesse aquela quantidade como resultado de muito trabalho duro. Do mesmo modo, Deus não decretou apenas que certo pecador herde a vida eterna, mas decretou que esse pecador receba a vida eterna por meio da fé em Cristo, e que obtenha a fé em Cristo por meio do Evangelho.

Não se pode imaginar a soberania de Deus como se ela eliminasse a responsabilidade dos homens. Como os mais cultos e competentes teólogos e filósofos se mostraram incapazes de conciliar a soberania divina com a responsabilidade humana perante o tribunal da razão, sempre se corre o risco de dar ênfase a uma delas em detrimento - ou mesmo com a exclusão - da outra. Mas a Bíblia ensina as duas verdades com grande ênfase. Aquele que aceita com humilde fé a Bíblia como a infalível Palavra de Deus, dará vigoroso destaque tanto a uma como à outra. Portanto, o pregador do Evangelho tem de dizer ao pecador, não apenas que a salvação é só pela graça soberana, mas também que, para ser salvo, ele precisa crer em Jesus Cristo como Salvador e Senhor. Por um lado, deve pregar que os eleitos de Deus serão salvos com toda a segurança; por outro lado, deve proclamar a advertência de que aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus permanece sobre ele (João 3:36). Mesmo os eleitos precisam desta admoestação, pois faz parte integrante do método que Deus adotou para levá-los à salvação.

Agora fica assegurada uma conclusão das mais significantes. Em vez de tornar supérflua a evangelização, a eleição requer a evangelização. Todos os eleitos de Deus têm que ser salvos. Nenhum deles pode perecer. E o Evangelho é o meio pelo qual Deus lhes comunica a fé salvadora. De fato, é o único meio que Deus emprega para esse fim. "A fé vem pelo ouvir e o ouvir pela palavra de Deus" (Romanos 10:17).

Observe-se que, por paradoxal que pareça, a eleição é universal. Certamente, a eleição é a escolha de certas pessoas, dentre um maior número, para a vida eterna. Assim a eleição reflete particularismo. Contudo, num sentido real, a eleição é universal. Deus tem os Seus eleitos em todas as nações e em todas as épocas. A igreja é composta de "eleitos de toda nação", e em nenhum período da história os eleitos pereceram na terra, e jamais acontecerá isto no futuro. Deus quer que o Evangelho seja proclamado no mundo todo e em todo o tempo para que seja congregada a soma total dos eleitos. É bom repetir, pois: a eleição exige a evangelização.

A mesma verdade pode-se ver de outro ângulo. A Escritura ensina que a eleição foi feita com vistas às boas obras. Disse Paulo: "Somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas" (Efésios 2:10). E a Escritura ensina especificamente que a eleição foi feita com vistas ao testemunho. Disse Pedro: "Vós sois raça eleita...a fim de proclamardes as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz" (1 Pedro 2:9). Deus escolheu determinadas pessoas, não só para irem para o Céu quando morrerem, mas também para serem Suas testemunhas enquanto estiverem na terra. Digamos outra vez: a eleição exige a evangelização.

Eis outra conclusão igualmente significativa: a eleição assegura que a evangelização resulte em conversões genuínas. O pregador do Evangelho não tem como dizer quem em seu auditório pertence aos eleitos e quem não pertence. Mas Deus sabe. E Deus está pronto para aplicar e abençoar Sua Palavra nos corações dos Seus eleitos para a salvação. O momento preciso em que apraz a Deus fazer isso no caso de um eleito individual, não sabemos, mas é certo e seguro que o fará antes da morte da pessoa. Exatamente tão certo como todos os eleitos de Deus serão salvos, é certo que a palavra do Evangelho não tornará a Deus vazia (Isaías 55:11).

Vencedor do 2º Concurso do Mês Missionário

Comente Aqui

O 2º Concurso do Mês Missionário chegou ao fim. O vencedor foi o irmão Gleison Elias Pereira, com a frase:

"O conteúdo da evangelização é o anuncio da mais excelente mensagem já ouvida pelo homem: Jesus Cristo salva o pecador e leva para o céu".

Solicitamos ao irmão Gleison que nos envie por e-mail (teologia.vida@gmail.com) o seu endereço postal, para receber o livro Sermões Sobre a Salvação (Charles H. Spurgeon) em sua residência.

Parabéns ao vencedor e agradecimentos a todos os irmãos que participaram!

Se você não ganhou, não deixe de participar do 3º Concurso do Mês Missionário! Pode ser sua chance.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Vencedor do 1º Concurso do Mês Missionário

Comente Aqui

O 1º Concurso do Mês Missionário chegou ao fim. O vencedor foi o irmão Yago Martins, com a frase:

"Missões nada mais é do que o transbordar de uma alegria em Deus para os corações áridos".

Solicitamos ao irmão Yago que nos envie por e-mail (teologia.vida@gmail.com) o seu endereço postal, para receber o livro Alegrem-se os Povos (John Piper) em sua residência.

Parabéns ao vencedor e agradecimentos a todos os irmãos que participaram!

Se você não ganhou, não deixe de participar do 2º Concurso do Mês Missionário! Pode ser sua chance.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

2º Concurso do Mês Missionário

Comente Aqui

Iniciamos o 2º Concurso do Mês Missionário!

Para participar:

1) Escreva uma frase curta, objetiva e criativa, de no máximo 140 caracteres (tamanho do Twitter), sobre qual é "o conteúdo da evangelização".

2) Envie sua frase e seu nome completo para o e-mail teologia.vida@gmail.com .

Regras:

1) A frase deverá ser enviada até o próximo sábado, dia 14/08/2010, às 23:59, quando o 2º Concurso será encerrado.

2) O vencedor deste concurso não poderá participar de outro.

A melhor frase será escolhida pela equipe Teologia e Vida e o vencedor será divulgado no domingo, dia 15/08/2010.

O vencedor ganhará o livro Sermões Sobre a Salvação (Charles H. Spurgeon) e o receberá em sua residência, sem nenhuma despesa.

Não perca tempo e envie agora mesmo a sua frase!

O conteúdo da evangelização

Comente Aqui


Este artigo, originalmente chamado "A Ira do Senhor", foi escrito por mim em junho de 2003, para o Jornal O Caminho, um jornal evangelístico e discipulador, idealizado por mim e publicado de outubro de 2002 à novembro de 2003. Decidi republicá-lo aqui no blog porque ele expressa com alguma precisão o conteúdo que deve ser proclamado na evangelização: a Lei e o Evangelho, a ira de Deus contra o pecado e aqueles que o praticam e o Seu amor em Cristo para salvação de todo aquele que crê.

"O SENHOR é Deus zeloso e vingador, o SENHOR é vingador e cheio de ira; o SENHOR toma vingança contra os seus adversários e reserva indignação para os seus inimigos. O SENHOR é tardio em irar-se, mas grande em poder e jamais inocenta o culpado; o SENHOR tem o seu caminho na tormenta e na tempestade, e as nuvens são o pó dos seus pés. Ele repreende o mar , e o faz secar, e míngua todos os rios; desfalecem Basã e o Carmelo, e a flor do Líbano se murcha. Os montes tremem perante ele, e os outeiros se derretem; e a terra se levanta diante dele, sim, o mundo e todos os que nele habitam. Quem pode suportar a sua indignação? E quem subsistirá diante do furor da sua ira? A sua cólera se derrama como fogo, e as rochas são por ele demolidas." (Naum 1:2-6).


O Senhor é um Deus de justiça. Um de seus muitos nomes é Yahweh Tsidekenu (Deus de Justiça). Ele tem uma Lei e todos aqueles que a transgridem estão sob sua ira e indignação: "A ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens que detêm a verdade pela injustiça" (Romanos 1:18). Ele jamais inocenta o culpado, pelo contrário, condena todos aqueles que não permanecem em todos os preceitos de Sua Santa Lei.

Todos aqueles que transgridem a Lei de Deus são pecadores, pois o pecado é a transgressão da Lei (I João 3:4). E todos os pecadores estão debaixo de maldição, pois está escrito: "Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas escritas no livro da lei, para praticá-las" (Gálatas 3:10; Deuteronômio 27:26).

O problema é que todos os seres humanos são pecadores (Romanos 3:23). Com sua desobediência (Romanos 5:19), Adão, nosso antepassado mais antigo, nos transmitiu sua natureza pecaminosa, de forma que somos, por natureza, inclinados ao mal e à desobediência da Lei de Deus. Ninguém consegue cumprir perfeitamente a Lei, pois, mesmo que alguém a cumpra nos seus mínimos detalhes exteriormente, nunca terá prazer nela interiormente, por causa de sua natureza que só tem olhos para o pecado. É por isso que Paulo cita o salmista: "Não há justo, nem um sequer..." (Romanos 3:10), querendo dizer com isso que ninguém cumpre perfeitamente a Lei para ser considerado justo por Deus. Dessa forma, ninguém pode ser justificado diante de Deus tentando cumprir a Lei, pois ao homem natural isso é impossível.

Assim, a Lei de Deus, ao invés de justificar o homem diante de Deus, lhe dá o pleno conhecimento do pecado (Romanos 3:19,20), pois, ao se deparar com a Lei, que é santa, justa e boa (Romanos 7:12), e vendo que sua natureza é pecadora, injusta e má, o ser humano percebe o quanto é miserável e pecador. Deus não é injusto por exigir do homem uma coisa que ele não pode fazer, pois o homem, no seu estado inicial, tinha capacidade de obedecer a Lei de Deus, mas por sua voluntária desobediência, o ser humano entrou nesse terrível estado de pecado e morte.

Sendo assim, Deus justamente aplica Sua ira contra todos os pecadores, como vemos nas palavras de Paulo: "Porventura, será Deus injusto por aplicar a sua ira? Certo que não" (Romanos 3:5,6). E o que todos merecem por serem pecadores é a condenação eterna: "Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte" (Apocalipse 21:8). Todos os que sofrerão eternamente a ira do Senhor são aqueles que praticam o pecado, desobedecendo a Lei de Deus.

Mas o Senhor não é só um Deus justo, é também um Deus amoroso: "...Deus é amor" disse o apóstolo João em I João 4:8. Assim, Deus enviou o Seu único Filho ao mundo, Jesus Cristo, para resolver o problema do pecado (João 3:16). Jesus, ao contrário do homem natural, não herdou de Adão a natureza pecaminosa, pois foi gerado em Maria pelo Espírito de Deus (Lucas 1:30-35). Viveu uma vida inteira de obediência à Lei de Deus, sem cometer jamais nem um pecado sequer (Hebreus 4:14,15; 7:26). Assim, vivendo em completa obediência, foi o único homem justo em toda a face da Terra. No fim de Sua vida, mesmo sendo justo, Jesus foi condenado à morte, sendo crucificado. Na cruz, Ele se fez maldição em nosso lugar, pois está escrito: "Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro (cruz);" (Gálatas 3:13; Deuteronômio 21:23). Derramou Seu sangue justo para purificar pecadores (I João 1:7). Levou no Seu corpo, na cruz, os pecados de pecadores, morrendo e sepultando consigo o pecado. Ressuscitou ao terceiro dia, para a justificação dos que crêem (Romanos 4:25).

Jesus, sendo um homem completamente justo diante de Deus, pode fazer com que os seres humanos sejam justificados. Ele faz isso imputando a Sua justiça aos homens. Mas para que a justiça de Cristo passe a ser dos pecadores, é necessário que eles tomem posse dela pela fé. Quando os homens colocam sua fé na justiça de Cristo, e não na própria, que não existe, a justiça de Cristo passa a ser deles. É por isso que Paulo disse: "...por meio da obediência de um só (isto é, Jesus), muitos se tornarão justos" (Romanos 5:19), ou seja, por causa da obediência de Cristo à Lei de Deus, todos aqueles que crêem Nele, passam a ser justos aos olhos de Deus. Assim, a única forma do ser humano escapar da ira de Deus, sendo justificado perante Ele, é colocando sua fé em Cristo: "Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé, independente das obras da lei" (Romanos 3:28). O verdadeiro justo não é aquele que, inutilmente, tenta obedecer a Lei de Deus, mas aquele que se baseia na obediência de Cristo à essa Lei, sendo justificado pela fé: "O justo viverá por fé" (Romanos 1:17).

Deus não aplica Sua ira sobre aqueles que, graças ao Seu único Filho Justo, foram feitos justos e filhos de Deus. Pelo contrário, Ele lhes promete uma vida eterna ao lado Dele (João 6:40,47), pois, tendo sido justificados e libertados de todos os seus pecados pela fé, e tendo sido libertados da maldição da morte, que é fruto do pecado, esses seus filhos já não podem sofrer morte eterna., senão gozar de uma vida eterna. Além de tudo isso, esses seus filhos são transformados de servos do pecado para servos da justiça (Romanos 6:17,18), de forma que passam a obedecer de coração à Lei de Deus. E, se em algum momento cometerem alguma falta contra a Lei de Deus, cometendo um pecado, são perdoados ao invés de condenados, pois Cristo já recebeu a condenação pelos seus pecados. Assim, como disse o apóstolo, "já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus" (Romanos 8:1).

Se você não quer ser vítima da ira e indignação do Senhor, que está contra todos os pecadores e transgressores, arrependa-se dos seus pecados e coloque sua fé na justiça de Cristo. Quando você fizer isso, a justiça de Cristo passará a ser sua, e, ao invés de condenação, você receberá perdão. Agora, se você continuar nesse miserável estado de pecado, certamente a ira do Senhor será contra você e o seu destino será a eterna condenação!

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

1º Concurso do Mês Missionário

1 Comentário

Iniciamos o 1º Concurso do Mês Missionário!

Para participar:

1) Escreva uma frase curta, objetiva e criativa, de no máximo 140 caracteres (tamanho do Twitter), sobre qual é "a motivação e o alvo das missões".

2) Envie sua frase e seu nome completo para o e-mail teologia.vida@gmail.com .

Regras:

1) A frase deverá ser enviada até o próximo sábado, dia 07/08/2010, às 23:59, quando o 1º Concurso será encerrado.

2) O vencedor deste concurso não poderá participar de outro.

A melhor frase será escolhida pela equipe Teologia e Vida e o vencedor será divulgado na terça-feira, dia 10/08/2010.

O vencedor ganhará o livro Alegrem-se os Povos (John Piper) e o receberá em sua residência, sem nenhuma despesa.

Não perca tempo e envie agora mesmo a sua frase!

A motivação e o alvo das missões

Comente Aqui

As missões não representam o alvo fundamental da igreja, a adoração sim. As missões existem porque não há adoração, ela sim é fundamental, pois Deus é essencial e não o homem. Quando esta era se encerrar e os incontáveis milhões de redimidos estiverem perante o trono de Deus, não haverá mais missões. Elas representam, no momento, uma necessidade temporária. Mas a adoração permanece para sempre.

A adoração é, portanto, o combustível e a meta das missões. É a meta das missões porque nelas simplesmente procuramos levar as nações ao júbilo inflamado da glória de Deus. O alvo das missões é a alegria dos povos na grandiosidade de Deus. “Reina o Senhor. Regozije-se a terra, alegrem-se as muitas ilhas” (Sl 97:1). “Louvem-te os povos, ó Deus; louvem-te os povos todos. Alegrem-se e exultem as gentes” (Sl 67:3-4).

Mas a adoração é também o combustível das missões. A paixão por Deus na adoração precede a apresentação de Deus por meio da pregação. Você não pode recomendar o que não aprecia. Os missionários jamais exclamarão: “Alegrem-se os povos”, se não puderem dizer de coração, “Eu me alegrarei no Senhor... Alegrar-me-ei e exultarei em ti; ao teu nome, ó Altíssimo, eu cantarei louvores” (Sl 104:34; 9:2). As missões começam e terminam com a adoração.

Se a busca da glória de Deus não for colocada acima da busca do bem do homem nas afeições do coração e nas prioridades da igreja, o homem não será bem servido e Deus não será devidamente honrado. Não estou pleiteando por uma diminuição de missões, mas pela exaltação de Deus. Quando a chama da adoração arder com o calor da verdadeira excelência de Deus, a luz das missões brilhará para os povos mais remotos da terra. Eu anseio pela chegada desse dia!

Onde a paixão por Deus é fraca, o zelo pelas missões será fraco. As igrejas que não estão centradas na exaltação da majestade e beleza de Deus raramente se inflamam por um desejo fervente de “anunciar entre as nações a sua glória” (Sl 96:3). Até os leitos sentem a disparidade entre a ousadia da nossa pretensão sobre as nações e a brandura do nosso compromisso com Deus.

(…)

O aspecto mais difícil nas missões é colocar Deus como o centro da vida da igreja. Se as pessoas não se estupefazem ante a grandeza de Deus, como podem ser enviadas com a mensagem vibrante: “Grande é o Senhor e mui digno de ser louvado, temível mais que todos os deuses!” (Sl 96:4)? As missões não são o começo e o fim: porém Deus é. Essas não são meras palavras. Essa verdade é a energia vital da inspiração e da perseverança do missionário. Willian Carey, o pai das missões modernas, que velejou da Inglaterra à Índia, em 1793, expressou sua experiência:

Quando deixei a Inglaterra, minha esperança de converter a Índia era muito forte; porém, diante de tantos obstáculos, ela minguaria, se não fosse pelo sustento recebido de Deus. Bem, Deus está comigo e sua Palavra é verdadeira. Embora as superstições dos pagãos fossem mil vezes mais fortes e o exemplo dos europeus, mil vezes pior, mesmo diante do abandono e da perseuição, minha fé, posta na segurança da Palavra, ainda superaria todos os obstáculos e suportaria cada provação. A causa de Deus triunfará.

Carey e milhares como ele têm sido movidos pela visão de um Deus grande e triunfante. Essa visão deve vir em primeiro lugar, devendo o missionário experimentá-la na adoração antes de difundi-la nas missões. Isso se resume em avançar em direção a um grande alvo, a adoração inflamada a Deus e a Seu Filho por todos os povos da terra. As missões não são esse objetivo, são o meio e, por essa razão, são a segunda maior atividade do mundo.

(…)

Uma das coisas que Deus usa para fazer essa verdade se apoderar de uma pessoa e uma igreja é a surpreendente constatação de que isso também é verdadeiro para Ele. As missões não são a meta suprema de Deus, a adoração, sim. Quando isso penetra no coração de uma pessoa, tudo muda. O mundo está freqüentemente mudando seu curso e tudo parece diferente – inclusive o empreendimento missionário.

O princípio fundamental para a nossa paixão de ver Deus glorificado é Sua própria paixão de ser glorificado. Deus é único e supremo em Suas próprias afeições. Não há quaisquer rivais para a supremacia da glória de Deus em Seu próprio coração. Deus não é um idólatra. Ele não desobedece ao primeiro e grande mandamento. Com todo o Seu coração, alma, força e mente, Ele deleita-se na glória de Suas múltiplas perfeições. O coração mais apaixonado para Deus em todo o universo é o Seu próprio coração.

Essa verdade, mais do que qualquer outra que conheço, ratifica a convicção de que a adoração é o combustível e a meta das missões. A razão mais importante para que a nossa paixão por Deus supra as missões é que a paixão de Deus por Ele mesmo provê suprimento para as missões. As missões são o transbordamento de nosso regozijo em Deus porque são o transbordamento do regozijo de Deus em ser Ele próprio. A razão mais importante para a adoração ser o alvo das missões é porque ela é a meta de Deus. Certificamo-nos desse objetivo pelo registro da Bíblia da busca incansável de Deus pelo louvor entre as nações. “Louvai ao Senhor, vós todos os gentios, louvai-o todos os povos” (Sl 117:1). Se essa é a meta de Deus, deve ser também a nossa.

Retirado do livro "Alegrem-se os povos - A supremacia de Deus em Missões", de John Piper, Editora Cultura Cristã.

domingo, 1 de agosto de 2010

Mês Missionário no Teologia e Vida: Concurso e Livros

1 Comentário

A equipe Teologia e Vida decidiu fazer do mês de agosto o Mês Missionário no blog. Teremos durante todo o mês postagens relacionadas com evangelismo e missões: aos domingos artigos doutrinários e às quartas-feiras artigos mais práticos, relatando nossas recentes experiências missionárias.

Mas tem muito mais! Em cada um dos quatro primeiros domingos abordaremos um tema diferente nos artigos doutrinários. Então, abriremos um concurso por semana, no qual o visitante que nos enviar a melhor frase, curta e objetiva, sobre o tema tratado naquela semana, ganhará um livro relacionado com o tema. A melhor frase será escolhida pela própria equipe Teologia e Vida e o vencedor de um concurso não poderá participar de outro.

Ao todo teremos quatro concursos, cada um deles iniciando-se no domingo e encerrando-se no sábado, e os prêmios serão quatro livros: Alegrem-se os Povos (John Piper), Sermões Sobre a Salvação (Charles H. Spurgeon), A Evangelização e a Soberania de Deus (J. I. Packer) e A Vida de David Brainerd (Jonathan Edwards).

Fique atento, pois logo mais, ainda neste domingo, teremos o primeiro artigo e o início do primeiro concurso! Ajude a divulgar este concurso em seu blog e entre seus amigos e conhecidos.
 

Teologia e Vida © Revolution Two Church theme by Brian Gardner
Converted into Blogger Template by Bloganol and modified by Filipe Melo