sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Pensamentos sobre plantação de igrejas

2 comentários

Este texto foi escrito por mim originalmente como resposta a uma pergunta no FormSpring. Publiquei aqui com alguns acréscimos.

Pergunta: O que é uma igreja? O que um plantador deveria ter em mente, que tipo de comunidade ele deve imaginar quando ele se dispõe a começar uma igreja local?

Uma igreja local é uma organização que reúne crentes professos, dos quais se espera que sejam regenerados (At 2.44; Rm 1.7), onde a Palavra é verdadeiramente proclamada (At 2.42; 1Tm 3.15), os sacramentos são corretamente administrados (Mt 28.19; 1Co 11.23-29) e a disciplina é sabiamente exercida (Mt 18.15-20).

Creio que essa é uma boa definição, mas para o tema em questão - plantação de igrejas - gostaria de enfatizar e acrescentar alguns pontos, que não estão, necessariamente, em ordem de importância:

1) A tarefa primária de uma igreja é a adoração (Rm 11.36; 1Co 10.31; Ef 1.6,12), sendo a evangelização e a comunhão dos santos objetivos secundários e dependentes do primeiro, ainda que extremamente importantes;

2) Por ser composta por pessoas, uma igreja não é um templo feito por mãos humanas e nem precisa de um (Jo 4.23-24; At 17.24);

3) Uma igreja é um corpo onde cada membro tem uma função, sendo inconcebível um "crente de banco" ou um pastor que quer fazer tudo por todos (1Co 12.12-31; 14.26);

4) Uma igreja deve gozar de certa autonomia em relação a outras igrejas locais (Ap 2 e 3), sendo capaz de sustentar-se financeiramente, governar-se escolhendo seus próprios presbíteros (At 14.23) e multiplicar-se em outras igrejas (At 13.1-5);

5) Sendo a comunhão dos santos uma importante característica da igreja (At 2.42), uma igreja local deveria ser pequena em número de membros, crescendo não por expansão de si própria, mas por multiplicação em outras igrejas. Várias igrejas pequenas em vários lugares diferentes são preferíveis a uma igreja grande em um único local.

Diante disso, um plantador deveria ter como objetivo principal e geral estabelecer uma comunidade com as características acima. Ele poderia alcançar seu objetivo através de algumas atitudes, que eu coloco aqui como conselhos e não como regras absolutas:

1) Visitando cada uma das casas do local onde pretende plantar uma igreja, conhecendo as pessoas e anunciando a elas o Evangelho (Mt 10.12-14);

2) Oferecendo estudos nos lares, que tratem com simplicidade e abrangência todo o fundamento da fé cristã. Uma boa opção seria o Breve Catecismo de Westminster ou algum equivalente;

3) Pregando o Evangelho em lugares públicos para várias pessoas ao mesmo tempo (At 17.22-33), procurando manter contato posterior com elas através dos estudos nos lares (At 17.34);

4) Iniciando o culto público em alguma casa espaçosa (At 20.7-8), reunindo nela os que forem sendo salvos nos estudos e em eventos públicos, dando atenção especial à pregação expositiva (Lc 24.27; At 20.27) e não negligenciando o Princípio Regulador do Culto (Ex 20.4-6; Dt 12.32; Mt 15.9);

5) Batizando os que forem salvos e terminarem os estudos fundamentais (At 2.41), iniciando com eles a Ceia do Senhor, que deve ser celebrada com frequência (At 2.42; 20.7);

6) Estando atento aos novos crentes, procurando descobrir seus dons e dando oportunidades para eles servirem tão logo tais dons sejam descobertos. É importante uma ênfase sobre esse aspecto da igreja logo no início, para que os próprios crentes percebam os dons uns dos outros e elejam seus presbíteros e diáconos, naturalmente e biblicamente (At 6.1-6);

7) Ensinando sobre a importância da contribuição para a manutenção do ministério ordenado (1Co 9.13-14; 1Tm 5.17-18), para a expansão do Reino de Deus e para o auxílio dos pobres, órfãos e viúvas (2 Co 8 e 9);

8) Enfatizando a evangelização e a multiplicação de igrejas, para que a nova comunidade nasça e cresça com um DNA missionário (Mt 28.18-20; At 8.4).

Quando uma igreja ficar grande demais para se reunir em uma casa, pode alugar ou comprar um salão, se assim achar melhor (At 19.9). No entanto, é importante que ela conserve sempre um tamanho reduzido, crescendo através da multiplicação de igrejas e de discípulos.

Não tive a pretensão de esgotar o assunto, mas creio que consegui expressar em linhas gerais como tenho entendido a plantação de uma igreja.

André Aloísio
1 de outubro de 2010
Campinas, SP

Comentários

2 comentários em "Pensamentos sobre plantação de igrejas"

Marcos Sampaio disse...
1 de outubro de 2010 17:29

Boa postagem! Que Deus continue abençoando esse portal na web!

Aproveitando... Conheça o nosso blog pessoal IdéiasProtestantes.

http://ideiasprotestantes.blogspot.com

Um forte abraço.
Marcos Sampaio

Samuel Wescley disse...
21 de dezembro de 2010 15:40

Muito interessante. Creio que o Senhor deseja agir em nós através deste passo-a-passo.

deusesamuel.blogspot.com

 

Teologia e Vida © Revolution Two Church theme by Brian Gardner
Converted into Blogger Template by Bloganol and modified by Filipe Melo