sábado, 18 de setembro de 2010

Pregue a Palavra!

2 comentários

Existe algo que nos chama a atenção de um modo especial quando Paulo escreve sua segunda carta a Timóteo. No inicio do capitulo 4, ele faz um apelo de ênfase extrema: “Conjuro-te, pois, diante de Deus, e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, na sua vinda e no seu reino, que pregues a Palavra...” (v. 1,2). Na cultura atual, somos tendenciosos a menosprezar a pregação puramente bíblica. Queremos sempre algo mais: shows de oratória, atualidades, sociologia, psicologia, técnicas empresariais, etc. Uma pregação que tem como objetivo explicar as Escrituras é tida como antiquada, pois o principal é ser “legal”.

A criatividade tem seu papel, não ignoro isso, mas não vejo uma ênfase bíblica neste ponto. Pergunte a si mesmo: Paulo ensinou sobre técnicas de homilética pós-moderna? Jesus pregou sobre ser emergente a nossa cultura? Os profetas nos exortaram sobre técnicas sociológicas e psicológicas de como tratar os membros das congregações? A resposta seria, sem duvida, não, não e não. Então, por que nos preocupamos tanto com esses aspectos? Claro, como disse, a criatividade tem o seu papel, mas a ênfase que devemos dar a ela é a mesma ênfase que a Bíblia dá: quase nenhuma.

Pensando nesses pontos, precisamos responder a pergunta: onde nossa atenção deve estar? Paulo já mostra quão importante é a pregação da Palavra na ênfase que é usada antes de tocar neste ponto. Nesta argumentação, ele não está usando “o nome de Deus em vão”, mas está chamando nossa atenção para aquilo que realmente importa: Pregar a Palavra. 

Irmãos em Cristo, onde temos posto nossa atenção? Será que temos, com nossa vida, dado a ênfase que as Escrituras requerem? Cada área de nossa vida deve refletir esse apelo de Paulo. Quando prego, preciso fazer de um modo que exponha a Palavra de Deus como importante. O mesmo quando aconselho, converso, debato, oro, relaciono-me com as pessoas ao meu redor, etc. Paulo está chamando a atenção de Timóteo para algo importante. Será que nossa atenção está onde deve estar?

Basta olhar para alguns cultos que são organizados por jovens para perceber que muitos estão se perdendo neste ponto. Foca-se tudo: estilo da banda, musicas, iluminação, danças, lanche, etc. Concordo que alguns desses pontos podem ser tratados em determinados momentos, mas, ainda assim, eles nunca poderão tornar-se o foco principal de uma reunião. Sempre ouço jovens concordarem que a Palavra deve ser tratada com primazia, mas esses mesmos jovens preocupam-se mais com o que é secundário (iluminação, etc) do que com o principal (a Palavra). Não só os jovens, mas vários pastores de jovens têm enveredado neste mesmo rumo. Paulo enfatizou algo: as Escrituras. Devemos sempre enfatizar a Palavra de Deus com nossas vidas. Pergunte-se por um momento: Se alguém perguntasse ao seu melhor amigo (ou esposa, filhos, etc) sobre qual é a maior ênfase da sua vida, será que a resposta seria “a Palavra de Deus”?

Além da ênfase introdutória, Paulo fornece mais dois motivos para a pregação da Escritura ser primordial. A primeira razão vem antes da ordem de pregar, quando ele diz: “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra” (3:16,17). Devemos pregar a Palavra, primeiro, porque ela é divinamente inspirada e proveitosa. Isso é uma realidade em qualquer época, em qualquer lugar, para qualquer grupo de Cristãos. Deus está falando através da interpretação correta do texto bíblico, e Suas Palavras são Espírito e Vida (Jo 6:63). Nada pode dar vida ao espiritualmente morto, senão a Palavra de Deus. Quer você vá ensinar, redargüir, corrigir, instruir em justiça, ou qualquer atitude de edificação, tudo precisa ser completamente saturado pelas Escrituras. Se O próprio Deus está falando nas Escrituras, porque buscar qualquer outra voz?

Agora, o quanto a Palavra de Deus é proveitosa? Muito concordam com o que acabei de expor, mas adicionam que a Bíblia só é útil até certo ponto, e, depois que as limitações dela aparecem, a psicologia ou outros estudos modernos podem atuar melhor. Creio que isso não é verdade, pois “acaso, não consultará o povo ao seu Deus? A favor dos vivos se consultarão os mortos?” (Is 8:19). Se Deus está falando, porque ir às técnicas espiritualmente mortas para tentar edificar o povo? Além disso, Paulo continua: “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa... para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra” (3:16,17).

Pare um pouco para meditar nisto. Ainda que não tivéssemos nada além da Escritura, já teríamos o suficiente para chegar à perfeição Cristã. Não acredito que possamos viver, em terra, uma perfeição absoluta, mas se há um nível máximo que podemos alcançar, só precisamos da Bíblia (e nada além dela!) para conseguir isso. Então, lutemos para pôr nosso foco onde ele deve estar: Na voz de Deus que soa na teologia correta.

A segunda razão para pregar a Palavra vem depois de ordem. Paulo diz: "Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; e desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas” (4: 3,4). Nossa pregação deve ser totalmente bíblica para dissipar as heresias, que como nuvens negras, tapam o brilho da Verdade nos corações.

Devemos lembrar, irmãos, que a Palavra sempre vencerá as heresias! Muitos clamam por um forte avivamento em nosso país, mas esquecem que só poderemos ser vivificados através da Palavra de Deus. Precisamos combater os enganos que são pregados em meio à Igreja e isso só será possível com uma exposição fiel da Verdade. Quando perguntaram a Lutero como ele sentia-se por ter realizado a reforma protestante, ele respondeu: Eu não fiz nada, A Palavra Fez tudo!

Olhando para os dois motivos de pregarmos a Bíblia, percebemos uma coisa importante: uma pregação, seja ela para edificar os Cristãos ou para desarmar heresias, terá sempre como conteúdo a Palavra de Deus. Então, não importa se o foco de sua pregação é defender a verdade ou atacar a mentira, o que você sempre fará ao ensinar será revelar a Palavra do Senhor aos homens.

Para finalizar, precisamos ponderar sobre um último questionamento: por que tanta ênfase na teologia bíblica? Existem vários motivos, mas o principal, sem dúvida, é porque a teologia correta revela Cristo aos homens (Jo 5:39). Nada é tão importante quanto ter comunhão com Jesus por toda a eternidade; e, sabendo que "sem santificação, ninguém verá o Senhor” (Hb 12:14) e que nós só podemos ser santificados pela Verdade contida nas Escrituras (Jo 17,17), percebemos que só veremos o Senhor se formos devotos à teologia bíblica.

Sabendo de tudo isso, espero que nossa atenção esteja sempre nas Escrituras. Que possamos tomar para nós a exortação de Paulo a Timóteo: "Persiste em ler, exortar e ensinar... Medita estas coisas; ocupa-te nelas, para que o teu aproveitamento seja manifesto a todos. Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem" (1 Tm 4:13,15,16).

Comentários

2 comentários em "Pregue a Palavra!"

Airton Cláudio disse...
22 de setembro de 2010 12:39

Esté é o negô ue mora bem pertinho de mim!

Glória a Deus por sua vida meu irmão!


Soli Deo Gloria!

verdade sobre verdade disse...
1 de novembro de 2010 23:42

Gloria Deus por essa mensagens , louvo a Deus por Ele ter levantados rapazes e homens para expor a teologia correta iguais estas .
Fique com Deus

 

Teologia e Vida © Revolution Two Church theme by Brian Gardner
Converted into Blogger Template by Bloganol and modified by Filipe Melo