quarta-feira, 16 de junho de 2010

Pregação Puritana: Demonstração de Espírito e de Poder (Parte 3)

1 Comentário

Parte: [1] [2] [3]


Esse texto foi retirado do Diretório de Culto de Westminster, elaborado por puritanos ingleses e terminado em 1644. Através deste texto, que é um verdadeiro manual de pregação, podemos ter alguma idéia do segredo do poder da pregação puritana e do porquê a pregação da maioria das igrejas modernas é tão mesquinha e carente de poder espiritual.

Mas o servo de Cristo, seja qual for seu método, deverá desempenhar seu ministério inteiro:

1. Arduamente, não fazendo o trabalho do Senhor de forma negligente.

2. Claramente, para que o mais simples possa entender, expondo a verdade, não em palavras sedutoras de sabedoria humana, mas na demonstração do Espírito e do poder, para que a cruz de Cristo não seja tornada ineficaz; abstendo-se também de um uso sem proveito de línguas desconhecidas, frases estranhas, e cadência de sons e palavras; citando bem poucas vezes sentenças de escritores teológicos ou outros humanistas, antigos ou modernos, por mais elegantes que sejam.

3. Fielmente, com o olhar voltando à honra de Cristo, à conversão, edificação e salvação das pessoas, e não ao seu próprio proveito ou glória: nada retendo que possa contribuir para a promoção desses santos objetivos, dando a cada um sua própria porção, e mostrando respeito indiferenciado a todos, sem negligenciar o mais simples, ou poupar o maior em seus pecados.

4. Sabiamente, expressando todas as suas doutrinas, exortações, e especialmente suas repreensões, de maneira tal a ter a maior probabilidade de prevalecer, mostrando todo o respeito devido à pessoa e posição de cada indivíduo, sem deixar penetrar qualquer mistura de paixão ou amargura própria.

5. Seriamente, como convém à Palavra de Deus, abstendo-se de todo gesto, voz e expressões que possam dar ocasião a que corrupções dos homens levem a desprezá-lo e a seu ministério.

6. Com afeto amoroso, para que a pessoas vejam tudo procedendo de seu zelo piedoso, e desejo sincero de lhes fazer bem. E

7. Como ensinado de Deus, e persuadido em seu próprio coração, que tudo que ele ensina é a verdade de Cristo; e andando diante do rebanho, como exemplo para eles disso; com empenho sincero, tanto em particular como em público, recomendando seu trabalho à benção de Deus, e atentamente vigilante de si e do rebanho do qual o Senhor o fez supervisor. Assim a doutrina da Verdade será preservada incorrupta, muitas almas serão convertidas e edificadas, e ele próprio receberá múltiplos consolos de sua obra, ainda nesta vida, e depois a coroa da glória reservada para ele no mundo por vir.

Onde houver mais de um ministro numa Igreja, e eles de dons diferentes, cada um pode aplicar-se mais especialmente à doutrina ou exortação, de acordo com o dom em que mais sobressai, e como tenham combinado entre si.

Comentários

1 comentário em "Pregação Puritana: Demonstração de Espírito e de Poder (Parte 3)"

pedropamplona disse...
17 de junho de 2010 14:42

Série de textos excelentes, que benção para no edificação! Vou procurar esse livro para ler por completo.

 

Teologia e Vida © Revolution Two Church theme by Brian Gardner
Converted into Blogger Template by Bloganol and modified by Filipe Melo