quinta-feira, 7 de maio de 2009

Os Atributos de Deus

22 comentários

Este estudo foi ministrado por mim na Escola Bíblica Dominical da IEQ Jardim Von Zuben, nos dias 25/02/2007 e 04/03/2007.

“Assim diz o SENHOR: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem o forte, na sua força, nem o rico, nas suas riquezas; mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me conhecer e saber que eu sou o SENHOR e faço misericórdia, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o SENHOR” (Jr.9:23,24).

Introdução: A importância do conhecimento de Deus

Deus pode ser conhecido verdadeiramente (Jo.17.3), ainda que não possa ser conhecido plenamente (Sl.139.6; Rm.11.33-34).

Conhecer a Deus é a tarefa primordial e mais importante no que se refere às coisas espirituais. Sem um verdadeiro conhecimento de Deus é impossível ser salvo ou servi-lo e adorá-lo verdadeiramente (Jo.4:22). Para conhecermos a Deus é necessário que Ele se revele a nós (Mt.11:27; Rm.1:19), pois não podemos conhecê-lo com nossos próprios esforços (I Co.1:21). Deus se revela na natureza e principalmente em Sua Palavra.

O que são os atributos de Deus

Os atributos divinos são as características de Deus, a soma das quais definem quem Ele é. Eles refletem diversos aspectos da mesma essência divina.

Os atributos de Deus

Trindade: Deus existe eternamente como três pessoas (Pai, Filho e Espírito Santo), cada pessoa é plenamente Deus, e existe só um Deus. Todos os atributos divinos aplicam-se a cada pessoa da Divindade (Mt.3:16,17; Mt.28:19; I Jo.5:7).

Independência: Deus é um ser não causado e ninguém além d’Ele próprio sustenta Seu ser. Ele não precisa de nós nem do restante da criação para nada, pois existe por si mesmo e não depende de qualquer coisa externa a si próprio para existir (Jo.5:26; At.17:28; Ap.4:11);

Eternidade: Deus não tem princípio nem fim nem sucessão de momentos no Seu próprio ser, e percebe todo o tempo com igual realismo. Ele criou o próprio tempo e, portanto, é independente dele (Ex.3:14; Sl.90:2; II Pe.3:8);

Imutabilidade: Deus é imutável no Seu ser, nas Suas perfeições, nos Seus propósitos e nas Suas promessas. Deus não pode mudar porque é eterno e perfeito (Sl.102:25-27; Ml.3:6; Tg.1:17; Sl.33:11; Nm.23:19);

Unidade: Deus não está dividido em partes, mas percebemos atributos diversos enfatizados em momentos diferentes. Não existe um atributo mais importante do que o outro (I Jo.1:5; 4:16);

Espiritualidade: Deus é espírito e, portanto, não tem corpo. Ele existe como ser que não é feito de matéria e que não tem partes, formas ou dimensões (Jo.4:24; I Tm.1:17; Ex. 20:4-6; Dt.4:15-16). As passagens que atribuem a Deus partes corporais (II Cr.16:9; Sl.91:1-4) devem ser entendidas em sentido figurado, pois são antropomórficas;

Onipresença: Deus está presente em todo lugar, estando envolvido na criação e na vida dos indivíduos (Sl.139.7-10);

Onisciência: Deus possui todo o conhecimento, o que significa que Ele conhece inclusive o futuro e os nossos pensamentos (Jó 37.16; Sl.139.1-4; Is.46.10; Rm.11.33; Hb.4.13);

Onipotência: Deus pode fazer tudo aquilo que deseja (Gn.17.1; Jó 42.2; Sl.115.3; Is.43.11-13; Mc.10.27). Ele não pode pecar ou agir contra Sua própria natureza (Tg.1.13);

Amor: Deus é amor, o que significa que Ele se doa eternamente aos outros (I Jo.4:8; Jo.17:24). Deus ama a todos, mas não da mesma forma (Mt.5:45; Rm.8:35-39; Rm.9:13);

Justiça: Deus sempre age segundo o que é justo, e Ele mesmo é o parâmetro da justiça (Dt.34:4; Gn.18:25; Is.30:18; Jr.9:24; At.17:31);

Ira: Deus odeia intensamente todo o pecado e aqueles que o praticam (Rm.1:18; 9:22-23; Jo.3:36). O cristão não deve temer a ira de Deus, visto que foi salvo dela pela justiça de Cristo (Rm.5:9);

Vontade: Deus aprova e decide executar todo ato necessário para a existência e para a atividade de si mesmo e de toda a criação. A vontade de Deus envolve as escolhas divinas do que fazer e não fazer (Mt.10:29; Ef.1:11; Ap.4:11; At.4:27-28; Tg.4:13-15). É dividida em vontade secreta e vontade revelada (Dt.29:29). A vontade revelada refere-se a tudo aquilo registrado na Bíblia, e a vontade secreta refere-se aos decretos pelos quais Deus rege o mundo e determina tudo o que irá acontecer;

Santidade: Deus é santo (I Sm.2.2; Sl.99; Is.40.25; Ap.15.4) em dois aspectos: transcendência e pureza moral. A transcendência mostra como Deus está separado e é independente do espaço e do tempo, não sendo limitado por eles (Is.57.15). A pureza moral mostra como Deus está separado de tudo o que é pecaminoso (Lv.20.26; I Pe.1.15,16).

Bibliografia:

CHEUNG, Vincent. Teologia Sistemática. Reformation Ministries International, cap.3.
GRUDEM, Wayne. Teologia Sistemática. Editora Vida Nova, caps.11, 12, 13.

Comentários

22 comentários em "Os Atributos de Deus"

Aldair R. Rios disse...
9 de mai de 2009 11:29:00

Meu irmão se vc me permitir publicarei esse texto em meu blog...
Que Deus continue te abençoando

http://reformaparaosnossosdias.blogspot.com

Graça e paz

André Aloísio disse...
9 de mai de 2009 12:37:00

Olá irmão Aldair, graça e paz!

Fique à vontade para publicar esse texto em seu blog.

Que Deus te abençoe!

Abraços,

André Aloísio
O principal dos pecadores (I Tm.1.15)

andersongomes74 disse...
22 de set de 2010 16:10:00

Que maravilha,irmão! que esse conhecimento dos atributos do TODO PODEROSO alcance os corações daqueles que ainda não o conheceram!
Que honrra gloriosa para nós o tê-lo como PAI...
A Paz de Nosso SENHOR e UNICO SALVADOR JESUS CRISTO....

Saminha... disse...
24 de jan de 2011 17:19:00

Belo texto... você poderia ficar a vida toda falando e os atributos de Deus seriam infinitos.
Glória a Deus por isso.. porque senão o que seria de nós?

"SE não fora o SENHOR, que esteve ao nosso lado, ora diga Israel;" Salmo 124..

Deus continue te abençoando.
Já estou seguindo...

Segue lá?

Fica na paz :)

Luciano Barbosa disse...
12 de abr de 2011 16:44:00

Deus pode atá odiar o pecado mais ama o pecador!!!

Ministério Gilson Abreu disse...
29 de mai de 2011 15:32:00

Muito bom texto!! se permitir estarei utilizando este texto no meu site. Que Deus continue a abençoar!!

Em Cristo,
Pb. Gilson R. Abreu

Felipe disse...
24 de jun de 2011 01:22:00

Mano, não posso deixar que a Bíblia seja interpretada de forma errada. Você escreveu que Deus odeia o pecado e pecador. Eu discordo. Deus odeia o pecado, concerteza, mas não odeia o pecador, se Ele odiasse o pecador Ele não teria dado o unico filho dEle para morrer na cruz (João 3:16) mesmo sabendo que nós continuariamos a pecar. Na referencia citada por vc em Romanos 1:18 fala que a ira de Deus é relevada contra toda impiedade e injustiça dos homens, ou seja, contra o pecado do homem e não contra o homem. Garanto com toda certeza que Deus ama o pecador.retorno a dizer, nós somos nascidos do pecado devido Adão e Eva, mas como está escrito em Atos 3:19 e 20: Arrependam-se, pois, e voltem-se para Deus,para que os seus pecados sejam cancelados. Para que venham tempos de descanso da parte do Senhor, e ele mande o Cristo, o qual lhes foi designado, Yeshua (Jesus).
Para o homem que faz o que está escrito em Atos 3:19, tem o complemento em João 3:36 também citado por vc. A ira de Deus apenas vai repousar sobre que realmente o conheceu e mesmo assim o negou, mas quem ainda não o conheceu, sua ira não paira sobre ele. Afinal de contas, somos todos pecadores, e quem nos capacita para que venhamos nos arrepender dos nossos pecados é o Espírito de Deus, pois nem isso conseguimos sozinhos...
Deus abençoe sua vida amado. Não fiz isso para demonstrar conhecimento e nem querer fazer competição, é apenas uma forma de ajudá-lo a entender um pouquinho melhor a Bíblia.Tanto que boa parte que vc postou, eu usei para ministrar com minhas crianças no ministério Infantil de minha igreja....
abraço querido...Fique com Deus

Sérgio disse...
14 de jul de 2011 16:01:00

Meu querido irmão, pode acrescentar acerca da ira de Deus contra o pecado e o pecador Salmos 5:5

Sérgio disse...
14 de jul de 2011 16:12:00

E quando Jesus morreu na cruz para pagar os nossos pecados, JO 3:16, Ele, Jesus não estava com medo de apenas uma cruz romana, pois temos relatos na história qua muitos cristãos depoi da morte de Cristo, morreram na cruz cantando, será que eram mais fortes que o próprio filhos de Deus? Naquele momento, sim, e sabe porque? porque quando Jesus estava na cruz do calvário, ele estava sendo esmagado pela ira de Deus, moido como diz a palavra, e teve que ser abandonado Por Deus, por isso suas palavras "Deus Meu porque me desamparaste?" - se hoje tivermos que morrer na cruz por amor de seu nome, não sofreremos como Ele, pois Deus não nos desamparara, e Jesus e o Espírito Santo estará conosco até a consumação do céculo. Ira é um atri buto de Deus sim, e está guardada para o diz final, a uníca coisa que nos separa da ira de Deus é a sua própria Palavra, a Bíblia, que tem que ser cumprida "Mas eu vos mostrarei a quem deveis temer; temei aquele que, depois de matar, tem poder para lançar no inferno; sim, vos digo, a esse temei." (Lucas 12 : 5)

Humyborari disse...
5 de set de 2011 22:34:00

Estava procurando assunto para o momento cívico e achei.
Vou falar amanhã acerca de 5 minutos sobre alguns atributos de Deus.
God bless.

MINHO, EDMILSON, disse...
1 de out de 2011 11:25:00

A paz, do Senhor.
belo comentário,
eu quero discordá quando o amado diz que Deus odeia, quem comete pecado, o que seria de nós?, todos nós pecamos.
Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

pastora gilmara disse...
29 de dez de 2011 12:10:00

Deus abomina o pecado mas ama o pecador! com certeza Deus não desprezaria alguem que se arrepende dos seus pecados, pois o prazer do Senhor é que todos alcance a salvação, está escrito na palavra que onde abundou o pecado superabundou a graça! Deus abençoe.

Grupo Atalaias de Cristo disse...
15 de out de 2012 17:34:00

Por Favor prestem Atenção. Deus odeia o pecado e o pecador tambem,pois aquele que conheçeu a remissão dos pecados,mas não se converte, este sim, já está condenado e com certeza cairá no inferno onde a Irá do Cordeiro esta e será derramada.

Grupo Atalaias de Cristo disse...
15 de out de 2012 17:34:00

Este comentário foi removido pelo autor.
Karima Muhamad disse...
7 de mai de 2013 09:59:00

Gostei deste blog e das respectivas postagem,agora oque fica claro é que devemos buscar mais e mais de Deus ou seja Graça e conhecimento....

Rhuan Carllos disse...
3 de jul de 2013 09:18:00

Graça e Paz, meu amado

Se você me permitir gostaria de publicar seu artigo em meu blog.

g12teresina.blogspot.com

André Aloísio disse...
5 de jul de 2013 10:34:00

Rhuan Carllos, pode publicar no seu blog. Abraços.

ZUMBI MORTODEFOME disse...
23 de set de 2013 23:20:00

sendo DEUS a a entidade suprema e criadora do universo ele é com toda certeza infinito em todas suas perfeiçoes(e perfeição e um dos seus atributos)quero dizer DEUS infinito cuja destaco o AMOR E A JUSTIÇA sendo ele infinito no amor ama todas as criaturas da mesma forma tudo que contrariar esta regra deve ser esquecido pois sendo ele infinito com toda certeza tem ele uma maneira de aplicar sua justiça tal qual um pai castiga seu filha para ensinar mas sendo ele infinitamente amor saberá como aplicar este castigo até que seu filho aprenda a lição.
aprendi isto lendo a bilia a biblia e a palavra de DEUS sim mas tudo que for contrario A JUSTIÇA E AO


AMOR INFINITO DELE DEVE SER DESCARTADO

marcelo nasck disse...
22 de fev de 2014 10:16:00

Disse João: "Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo"

pecador é aquele que ainda não foi lavado no sangue do cordeiro> porque o sangue de Jesus nos purifica de todo pecado, a Bíblia chamam os remidos de santos e não de pecadores, logo o Salmos esta se referindo ao homem que não atendem a esses critérios.

sem. Marcelo Nascimento

Camila Fontes Borges disse...
15 de mai de 2014 12:36:00

Este comentário foi removido pelo autor.
Camila Fontes Borges disse...
15 de mai de 2014 12:51:00

É engraçado e compreensível que as pessoas endureçam quando falamos que
Deus odeia o pecado e o pecador. Isso pelo simples fato de raramente haver pregações ou estudos na EBD sobre os atributos de Deus.
Somos ensinados a crer em um Deus que mais se parece com um mordomo nosso do que com um Deus todo poderoso.
A Bíblia é clara, e o que o irmão escreveu sobre a ira de Deus, e de Ele odiar o pecado e o pecador está em sua páginas. Na verdade a conhecida frase de que Deus odeia o pecado e ama o pecador foi uma criação de homens. Se Deus odiasse somente o pecado não existira inferno para os pecadores, mas sim um lugar onde Deus mandaria todo o pecado e conservaria os que o cometem. Essa é uma das questões mais sérias da Bíblia: como um Deus que abomina o pecado e também aquele que o comete, pode justificar a este e ser Justo ao mesmo tempo? Pois pela lógica humana, quando alguém comete um crime, por exemplo, e um juíz o absolve, achamos no mínimo injusto! Como Deus pode salvar o que cometeu pecado e continuar a ser um Deus Justo? Aí entra a figura de Cristo, pois, ao invés de bebermos do cálice da ira de Deus, destinado a todo pecador, Jesus o bebeu em nosso lugar. Apesar de vários pregadores afirmarem que o cálice se trata do sofrimento e da morte, não o é. Cristo se fez maldição em nosso lugar, e foi aprovado pelo Pai como sacrifício unico e suficiente para o perdão dos pecados. Toda essa questão converge e se resolve na figura de Jesus Cristo. E aqueles que forem redimidos por Ele terão a vida eterna, mas os que não o forem serão lançados ao fogo. Irão para o fogo eterno não só os pecados, mas aqueles que o cometeram e que não se arrependerem a tempo.Em Jesus, Deus é justo e faz justiça aos redimidos, mesmo que pecadores, apagando o seu pecado e iniciando uma obra de santificação em suas vidas!! Esse é o nosso grande Deus! Que os abençoe em nome de Jesus!

André Aloísio disse...
18 de dez de 2014 17:48:00

Camila Fontes Borges, obrigado pelo comentário. Faço das suas palavras as minhas em resposta aos irmãos que discordaram da afirmação de que Deus odeia tanto o pecado quanto o pecador. Abraços.

 

Teologia e Vida © Revolution Two Church theme by Brian Gardner
Converted into Blogger Template by Bloganol and modified by Vinícius M. Pimentel