domingo, 8 de março de 2009

O Cristão e a Cruz de Cristo - Parte 2

2 comentários

Parte: [1] [2] [3] [4]

"Mas longe esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo" (Gl 6:14a)

Em segundo lugar, carregar a minha cruz significa que estou renunciando a mim mesmo. Estou abrindo mão de viver para mim mesmo, como Paulo ensinou: "O amor de Cristo nos constrange, julgando nós isto: um morreu por todos; logo, todos morreram. E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou." (2 Co 14-15). Em outro lugar, ele diz: "Acaso, não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por preço." (1 Co 6:19-20). O próprio Paulo cumpria esse mandamento, ao dizer: "já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim." (Gl 2:20) e "para mim, o viver é Cristo" (Fl 1:21).

Se Jesus me adquiriu completamente na cruz, com o preço de Seu próprio sangue, como eu posso continuar vivendo para mim mesmo? Eu simplesmente devo tudo a Ele! E se Ele morreu pelos meus pecados, como posso eu ainda viver na prática do pecado? O Libertador me tirou do Egito com mãos poderosas, e eu ainda ouso sentir saudades das iguarias de Faraó?

Deus sente um ódio mortal pelo pecado. Ele odeia tudo aquilo que é mau. Deus odeia tanto o pecado que jamais poderia nos adotar como Seus filhos sem, antes, nos purificar de todo o pecado por meio do sangue de Jesus. Agora, eu pergunto: odiamos também nós o pecado, assim como Deus? Sentimos nojo de nós mesmos quando pecamos, evitamos transgredir a lei de Deus a todo custo e resistimos ao pecado até o sangue, se for necessário?

Acredito que dificilmente vamos exagerar ao falar da malignidade do pecado e da necessidade de santificação. Penso também que uma das causas porque caímos tanto e fracassamos em tantas tentações é porque não compreendemos exatamente o que o pecado significa. Pecado é um desafio ao próprio Deus, é um ultraje contra a Sua glória, é uma rebelião contra um Deus amoroso e cheio de graça. O pecado desperta a ira de Deus, porque o pecador está trocando o seu Criador por outras coisas, está dando às suas próprias cobiças o lugar que só pertence a Deus, está vivendo para si mesmo e pouco se importando com o que Deus pensa! Precisamos atender ao chamado de Deus: "sede santos, porque Eu sou santo" (1 Pe 1:16).

E quando falamos em renúncia, não falamos somente em termos de pecado. Algumas vezes, pode ser necessário renunciarmos a coisas legítimas, que em si mesmas não são pecaminosas, por amor de Cristo. Renúncia significa que a vontade que prevalece é a de Deus; o que Ele quer, eu também quero, custe o que custar. Se Ele requerer que eu abra mão de certos sonhos que cultivo desde a infância, assim o farei; caso Ele deseje que eu renuncie propriedades e bens, eu o farei com alegria; se eu tiver de abrir mão de minha profissão para servir ao Seu reino, direi: eis-me aqui! O coração que renuncia a si mesmo diz: "Senhor, Tu és o bem mais precioso que possuo, o Tesouro supremo de minha vida; eu Te quero mais do que tudo; manda-me, e eu farei; nada se compara a Ti e eu submeto tudo que eu sou e tudo que eu tenho sob o Seu Senhorio, porque O Senhor é o Meu dono, e eu me alegro e exulto em ser propriedade inteiramente Tua"!

Que aprendamos a viver sob a perspectiva da renúncia, negando a nós mesmos e não nos apegando às coisas dessa vida. Paulo dá um grande motivo para isso, ao dizer: "Portanto, se já ressuscitastes juntamente com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus. Pensai nas coisas lá do alto, e não nas que são aqui da terra; porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus. Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então, vós também sereis manifestados com ele, em glória." (Cl 3:1-4).

Comentários

2 comentários em "O Cristão e a Cruz de Cristo - Parte 2"

Helder Nozima disse...
9 de março de 2009 00:48

Bom post. Apropriado para os nossos dias.

Danilo Sergio Pallar Lemos disse...
11 de março de 2009 22:43

É preciso que nós venhamos olhar para Cruz e a interpreta-la como centro e expoente para a obra salvifica, atraves de sua mensagen.

Acesse meu blog. www.vivendoteologia.blogspot.com
Th.M- Danilo Lemos.

 

Teologia e Vida © Revolution Two Church theme by Brian Gardner
Converted into Blogger Template by Bloganol and modified by Filipe Melo