terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Desastre na Igreja Renascer: Permissão Divina?

6 comentários


Este texto é um e-mail enviado por mim, dia 10/02/2009, a uma irmã que me perguntou se o desabamento do teto da Igreja Renascer foi uma permissão divina.

A Bíblia ensina que Deus não é apenas o Criador do mundo. Ele também é o Sustentador (Cl.1.17; Hb.1.3) e Governador de todo o Universo (Sl.29; 65; 104; Mt.5.45; 6.26-30). Deus não criou o mundo e se ausentou, deixando que ele existisse por si mesmo, com suas leis. Não! Por Sua providência Deus sustenta e governa todas as coisas, determinando e dirigindo todos os acontecimentos da história conforme Seus soberanos propósitos (Pv.16.33; 19.21; Is.46.10; Jr.10.23; Dn.4.35;). Ele não é um Deus distante e despreocupado com o mundo, mas é bem presente e se interessa por cada detalhe de nossa vida (Mt.10.29-30).

Tudo isso também é verdade com respeito às catástrofes, inclusive o desabamento do teto da Igreja Renascer, dia 18/01/2009, em São Paulo. Esse triste acidente, que provocou a morte de algumas pessoas e deixou muitas outras feridas, não foi apenas uma permissão de Deus, mas uma determinação soberana dEle, planejada na eternidade e realizada no tempo.

Isso parece estranho para muitas pessoas, pois elas não entendem como Deus pode estar envolvido nessas tragédias. Para resolver a aparente dificuldade, muitos retratam Deus como se Ele apenas estivesse assistindo o que acontece no mundo e se lamentando diante das catástrofes. Mas essa é uma visão falsa do relacionamento de Deus com o mundo. Deus tem um propósito em todas as coisas, mesmo naquelas que à princípio são más, e não podemos negar esse fato só porque muitas vezes não conseguimos enxergar esse propósito.

A história é como um quebra-cabeças. Quando olhamos apenas uma peça de um enorme quebra-cabeças não conseguimos discernir qual é a sua figura. No entanto, depois que todas as peças estão encaixadas em seus devidos lugares podemos contemplar a figura formada. Do mesmo modo, quando olhamos para um acontecimento individual na história não conseguimos entender qual é o seu propósito. Quando, porém, a história chegar ao seu fim veremos claramente como todos os acontecimentos se encaixaram para cumprir o propósito último de Deus: a Sua própria glória (Rm.11.36) e o bem dos Seus eleitos (Rm.8.28).

Agora nós podemos não entender o porquê desse desastre na Igreja Renascer, mas certamente esse acontecimento está incluso no soberano propósito de Deus. Temos uma ótima ilustração disso na vida de José, filho de Jacó. Mesmo sendo um servo de Deus, ele foi vendido como escravo pelos próprios irmãos, acabando numa prisão do Egito. Inicialmente José não entendeu porque aquilo estava acontecendo com ele, mas em um determinado momento as coisas começaram a se encaixar. Na prisão ele interpretou o sonho de dois servos de Faraó e, depois, os sonhos do próprio Faraó. Então, foi reconhecido por Faraó e todos os seus conselheiros como o homem mais competente para lidar com a fome que viria sobre a terra, sendo estabelecido como governador de todo o Egito. Graças a tudo isso José pôde salvar a vida de sua família e conservar a descendência de Israel, vendo o propósito de Deus ser cumprido através de uma coisa à princípio má. Ao fazer uma análise de tudo isso para seus irmãos, José reconheceu a soberania de Deus até mesmo sobre o pecado deles: "Deus me enviou adiante de vós, para conservar vossa sucessão na terra e para vos preservar a vida por um grande livramento. Assim, não fostes vós que me enviastes para cá, e sim Deus, que me pôs por pai de Faraó, e senhor de toda a sua casa, e como governador em toda a terra do Egito" (Gn.45.7-8); "Vós, na verdade, intentastes o mal contra mim; porém Deus o tornou em bem, para fazer, como vedes agora, que se conserve muita gente em vida" (Gn.50.20).

Concluímos, portanto, que Deus não apenas permitiu o ocorrido na Igreja Renascer, Ele também o planejou e certamente tem um bom propósito em tudo isso.

Aproveitemos a oportunidade para exercer o nosso amor pelas vítimas dessa tragédia. Oremos pelas famílias dos que morreram e pelas demais vítimas, para que possam se recuperar desse acontecimento traumático e para que não tenham seus corações endurecidos por essa tragédia.

Comentários

6 comentários em "Desastre na Igreja Renascer: Permissão Divina?"

Aldair R. Rios disse...
13 de fevereiro de 2009 19:10

O que nós percebemos é que na mente da maioria dos cristãos modernos, existe uma visão muita limitada a respeito de Deus e de sua Soberania.Vejo isso com muita frequência nos diálogos que tenho com pessoas que estão bem próximas de mim.
Mais não Importa o que a opinião da maioria afirma, Deus está assentado no seu Trono, governando com poder todas as coisas, ele as controla, dirige, conforme bem lhe apraz, afinal ele é Senhor.

graça e paz irmão

Quando puder visite meu blog www.reformaparaosnossosdias.blogspot.com

André Aloísio disse...
13 de fevereiro de 2009 22:40

Olá irmão Aldair, graça e paz!

De fato, Deus é soberano sobre todas as coisas, como a Bíblia demonstra em todas as partes.

Visitei seu blog e está muito bom! Que Deus continue te abençoando nesse "ministério virtual"!

Abraços,

André Aloísio
O principal dos pecadores (I Tm.1.15)

cincosolas disse...
14 de fevereiro de 2009 15:54

André,

As tragédias que ocorrem representam uma dificuldade, mas não para aqueles que crêem que Deus é soberano e que tem coragem de assumir essa posição nesses momentos.

Como você disse, a alternativa é pensar num Deus pesaroso e impotente diante desses acontecimentos.

Nossa atitude deve ser de glorificar a Deus e sofrer com aqueles que sofrem, ajudando no que pudermos, pelo menos com oração.

Em Cristo,

Clóvis

Rodrigo Campos disse...
18 de fevereiro de 2009 19:29

Paz André.
Saudades cara!!!

Excelente o texto.

André Aloísio disse...
19 de fevereiro de 2009 21:01

Olá Rodrigo, a paz!

Também estou com saudades! Te mandei um e-mail.

Que Deus te abençoe!

Abraços,

André Aloísio
O principal dos pecadores (I Tm.1.15)

Jorge Fernandes disse...
15 de março de 2009 00:37

Aloísio,
Um dos problemas do crente é quando ele acha que Deus permite o mal, mas não é o autor do mal. Como se o permitir fosse menos "ofensivo" a Deus. A questão é que Deus é soberano sobre tudo e todos, e como Criador está acima de tudo o que criou, não se sujeitando à criação. Então, o mal é algo criado por Deus, que está sob o Seu controle e vontade.
Com isso, o que vemos são cristãos confusos, hesitantes e sem respostas para muitas de suas indagações. Ou quando muito, têm a resposta errada, por ser antibíblica.
Você citou José, eu citaria Jó (fiz o comentário de Jó 1.1-12 em http://kalamo.blogspot.com/2009/02/comentario-jo-11-12.html) como alguém que compreendeu que o mal procede de Deus, e nem por isso atribuiu a Deus falta alguma (1.22), nem pecou com seus lábios (2.10). Porque quem define o que Deus é não somos nós, mas Ele, e simplesmente devemos aceitá-lO como bom, justo reto e santo. Pronto!
Porém, aos que questionam a Palavra (na verdade, os que não crêem nela) fica a exortação para atentarem que, ao não aceitar o que Deus diz de si mesmo estão em rebeldia, e se julgando melhor do que Ele (algo absurdo, insano, maligno como o próprio satanás foi e é).
Alguns agem por ignorância, mas outros estão conscientes de que Deus não pode ser pior do que o bem que eles acham possuir; não dá para admitir um deus que não seja tão bom quanto eles julgam ser.
Por isso, heresias como o universalismo, a teologia do processo e relacional são frutos da soberba, vaidade e presunção do homem quedado, que não aceita Deus como Ele se revelou na Escritura. Pior para eles, pois em sua inflexível insubordinação e tolice glorificam a Deus soberanamente, pois sobre eles está a Sua ira e condenação.

 

Teologia e Vida © Revolution Two Church theme by Brian Gardner
Converted into Blogger Template by Bloganol and modified by Filipe Melo