quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Minha Posição Sobre a Predestinação

7 comentários

O texto abaixo é um e-mail de minha autoria, escrito a um leitor deste blog que questinou qual é minha posição sobre a doutrina da predestinação. É importante dizer que minha posição sobre o assunto não é apenas questão de opinião pessoal; pelo contrário, é o ensino das próprias Escrituras.

Como ficou claro nas minhas últimas postagens no blog Teologia e Vida, eu creio que a predestinação é incondicional, ou seja, ela não depende dos objetos da predestinação (os seres humanos eleitos), apenas do autor da predestinação (Deus). A escolha de Deus não é baseada em nada presente nos próprios eleitos, como fé prevista ou boas obras, mas apenas na própria vontade e amor d'Ele mesmo: "Assim, pois, não depende de quem quer ou de quem corre, mas de usar Deus a sua misericórdia" (Rm.9.16).
 
Deus não escolheu a todos, e uma opinião contrária não pode ser encontrada em nenhum lugar da Bíblia. É impossível chegar a uma conclusão diferente depois de ler o capítulo 9 da epístola aos Romanos. Ele escolheu a muitos, mas não a todos. Os que são escolhidos o são para a glória da graça e amor de Deus, os que são reprovados o são para a glória da justiça divina. Isso não é injusto, já que Deus é o padrão de justiça, e Ele é justo por definição. Então, quanto a isso não temos o que reclamar com Deus, pois, como diz o apóstolo Paulo: "Quem és tu, ó homem, para discutires com Deus? Porventura, pode o objeto perguntar a quem o fez: Por que me fizeste assim? Ou não tem o oleiro direito sobre a massa, para do mesmo barro fazer um vaso para honra e outro, para desonra?" (Rm.9.20-21).

Porém, essa doutrina da predestinação não leva o ser humano à inatividade. Deus predestinou o fim e os meios pelos quais esse fim seria atingido. Ou seja, Deus não apenas determinou que eu seria salvo, mas também determinou os meios pelos quais isso ocorreria: Jesus veio e morreu pelos meus pecados, eu ouvi a pregação do evangelho, tive minha vontade mudada pelo Espírito Santo de modo que eu pude desejar a Deus, me arrependi e cri em Cristo sinceramente, fui justificado pela fé e adotado como filho de Deus, estou sendo santificado pelo Espírito Santo e serei preservado por Deus até aquele Dia, quando terei meu corpo glorificado para ser semelhante ao de Jesus.
 
O fato de eu crer na predestinação não me leva a ficar sentado na poltrona esperando Deus fazer alguma coisa. Não, porque eu sei que quando eu faço alguma coisa, o faço porque Ele mesmo já tinha determinado que assim seria. A doutrina da predestinação não nega que o homem tenha uma vontade, mas afirma que essa vontade está sob controle da vontade de Deus, que a inclina conforme deseja, para cumprir Seus propósitos.
 
Essa é a doutrina da predestinação de Agostinho. Eu penso exatamente como ele. Se quiser conhecer melhor como Agostinho encarava a predestinação, veja no Teologia e Vida os livros de Agostinho que eu recomendo, principalmente A Graça I e A Graça II.

Comentários

7 comentários em "Minha Posição Sobre a Predestinação"

Clóvis disse...
30 de outubro de 2008 01:57

André,

Paz seja contigo. Desnecessário te dizer que concordo inteiramente com sua posição. Por isso, só faço menção de como você escreveu de forma clara e sucinta sobre o tema.

Dou glórias a Deus. Por Seu plano maravilhoso e por ter levantado pessoas como você, capaz de expor com serenidade e firmeza as doutrinas da graça.

Que Deus continue te abençoando!

Em Cristo,

Clóvis
PS. Você sabe que vou "chupar" o seu texto para meu blog, né?

Davi Luan disse...
30 de outubro de 2008 12:46

Amém, verdadeiramente essa é a verdade bíblica. Glória a Deus!

(-V-) disse...
30 de outubro de 2008 18:10

André,

"Quando a Graça deixa de ser Soberana ela deixa de ser graciosa."

Subscrevo o artigo e os comentários acima.

Renato Vargens disse...
31 de outubro de 2008 10:43

Bela reflexão. Concordo em gênero, número e grau.

renato Vargens
www.renatovargens.com.br

André Aloísio disse...
31 de outubro de 2008 21:45

Clóvis, graça e paz!

Fique à vontade para publicar este texto em seu blog.

Deus te abençoe!

Abraços,

André Aloísio
O principal dos pecadores (I Tm.1.15)

Cícero disse...
28 de novembro de 2008 17:36

Caro André
Hoje tomo contato com seu texto. Poucas vezes vi o tema predestinação tratado com tanta clareza. Sendo crente na justificação e salvação que só por fé em Jesus Cristo me são dados por graça misericordiosa de Deus, tenho buscado estudar a Palavra sem apego denominacional.
Isso posto, e considerando-me um noviço, pairam-me inúmeras questões, que talvez você auxilie-me a esclarecer.
Por exemplo: quem são os predestinados? Ou melhor: a fé, apenas ela, é o sinal da predestinação? Pode ocorrer de um predestinado (destinado previmente) não ouvir a pregação, e por isso não passar a ter fé? Todo cristão é predestinado? Nos é lícito "desistir" de um não-predestinado (se é que podemos nós, pecadores, identificá-los)?
Por favor, veja que antes de fazer-lhe tais indagações, faço-as a mim mesmo. Creio que o estudo da Escritura Sagrada me trará as respostas. Mas sua colaboração talvez possa abreviar o tempo. Sinto que não me basta crer e orar. É também necessário disseminar (pregar) a Boa Nova. Mas isso não pode ser feito no "achômetro". Antes, é necessário preparação e discernimento. Não é outra coisa que busco por esta mensagem.
Graça e Paz em Cristo Jesus.
Cícero Dittrich.

André Aloísio disse...
29 de novembro de 2008 15:29

Olá irmão Cícero, graça e paz!

Se você já crê e compreende a salvação pela graça e a justificação pela fé somente, receber a predestinação como uma doutrina divina é apenas um passo.

O irmão tem algumas dúvidas sobre o assunto e eu procurarei solucioná-las respondendo rapidamente suas perguntas:

Quem são os predestinados? Ou melhor: a fé, apenas ela, é o sinal da predestinação?

Pode-se dizer que a verdadeira fé é um sinal da predestinação, e as boas obras são um sinal da verdadeira fé. No entanto, nós não podemos ter certeza absoluta da predestinação dos outros neste mundo. Essa certeza é reservada a apenas duas pessoas: Deus e o próprio predestinado.

Pode ocorrer de um predestinado (destinado previmente) não ouvir a pregação, e por isso não passar a ter fé?

Isso não é possível pois, como eu digo no meu texto, Deus predestina tanto o fim como os meios. Se Ele predestinou que alguém será salvo, Ele também predestinou que essa pessoa ouvirá o evangelho e se converterá, em arrependimento e fé.

Todo cristão é predestinado?

Sim, todo cristão verdadeiro é um predestinado e pode ter certeza da salvação. Existem cristãos nominais, tendo a religião apenas na língua, mas não no coração. Esses não foram predestinados, não estão salvos e um dia serão revelados como joio no meio do trigo.

Nos é lícito "desistir" de um não-predestinado (se é que podemos nós, pecadores, identificá-los)?

Não é lícito e não é possível, pois nós não podemos saber quais são os predestinados, como eu disse acima. Essa é uma daquelas coisas encobertas que pertencem ao Senhor (Dt.29.29). Nossa obrigação é pregar o evangelho a todos, orando e desejando sua salvação com todo o nosso ser.

Espero que eu tenha ajudado de alguma forma. Para entender melhor o assunto, leia os artigos presentes na seção Calvinismo deste blog. Se ficar alguma dúvida, pode perguntar.

Fico feliz pelo respeito e amor que o irmão tem pelas Escrituras. Continue assim, lendo-as e estudando-as diariamente, e tenho certeza que verificará por si mesmo que a doutrina da predestinação é uma verdade do próprio Deus.

Que Deus te abençoe grandemente!

De seu irmão em Cristo,

André Aloísio
O principal dos pecadores (I Tm.1.15)

 

Teologia e Vida © Revolution Two Church theme by Brian Gardner
Converted into Blogger Template by Bloganol and modified by Filipe Melo