quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Calvinismo na Bíblia (III): Expiação Limitada

19 comentários

Parte: [1] [2] [3] [4] [5]

Expiação Limitada


A expiação limitada é o terceiro dos Cinco Pontos do Calvinismo. Essa doutrina ensina que na cruz Jesus se ofereceu como o único e perfeito sacrifício pelos pecados, para satisfazer a justiça de Deus, sofrendo a ira divina, tornando-se maldição e morrendo no lugar de pecadores. Por ser verdadeiro Deus, tal sacrifício oferecido por Cristo é de valor e dignidade infinitos, plenamente suficiente para expiar os pecados do mundo inteiro. No entanto, esta expiação é limitada no sentido de que o propósito de Deus com o sacrifício de Cristo foi expiar apenas os pecados dos eleitos. Portanto, Jesus não morreu por todos os seres humanos literalmente, mas apenas pelos Seus escolhidos, que pelo Seu sangue são purificados de todos os pecados, tanto do pecado original quanto dos pecados atuais, cometidos antes e depois da conversão.

Seguem diversas passagens bíblicas que afirmam a expiação limitada:

Isaías 53.4-12: "Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos. Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a sua boca; como um cordeiro foi levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, assim ele não abriu a sua boca. Da opressão e do juízo foi tirado; e quem contará o tempo da sua vida? Porquanto foi cortado da terra dos viventes; pela transgressão do meu povo ele foi atingido. E puseram a sua sepultura com os ímpios, e com o rico na sua morte; ainda que nunca cometeu injustiça, nem houve engano na sua boca. Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado, verá a sua posteridade, prolongará os seus dias; e o bom prazer do SENHOR prosperará na sua mão. Ele verá o fruto do trabalho da sua alma, e ficará satisfeito; com o seu conhecimento o meu servo, o justo, justificará a muitos; porque as iniqüidades deles levará sobre si. Por isso lhe darei a parte de muitos, e com os poderosos repartirá ele o despojo; porquanto derramou a sua alma na morte, e foi contado com os transgressores; mas ele levou sobre si o pecado de muitos, e intercedeu pelos transgressores."

Mateus 1.21: "E dará à luz um filho e chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados."

Mateus 26.28: "Porque isto é o meu sangue; o sangue do novo testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados."

Marcos 4.11-12: "E ele disse-lhes: A vós vos é dado saber os mistérios do reino de Deus, mas aos que estão de fora todas estas coisas se dizem por parábolas, para que, vendo, vejam, e não percebam; e, ouvindo, ouçam, e não entendam; para que não se convertam, e lhes sejam perdoados os pecados."

Marcos 10.45: "Porque o Filho do homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos."

João 1.29: "No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo."

João 3.16: "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna."

João 6.37-40: "Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora. Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. E a vontade do Pai que me enviou é esta: Que nenhum de todos aqueles que me deu se perca, mas que o ressuscite no último dia. Porquanto a vontade daquele que me enviou é esta: Que todo aquele que vê o Filho, e crê nele, tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia."

João 10.11,15,26-28: "Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas [...] Assim como o Pai me conhece a mim, também eu conheço o Pai, e dou a minha vida pelas ovelhas [...] Mas vós não credes porque não sois das minhas ovelhas, como já vo-lo tenho dito. As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; e dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão."

João 17.6-9,19-21: "Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me deste; eram teus, e tu mos deste, e guardaram a tua palavra. Agora já têm conhecido que tudo quanto me deste provém de ti; porque lhes dei as palavras que tu me deste; e eles as receberam, e têm verdadeiramente conhecido que saí de ti, e creram que me enviaste. Eu rogo por eles; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus [...] E por eles me santifico a mim mesmo, para que também eles sejam santificados na verdade. E não rogo somente por estes, mas também por aqueles que pela sua palavra hão de crer em mim; para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste."

Atos 20.28: "Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue."

Romanos 3.21-26: "Mas agora se manifestou sem a lei a justiça de Deus, tendo o testemunho da lei e dos profetas; isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que crêem; porque não há diferença. Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus. Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus; para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus."

Romanos 5.7-10: "Porque apenas alguém morrerá por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém ouse morrer. Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores. Logo muito mais agora, tendo sido justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira. Porque se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, tendo sido já reconciliados, seremos salvos pela sua vida."

Romanos 8.30-34: "E aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou; e aos que justificou a estes também glorificou. Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas? Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem é que condena? Pois é Cristo quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós."

I Coríntios 15.3: "Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras."

II Coríntios 5.18-21: "E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação; isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pós em nós a palavra da reconciliação. Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus."

Gálatas 1.3-4: "Graça e paz da parte de Deus Pai e do nosso Senhor Jesus Cristo, o qual se deu a si mesmo por nossos pecados, para nos livrar do presente século mau, segundo a vontade de Deus nosso Pai."

Gálatas 3.13: "Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro."

Efésios 1.3: "Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo."

Efésios 5.25: "Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela."

Colossenses 1.12-14,20-22: "Dando graças ao Pai que nos fez idôneos para participar da herança dos santos na luz; o qual nos tirou da potestade das trevas, e nos transportou para o reino do Filho do seu amor; em quem temos a redenção pelo seu sangue, a saber, a remissão dos pecados; e que, havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra, como as que estão nos céus. A vós também, que noutro tempo éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora contudo vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte, para perante ele vos apresentar santos, e irrepreensíveis, e inculpáveis."

Tito 2.14: "O qual se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras."

Hebreus 2.9,14: "Vemos, porém, coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos [...] E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo."

Hebreus 9.15,26: "E por isso é Mediador de um novo testamento, para que, intervindo a morte para remissão das transgressões que havia debaixo do primeiro testamento, os chamados recebam a promessa da herança eterna [...] De outra maneira, necessário lhe fora padecer muitas vezes desde a fundação do mundo. Mas agora na consumação dos séculos uma vez se manifestou, para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo."

I João 2.1-2: "Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo. E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo."

I João 3.5: "E bem sabeis que ele se manifestou para tirar os nossos pecados; e nele não há pecado."

I João 4.10: "Nisto está o amor, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados."

Apocalipse 1.5: "E da parte de Jesus Cristo, que é a fiel testemunha, o primogênito dentre os mortos e o príncipe dos reis da terra. Aquele que nos amou, e em seu sangue nos lavou dos nossos pecados."

Apocalipse 5.8-9: "E, havendo tomado o livro, os quatro animais e os vinte e quatro anciãos prostraram-se diante do Cordeiro, tendo todos eles harpas e salvas de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos. E cantavam um novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda a tribo, e língua, e povo, e nação."

Obs: Todas as referências bíblicas são da versão Almeida Corrigida e Fiel.

Comentários

19 comentários em "Calvinismo na Bíblia (III): Expiação Limitada"

Pastor / Filósofo disse...
21 de julho de 2011 22:15

Faltou João 1:10-12; Gálatas 3:20-29; Filipenses 2:7-12.

Gledson disse...
16 de abril de 2012 08:41

O calvinismo é básicamente bíblico, porém, existem fatores a serem ainda explorado. Sabemos que hoje tanto o calvinismo como qualquer outro tipo de exploração bíblica foi e é adulterada,temos que ter muito cuidado ao afirmar qualquer coisa, pois,tanto o calvinismo como o luteranismo existem várias perguntas a respieto da salvação eu prefiro orar sempre e mesclar, porque tanto a salvação é pela fé como o Senhor não seria injusto em escolher uns e outros não, pois se for assim pra que Ele morreria se já escolheu quem é salvo? queridos leitores e calvinista não sejam flexíveis quantos aquilo que Deus nos deixou e nem arrisquem a salvação da vossa alma porque Calvino disse ( não Jesus ) que existem os escolhidos para morar lá. A realidade é que fomos comprados por bom preço não se faça presa de homens, Jesus é o nosso libertador, devemos seguir a paz com todos e santificação sem a qual ninguém verá o Senhor e acima de tudo amar, e amar incondícionalmente,pois, se temos a mente de Cristo conseguiremos amar como Ele amou porque o amor de Deus foi derramado em nosss corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.AMÉM.

Miss. Hélio disse...
2 de junho de 2012 15:03

Oi!
Boa Tarde!

Gledson

Gostaria a penas de expor algo verdadeiro em relação a doutrina da graça que é chamado de calvinismo,
Falar que não entende a doutrina da eleição é uma coisa e negar é outra.

Deus não tem obrigação de salvar ninguém, mais ele Deus resolveu salvar alguns que ele kis, baseado na sua vontade.

Filipenses 2.13: "Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade."

Afirmamos, com autoridade bíblica, que a vontade humana é tão desesperadamente dada ao engano, tão depravada, e tão inclinada para tudo que é mau, e tão avessa a tudo aquilo que é bom, que sem a poderosa, sobrenatural e irresistível influência do Espírito Santo, nenhum homem nunca será constrangido a buscar a Cristo.

è por vontade de Deus e não por escolha humana.

Se o homem vai para o inferno é porque ele merece, se ele vai para o céu é porque não merece.

Nele. Pois nós não temos mérito em nós mesmos para oferecer a Deus e recebermos a salvação. A salvação vem de Deus somente, através de Cristo somente, pela graça somente, através da fé somente que nos é dada como um dom gratuito de Deus, para a glória de Deus somente (Efésios 2.8).

Não compriender é uma coisa e falar que não é blica é outra.

Deus te abençoe amigo.

André Aloísio disse...
20 de dezembro de 2014 17:23

Miss. Hélio, obrigado pelo comentário. Faço das suas as minhas palavras.

Silvino Luís Caldeira disse...
24 de fevereiro de 2015 10:38

Oposto de Exegese, Eixegese trata-se de uma interpretação bíblica que atribui interesses próprios texto, interpretando e favor de seus objetivos. "eixegese" é forçar o texto a dizer uma coisa que não esta dizendo.¶ Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens;
Pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade;
Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador,
Que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade.

1 Timóteo 2:1-4 Porque a graça salvadora de Deus se há manifestado a todos os homens,

Tito 2:11.Vamos ficar com a bíblia que é a palavra de Deus e não com doutrinas de reformadores Humanos . Parem de aceitar tudo que se prega nos púlpitos , estudem as escrituras . A palavra mundo é cosmo em grego que quer dizer toda criação e no contexto de João 3 ; 16 , quer dizer toda humanidade .Prega ao contrário é heresia , o calvinismo é Heresia !
Mostrar menos

Silvino Luís Caldeira disse...
24 de fevereiro de 2015 10:38

Oposto de Exegese, Eixegese trata-se de uma interpretação bíblica que atribui interesses próprios texto, interpretando e favor de seus objetivos. "eixegese" é forçar o texto a dizer uma coisa que não esta dizendo.¶ Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens;
Pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade;
Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador,
Que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade.

1 Timóteo 2:1-4 Porque a graça salvadora de Deus se há manifestado a todos os homens,

Tito 2:11.Vamos ficar com a bíblia que é a palavra de Deus e não com doutrinas de reformadores Humanos . Parem de aceitar tudo que se prega nos púlpitos , estudem as escrituras . A palavra mundo é cosmo em grego que quer dizer toda criação e no contexto de João 3 ; 16 , quer dizer toda humanidade .Prega ao contrário é heresia , o calvinismo é Heresia !
Mostrar menos

André Aloísio disse...
9 de março de 2015 22:38

Silvino, você pode ver um comentário do texto de 1Tm 2.4 aqui: http://teologia-vida.blogspot.com.br/2010/10/breve-comentario-sobre-1-timoteo-24.html.

Quanto a Tt 2.11, é só observar os próximos versículos para perceber que "todos os homens" não podem ser todos os homens sem exceção: "Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens, educando-nos para que, renegadas a impiedade e as paixões mundanas, vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente, aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus, o qual a si mesmo se deu por nós, a fim de remir-nos de toda iniqüidade e purificar, para si mesmo, um povo exclusivamente seu, zeloso de boas obras" (Tt 2.11-14). A graça de Deus se manifestou salvadora de modo a nos levar a vivermos vidas santas. Ora, isso não é verdade a respeito de todos os homens, mas apenas do povo exclusivamente de Jesus, como Paulo afirma. Se "todos os homens" significa todos os homens sem exceção, então Paulo está afirmando que todos os homens estão vivendo de forma piedosa. Porém, sabemos que isso não é verdade.

Quanto à palavra "kosmos" no grego, o seu significado será determinado pelo contexto. No contexto do Evangelho de João, essa palavra pode significar "judeus e gentios", que certamente é o significado em Jo 3.16. Leia o livro "Por quem Cristo morreu?", de John Owen, publicado pela Editora PES.

Abraços,

André Aloísio

Gustavo Rodrigues disse...
19 de maio de 2016 07:57

Boa tarde,

Gostaria de tecer alguns comentários sobre o assunto supracitado, aqui se afirma que Jesus não morreu por todos. Vemos claramente em Tt 2:11 que a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens, o que não quer dizer que a todos quanto ela se manifestou aceitaram esta graça. Quando ouvimos uma palestra o palestrante manifesta a sua opinião a todos, mas não necessariamente todos devem concordar com sua opinião e isto não torna o palestrante uma farsa.

Um argumento que foi usado para debater esta passagem é que "todos" não significa "todos" o que é um argumento dos mais fracos que eu já havia visto.

Vemos em Romanos esta passagem: "Mas não é assim o dom gratuito como a ofensa. Porque, se pela ofensa de um morreram muitos, muito mais a graça de Deus, e o dom pela graça, que é de um só homem, Jesus Cristo, abundou sobre muitos."
Romanos 5:15, levando em consideração que argumento possa ter alguma validade, será que aqui pela ofensa de Adão só muitos morreram, nem todos têm o pecado original então? Será? Será mesmo?

Temos duas alternativa levando em consideração o seu argumento e a passagem lida: Se todos morreram então a graça de Deus é para todos ou Se nem todos morreram a graça de Deus também não é para todos.

É preciso abandonar o estudo do estudo e buscar na bíblia o conhecimento e no Espírito Santo a interpretação. Agostinho, Calvino e seus discípulos eram homens sujeitos a falhas e interpretações equivocadas. Busque em Deus as respostas. Não acredite esqueça um pouco o que você aprendeu com estes homens e vá buscar interpretação do Espírito.

Que Deus os abençoe!

André Aloísio disse...
21 de maio de 2016 16:58

Gustavo Rodrigues,

O significado de uma palavra deve ser determinado pelo seu contexto. Paulo disse em 1Tm 2.1 que devemos orar por "todos os homens". O que significa a palavra "todos" nessa passagem? Segundo a sua argumentação, essa palavra só pode significar "todos os homens sem exceção", porque esse é o significado da palavra "todos", segundo o seu entendimento. Mas vejamos se o contexto apoia esse sentido. Se o significado aqui é "todos sem exceção", isso incluiria os seres humanos que cometeram o pecado para a morte. Porém, o apóstolo João disse que não podemos orar por aqueles que pecam para a morte (1Jo 5.16). Então, ou a palavra "todos" aqui não pode significar "todos sem exceção", ou a Bíblia conteria contradições. Além disso, se "todos" é "todos sem exceção", isso envolveria também os seres humanos que já morreram, e Paulo estaria nos mandando orar pelos mortos, algo que o todo da revelação bíblica nos mostra ser errado. Mas não precisamos ir muito além do contexto imediato do versículo para perceber que "todos" aqui não significa "todos sem exceção", mas "todos sem distinção". Em 1Tm 2.2 Paulo explica o que significa "todos os homens", e mostra que está se referindo a seres humanos de todas as classes e posições, inclusive "reis e todos os que se acham investidos de autoridade". Certamente esse também é o sentido de "todos os homens" no v.4, onde é dito que Deus "deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade". E esse também deve ser o sentido de "todos" no v.6, onde se diz que Cristo "a si mesmo se deu em resgate por todos", uma referência à obra expiatória de Cristo. O que essa passagem está dizendo não é que devemos orar por todos os homens sem exceção (o que é impossível e pecaminoso), nem que Deus deseja a salvação de todos os homens sem exceção, nem que Cristo morreu por todos os homens sem exceção, mas que devemos orar, Deus deseja e Cristo morreu por todos os homens sem distinção, ou seja, homens de todos os tipos. Como as cartas pastorais têm um estilo próprio em comum, uma linguagem e conteúdo semelhantes, até porque foram escritas muito próximas uma da outra, é algo totalmente natural entender que "todos os homens" em Tt 2.11 deve ser interpretado à luz do seu uso nas pastorais, ou seja, como "todos os homens sem distinção", e não "todos os homens sem exceção". E como eu argumentei em um comentário acima, o próprio contexto imediato de Tt 2.11 apoia essa interpretação da palavra "todos" nessa passagem.

André Aloísio disse...
21 de maio de 2016 16:58

Continuando...

O caso de Rm 5.12-21 não é diferente. As palavras "todos" e "muitos" devem ser interpretadas de acordo com o seu uso na passagem. Em resumo, Paulo faz vários paralelos entre Adão e Cristo, ora usando a palavra "todos", ora usando a palavra "muitos", para descrever os objetos da obra de Adão e de Cristo. Quem são esses "todos" ou "muitos" mencionados por Paulo? Vamos ter que interpretar o todo da passagem para chegar a esse significado. Observando os efeitos da obra de Adão, que são o pecado e a morte, podemos seguramente entender que os "todos" ou "muitos" afetados por essa obra de Adão são todos os homens sem distinção, porque toda a Bíblia testemunha da universalidade do pecado. Agora, observando os efeitos da obra de Cristo, que são a justificação e a vida (especialmente vv.18,19), podemos com não menos segurança entender que os "todos" ou "muitos" que são afetados por essa obra de Cristo são todos os eleitos, porque todos os cristãos sérios sabem (inclusive arminianos), por conta do ensino geral da Bíblia, que nem todos os homens são feitos justos ou justificados, do contrário, todos seriam salvos. Mas isso não criaria uma incongruência entre a palavra "todos" ou "muitos" quando aplica a Adão e quando aplicada a Cristo, uma vez que teria sentidos diferentes quando relacionada a Adão e quando relacionada a Cristo? Não. Paulo está apresentando Adão e Cristo como dois cabeças, ou dois representantes, da humanidade. Adão é o cabeça da humanidade caída, Cristo é o cabeça da humanidade redimida, que é a Igreja. O que Adão fez afetou todos os que são representados por ele e o que Cristo fez afetou todos os que são representados por ele. Como os que são representados por Adão são muitas pessoas (toda a humanidade), Paulo também pode descrever aqueles que Adão representa como "muitos". Da mesma forma, como os que são representados por Cristo são muitas pessoas (toda a Igreja, que Deus diz a Abraão que seria mais numerosa do que as estrelas dos céus e a areia da praia do mar), Paulo também pode descrever aqueles que Cristo representa como "muitos". Não há incongruência. Há um perfeito paralelo entre Adão e Cristo.

Para concluir, a minha fé não está baseada em Agostinho, nem em Calvino, mas na Bíblia. Ela é a minha única regra de fé e prática. Nunca uso ou cito Agostinho ou Calvino como fundamento para alguma doutrina. Mas Agostinho e Calvino foram intérpretes dessa mesma Bíblia que nós dois estamos interpretando, e certamente foram intérpretes muito melhores do que eu e você. Então, é uma manifestação de humildade quando, ao interpretar a Bíblia, deixamos que eles nos ajudem nessa tarefa como pastores-mestres que foram dados por Cristo à Igreja, para o aperfeiçoamento dos santos (Ef 4.11 em diante).

Abraços,

André Aloísio

Gustavo Rodrigues disse...
25 de maio de 2016 12:33

Pelo que consegui compreender, do senhor me explicou muito bem, foi que o "todos" por quem Cristo morreu só quer dizer algumas pessoas de classes diferentes, e não a totalidade da humanidade. E pelo seu argumento o morte que veio através de Adão também só surtiu efeito na vida de alguns de classes distintas. O que quer dizer também que algumas pessoas não tem o efeito mortal do pecado sobre a sua vida, não necessitando assim da obra redentora de Cristo.

Quando Paulo diz que devemos orar a todos os homens ele está dizendo para orar a TODOS, e isso não quer dizer que vou orar para pessoas mortas. Será que o senhor sabe todas as pessoas que são escolhidas por Deus e só ora por elas ou o senhor arrisca cometer pecado e orar para que todos os membros da sua congregação sejam salvos? e os parentes dos irmãos? Será que cometemos pecados ao orar para alguém que Deus não escolheu? Ou oramos por TODOS? Será que os discípulos oravam uns pelos outros? Será que Pedro, João ou Tiago ao orar por Judas enquanto faziam a obra estavam pecando?

Adão cometeu um pecado que causou morte e a bíblia não nos diz que Deus o enviou para o inferno, ele teve a oportunidade de se arrepender. Ou o pecado de Adão não levou a morte como Deus prometera? Será que o pecado de adultério não é um pecado que leva a morte? Davi pecou e era segundo o coração de Deus. O salário do pecado é morte. A bíblia não nos diz que alguns pecados geram a morte e sim todos. Então nesta sua explicação eu não poderia orar por ninguém pois todos pecaram e receberam o salário do pecado, que é a morte. Ou será que nem todos pecaram?

Como falei anteriormente precisamos decidir ou Jesus morreu por todos ou nem todos pecaram.

Abraços,

Gustavo Rodrigues

André Aloísio disse...
25 de maio de 2016 14:27

Gustavo Rodrigues,

Você não entendeu o que eu disse sobre Rm 5. O que Adão fez afetou todos os que são representados por ele, o que significa toda a raça humana, e o que Cristo fez afetou todos os que são representados por ele, o que significa toda a Igreja. Leia novamente meu comentário acima. Devo também fazer uma pequena correção: onde eu digo "Observando os efeitos da obra de Adão, que são o pecado e a morte, podemos seguramente entender que os 'todos' ou 'muitos' afetados por essa obra de Adão são todos os homens sem DISTINÇÃO", troque "distinção" por "exceção".

Quanto a orar por todos os homens em 1Tm 2.1, não entendi o seu argumento. Meu argumento foi que, se devo orar por todos os homens sem exceção, isso incluiria pessoas mortas, o que seria contrário ao ensino geral da Bíblia, e incluiria também pessoas que cometeram o pecado para a morte de 1Jo 5.16, pelas quais não podemos orar de acordo com a passagem citada. Eu não disse que não podemos orar por pessoas que não são eleitas. Eu disse que não podemos orar por pessoas que cometeram o pecado para a morte, ou o pecado imperdoável, que é a blasfêmia contra o Espírito Santo. Isso não sou eu quem digo, é o apóstolo João em 1Jo 5.16, como já mencionei. Portanto, meu argumento é que se Paulo está dizendo que devemos orar por todas as pessoas sem exceção, isso incluiria pessoas pelas quais outras passagens bíblicas dizem que não podemos orar, o que seria uma contradição. Mas se, pelo contrário, entendermos a passagem de 1Tm 2.1 à luz do contexto (especialmente 1Tm 2.2), veremos que Paulo está querendo dizer todos os homens sem distinção, ou seja, homens de todos os tipos. E, assim, esse seria o mesmo sentido de "todos" em 1Tm 2.4,6.

Por fim, eu não disse que há pecados que não levam à morte. Todo pecado conduz à morte, porque o salário do pecado é a morte (Rm 6.23). A linguagem de "pecado para a morte", de 1Jo 5.16, indica um pecado específico, o pecado imperdoável, mas não anula o fato de que todo pecado conduz à morte se não houver arrependimento. A diferença é que o "pecado para a morte" ou pecado imperdoável leva o pecador para além da possibilidade de arrependimento, e assim conduz inevitavelmente à morte eterna.

André Aloísio

Gustavo Rodrigues disse...
25 de maio de 2016 17:58

Voltando ao texto de Tito 2:11-12 Porque a graça salvadora de Deus se há manifestado a todos os homens, ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, e justa, e piamente... Paulo diz que a graça salvadora de Deus é manifestada a todos, eu tenho plena consciência que nem todos serão salvos, mas o grande problema de afirmar que a expiação de Deus é limitada é dizer que Ele não quis salvar a todos e sim somente para aqueles que Ele escolheu aleatoriamente.

O interessante é que se estiver errado não mudará em nada a minha vida pois Deus terá me escolhido ou não, independente de como eu vivo, pois Ele me escolheu aleatoriamente como Calvino explica. A bíblia diz que Deus não faz acepção de pessoas então Ele não teria morrido somente por alguns, não dando oportunidade a outros.

Ele pode até ter morrido por somente alguns, por Ele, através da sua presciência, já saber aqueles que o escolheriam. Se fomos escolhidos aleatoriamente qual seria a necessidade de um plano tão grande quanto esse da salvação. Por que matar o seu próprio filho, se Ele poderia simplesmente salvar aqueles que Ele queria ao seu bel prazer.

E continuo dizendo que orar por todos os homens não tem nada a ver com orar por mortos ou por aqueles que pecaram para morte. Podemos orar por todos e quando morrerem parar de orar e o pecar para morte não saberemos quem pecou para morte. Como vamos saber por quem orar então?

Rafael Figueredo de Sousa disse...
11 de junho de 2016 11:18

Pr. André,

Muito boa sua exposição! Tem me ajudado muito com meus alunos da EBD sobre esse assunto tão rico, e que diz tanto a respeito do caráter do Deus Soberano em quem cremos. Entendo que pra alguns por vezes é difícil a correta compreensão desse tema, porque o homem sempre vai querer tomar as rédeas, ser rebelde contra Deus, dar a sua "contribuição" para a salvação, e quando se depara com essa doutrina, se vê com as mãos atadas e procura uma forma de refutá-la pois ela certamente o condena.
Que Deus continue o capacitando pra essa boa obra! Deus o abençoe!

Rafael F de Sousa

Salatiel Bairros disse...
9 de agosto de 2016 09:28

Gustavo,
A questão da Eleição Incondicional é um outro tema longo de discutir, mas a bíblia possui dezenas de versículos a favor. Se utilizar uma simples lógica, a pré ciência de Deus não faz sentido: Ele te criou, Ele fez tua personalidade, personalidade das pessoas da tua volta, ele conhece o ambiente que tu vive e tudo mais, portanto, ao te criar, como nossas decisões dependem da personalidade, criação, ambiente, humor, bioquimica, etc, Deus DECIDIU fazer com que tu fosse apto a escolher por ele, mas isso deixaria de ser pela Graça, pois seria por alguma caracteristica a ti imputada. Então a pré ciencia é uma acepção de pessoas, ao contrario da impressão que se tem ao pensar rapidamente sobre.
A ideia da escolha incondicional é que a graça é irresistível e eu não sei por que foi escolhido, mas "independente de como eu vivo" é errado afirmar, pois aquele a quem Deus abriu os olhos o Espírito Santo também guiará os passos, mesmos com as falhas. Existe a analogia do porco que vira homem. Antes, porco, comia lavagem, mas instantaneamente é transformado em homem e no mesmo momento a lavagem deixa de ser nutritiva e saborosa. Mesmo que volte a comê-la, sabe que não é suficiente e precisa comer comida boa.

A Eleição Incondicional afirma que tua capacidade de escolha não tem nenhuma relação com a redenção e o sacrifício de Cristo é completamente suficiente para salvar, não dependendo da tua decisão. A soberania de Deus não convive com a ideia da somente pré ciência. O "não dar oportunidade a outros" é a forma humanistica de ver onde todos mereciam ser salvos. Nenhum merecia e os que recebem é de graça. Só entendemos a grandeza da bondade e misericórdia de Deus pois conhecemos nossa queda. Só sabemos a consequência de estar longe de Deus porque vivemos e observamos isso no mundo. O plano da salvação é uma forma de Deus se revelar para nós. E assim como em Efésios 1, tudo é para louvor da Sua Glória, tanto do Pai, do Filho e do Espírito.
A Eleição não tira a responsabilidade do homem, somos completamente responsáveis pelo pecado, mas nossa livre ação é submissa a Deus assim como todas as coisas. Existem várias dualidades do tipo na bíblia.
Sobre o orar pelos que não são escolhidos, não sabemos quem foi escolhido, então devemos orar por todos e amar a todos, e isso é um fruto do ES, caso não o tenhamos, não temos o ES e ainda não fomos salvos e apenas estamos fingindo. Ao mesmo tempo que não devemos jogar pérolas aos porcos. Deus não vai condenar se eu orar por alguém que cometeu a blasfêmia sem que eu saiba, mas se eu souber que alguém cometeu, não há mais a necessidade de orar.
Deus te abençoe.

Elias Siqueira disse...
4 de outubro de 2016 09:46

Eu sou reformado desde crianca da ipb.
Estudei na makenzi e nao entendo porque um expositor do calvinismo extremado nunca fala que ele e um reprobo ja que nao e pra quem quer

André Aloísio disse...
7 de outubro de 2016 11:46

Elias Siqueira,

Se você é reformado, então você crê em eleição e reprovação. Se não crê, não é reformado.

Sobre calvinismo extremado, não sei o que você quer dizer com isso. O que foi exposto nesse artigo foi o calvinismo clássico, como foi ensinado por todos os reformados, confissões e catecismos. Isso é ensinado na Confissão Belga, no Catecismo de Heidelberg, nos Cânones de Dort, na Segundo Confissão de Fé Helvética, nos Símbolos de Westminster, etc. A menos que você creia que todos os calvinistas são extremados...

Se um cristão tem certeza da salvação, ele não pode dizer que é um réprobo. Quanto a se ter certeza da salvação, a Bíblia mostra que é possível (2Tm 4.8).

André Aloísio disse...
7 de outubro de 2016 12:30

Gustavo Rodrigues, gostaria apenas de responder algumas perguntas que você faz no seu último comentário:

Você pergunta: "Por que matar o seu próprio filho, se Ele poderia simplesmente salvar aqueles que Ele queria ao seu bel prazer". Deus não poderia salvar aqueles que Ele queria sem que o pecado deles fosse punido, do contrário Deus não seria justo e não seria Deus (Pv 17.15; Êx 34.6,7). O pecado precisa ser punido, razão pela qual a morte do Filho de Deus era necessária (Rm 3.20-26).

Você também diz: "E continuo dizendo que orar por todos os homens não tem nada a ver com orar por mortos ou por aqueles que pecaram para morte. Podemos orar por todos e quando morrerem parar de orar e o pecar para morte não saberemos quem pecou para morte. Como vamos saber por quem orar então?". Você simplesmente afirmou que "todos os homens" não tem relação com mortos, mas não apresentou nenhum argumento. Você também diz que não sabemos quem pecou para a morte, mas João, ao contrário de você, assume o fato de que sabemos, tanto que nos proíbe de orar por essas pessoas (1Jo 5.16,17).

ILKA ALMEIDA disse...
11 de julho de 2017 20:12

Fui convidada pra dar um estudo na igreja sobre expiação limitada sou presbiteriana seu texto é muito objetivo gostei Deus abençoe irmão.E lamentável que existe pessoas que não compreendem esse plano e essa mensagem tão linda de salvação amor graça e misericórdia vinda da parte de nosso Deus através de seu Fliho amado Jesus Cristo que na cruz do calvário representou substitui levou sobre si as dores daqueles a quem o Pai o deu

 

Teologia e Vida © Revolution Two Church theme by Brian Gardner
Converted into Blogger Template by Bloganol and modified by Filipe Melo