sábado, 21 de junho de 2008

Certeza da Salvação

17 comentários

O texto abaixo é uma resposta aos comentários do irmão Fábio, sobre meu Diálogo Sobre a Salvação pela Graça e Suas Conseqüências.

Olá Fábio, a paz seja contigo!

Se me permite, gostaria de fazer alguns comentários sobre sua resposta ao meu diálogo. Peço que não repare na linguagem e na estrutura do meu texto, pois o escrevi na correria. Você escreveu:

"A Salvação é sim por meio de Jesus, mas isso também depende de nossas atitudes."

Eu entendo sua preocupação ao escrever isso. Você tem medo, como muitos, que a graça de Deus se transforme em libertinagem (Jd.4), e que os cristãos pensem que, afinal, podem pecar o quanto quiserem, pois são salvos pela graça. É uma preocupação sincera, reconheço. No entanto, não posso concordar com sua frase acima, e vou explicar o motivo.

A Bíblia é bem clara ao afirmar que nossa salvação é totalmente pela graça: “Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus” (Rm.3.23-24); “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie” (Ef.2.8-9); etc.

Nós só compreendemos corretamente essa verdade quando conhecemos qual a nossa condição e posição diante de Deus. Já nascemos “mortos em delitos e pecados” (Ef.2.1), “escravos do pecado” (Jo.8.34) e, por natureza, “todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças como trapo da imundícia; e todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniqüidades como um vento nos arrebatam” (Is.64.6). Além dessa corrupção interior, todos nós nascemos debaixo da condenação do pecado, pois “o salário do pecado é a morte” (Rm.6.23). Em tal situação é impossível que o homem contribua, com o mínimo que seja, em sua salvação. Assim como um morto não pode fazer coisa alguma, um morto espiritual não pode fazer nenhum bem espiritual.

Por isso nossa salvação depende inteiramente de Deus, que por Sua maravilhosa graça, enviou Seu Filho ao mundo para viver e morrer em nosso lugar. E não apenas isto, é Ele quem nos ressuscita espiritualmente (Ef.2.1) e nos traz a Cristo. Sem essa ação de Deus, operando o novo nascimento (Jo.3.3), ninguém viria a Cristo: “Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer” (Jo.6.44). Nem o arrependimento e a fé podem ser considerados como uma obra nossa da qual depende nossa salvação, pois a Bíblia ensina que até essas coisas são dons de Deus dados a nós: “Porque vos foi concedida a graça de padecerdes por Cristo e não somente de crerdes nele” (Fp.1.29); “Ou desprezas a riqueza da sua bondade, e tolerância, e longanimidade, ignorando que a bondade de Deus é que te conduz ao arrependimento?” (Rm.2.4). A fé não é a causa da nossa salvação, mas o instrumento pelo qual nos apropriamos dela. Além disso, como eu disse acima, a fé, juntamente com o arrependimento, é um dom de Deus.

Talvez você concorde com tudo o que eu disse até agora, mas afirme que se o cristão não permanecer na fé e não for obediente em sua vida cristã poderá perder a salvação. No entanto, ao contrário do que a maioria dos cristãos pensam, a salvação não pode ser perdida, justamente pelo fato de a salvação ser pela graça e não depender de obras! Isso é ensinado em toda a Bíblia e aqui citarei apenas algumas passagens. Jesus disse em João 6.47: “Quem crê em mim tem a vida eterna”. Tudo aqui está no presente. Se alguém crê em Jesus com verdadeira fé, então ele já tem, no presente, a vida eterna. Jesus não disse que aquele que crê n’Ele terá a vida eterna, mas que já tem aqui e agora. Ora, se a vida que o cristão tem é eterna, é ilógico pensar que ela possa ter um fim ou que ele possa perdê-la, afinal, ela é eterna.

Ainda sobre isso, Jesus disse: “As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão. Aquilo que meu Pai me deu é maior do que tudo; e da mão do Pai ninguém pode arrebatar” (Jo.10:27-29). Jesus afirma que Suas ovelhas, que receberam a vida eterna, jamais perecerão, e ninguém (inclusive as próprias ovelhas, obviamente) poderá arrebatá-las de Suas mãos e das mãos do Pai. Paulo também fala sobre isso em Filipenses 1.6: “Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus”.

Mas talvez a passagem mais forte sobre o assunto se inicie no capítulo 5 de Romanos, onde Paulo começa a argumentar sobre a certeza da salvação. Do versículo 6 ao 11 Paulo apresenta um argumento incrível a respeito disso, que eu não irei repetir pois já o expliquei no meu Diálogo Sobre a Salvação pela Graça e Suas Conseqüências. Do versículo 12 ao 21 Paulo faz um paralelo entre Adão e Cristo, e mostra que, assim como o pecado de Adão foi imputado a todos os seus descendentes resultando em condenação, assim também a justiça de Cristo é imputada a todos aqueles que crêem resultando em salvação. Isso acontece por causa de nossa união com Cristo; nós estamos n’Ele e, graças a essa união, nossos pecados foram imputados a Cristo, e a justiça d’Ele foi imputada a nós.

Depois de um parêntese nos capítulos 6 e 7, Paulo continua o tema da certeza da salvação no capítulo 8 da mesma epístola, e inicia o capítulo dizendo: “Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus”. Ele continua o assunto e no versículo 30 afirma: “E aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou”. Veja o que ele afirma: os mesmos que são justificados (todos os que crêem) serão glorificados, isto é, terão seus corpos transformados quando Cristo voltar. Ele não disse que apenas alguns dos justificados serão glorificados, mas que todos os que são justificados serão glorificados. E para mostrar a certeza disso, ele até coloca a glorificação como um fato já consumado, utilizando o verbo no passado: “a esses também glorificou” (e não glorificará). Paulo encerra toda esta argumentação sobre a certeza da salvação com uma passagem muito conhecida, mas pouco compreendida, para a qual peço que você dedique a máxima atenção:

“Que diremos, pois, à vista destas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas? Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós. Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada? Como está escrito: Por amor de ti, somos entregues à morte o dia todo, fomos considerados como ovelhas para o matadouro. Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Rm.8.31-39).

Paulo mostra na passagem acima que nossa salvação depende totalmente de Deus e do Seu amor por nós, que foi demonstrado na obra que Cristo realizou em favor dos Seus escolhidos. E esse amor é tão grande que absolutamente nada – nada mesmo, nem mesmo nós – pode nos separar dele! Em nenhum momento Paulo afirma que a salvação depende de nossas atitudes. O grande problema de muitos cristãos é achar que a salvação depende daquilo que fazem, e não daquilo que Deus fez em Cristo de uma vez por todas. Às vezes pensam e falam de tal forma que parecem crer que eles mesmos se salvam. No entanto, nossa salvação é, do começo ao fim, uma obra exclusiva de Deus, como Jesus, Paulo e todos os demais apóstolos demonstram várias vezes. “Ao Senhor pertence a salvação” (Jn.2.9). Não é por obras, “para que ninguém se glorie” (Ef.2.9).

Somente quando compreendemos tudo isso é que entendemos o que significa ser salvo pela graça e podemos louvar a Deus juntamente com Paulo, humilhados e agradecidos diante do Trono da Graça: “Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos! Quem, pois, conheceu a mente do Senhor? Ou quem foi o seu conselheiro? Ou quem primeiro deu a ele para que lhe venha a ser restituído? Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém” (Rm.11:33-36).

Depois de tudo isso talvez você volte à preocupação inicial sobre a graça transformada em libertinagem. Pois se a salvação não depende em nada de nós, parece que podemos fazer o que quisermos e isso não fará diferença nenhuma. Mas Paulo responde a essa questão no capítulo 6 de Romanos, demonstrando que não é possível que aqueles que foram salvos continuem a viver no pecado, porque eles estão unidos com Cristo em Sua morte e ressurreição. Eles não apenas foram justificados, mas também regenerados. A velha natureza dos cristãos foi crucificada e agora eles têm uma nova. Não são mais escravos do pecado, mas da justiça (Rm.6.18). O prazer deles não é mais o pecado, mas a santidade. A obediência e as boas obras surgem agora naturalmente, frutos de um coração que foi transformado por Deus: “Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas” (Ef.2.10). Assim como uma árvore boa produz bons frutos, um verdadeiro cristão produz boas obras (Mt.12.33).

Isso não significa que os que foram salvos não pecam mais, pois o próprio apóstolo João reconhece que isso ainda irá acontecer: “Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós [...] Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós” (I Jo.1.8,10). Então, nós podemos perder a nossa salvação, devido a esses pecados que ainda cometemos? Não, e nessa mesma passagem João apresenta a solução: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça [...] Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo; e ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro” (I Jo.1.9; 2.1-2). O sacrifício de Cristo é suficiente para nos perdoar de todos os nossos pecados, passados, presentes e futuros. Além disso, Jesus ainda está diante do Pai, como nosso Advogado.

Mas e se não confessarmos os nossos pecados a Deus, seremos perdoados? Primeiramente, aquele que foi verdadeiramente salvo confessa seus pecados a Deus. Isso é natural para ele. No entanto, é óbvio que há muitos pecados que cometemos e não lembramos. E é possível que um salvo morra sem ter confessado seus últimos pecados. Em tais casos obviamente a pessoa é perdoada, porque o perdão não está alicerçado em sua confissão, mas na obra objetiva de Cristo em Sua vida e morte. Nossos pecados foram imputados sobre Cristo e Ele já levou a condenação por eles. Por outro lado, a justiça de Cristo é imputada a nós quando cremos, e graças a isso recebemos a vida eterna. Retomando o que já foi dito, “já não há mais condenação...” (Rm.8.1).

Se nossa salvação dependesse em algum momento de nossas obras todos estaríamos perdidos, pois mesmo as nossas melhores obras que praticamos como cristãos ainda são imperfeitas. Quantas vezes ajudamos o nosso próximo com o fim de cumprir o mandamento de Cristo de amarmos o nosso próximo como a nós mesmos, mas quando olhamos para dentro de nós encontramos uma raiz de interesse próprio? Quantas vezes nós, que somos ministros de louvor, fomos tomados de orgulho em meio à adoração, pelo fato de Deus nos usar como instrumentos para edificação da igreja? Sejamos sinceros, mesmo as nossas melhores obras não chegam aos pés do que é exigido pela lei de Deus: "Dela não te desvies nem para a direita, nem para a esquerda". Citando novamente o profeta Isaías: “todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças como trapo da imundícia” (Is.64.6).

Resumindo tudo o que foi dito até agora, a salvação depende inteiramente de Deus e é totalmente por Sua graça, sem nenhuma contribuição de nossa parte. Todas as demais coisas que você escreveu em seu comentário, falando sobre a necessidade do cristão se santificar, foram respondidas por tudo o que eu disse acima. A santificação não é a causa de nossa salvação, mas uma conseqüência. Só se santifica quem já foi salvo. E quem já foi salvo necessariamente se santifica. Por isso, todo aquele que foi salvo verá a Deus e pode ter certeza de sua salvação. Jesus já fez tudo por nós. Portanto, descansemos n’Ele pela fé.

Meu desejo é que este texto possa esclarecer essas verdades a você e a todos os cristãos que, por não compreenderem a graça de Deus e a justiça de Cristo, ainda vivem temendo a morte e o inferno!

“Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeços e para vos apresentar com exultação, imaculados diante de sua glória, ao único Deus, nosso Salvador, mediante Jesus Cristo, Senhor nosso, glória, majestade, império e soberania, antes de todas as eras, e agora, e por todos os séculos. Amém”. (Jd.24-25)

Abraços,

André Aloísio
O principal dos pecadores (I Tm.1.15)

Comentários

17 comentários em "Certeza da Salvação"

Sonia disse...
21 de junho de 2008 16:59

Querido irmão, Paz!
Graças a Deus eu tenho identidade pois se não, porque o proprio Jesus instituiu a igreja? Igreja não é só o templo de quatro paredes mas é todo o corpo de Cristo, mas quando nos reunimos na igreja (denominação que pertencemos) diz o Salmo 133 - Oh quão bom e quão suave é que o que os irmão vivam em união......etc..etc.
Cuidado pois a letra mata e é o Espírito que vivifica, e, não saiba além do que convem a sã doutrina.Nem todos que me dizem Senhor, senhor entrarão no reino dos céus.Salvação se perde pois a biblia diz que o que vencer receberá a corôa da vida, e apocalipse 3 fala com a igreja e não com o mundo. porque sois morno vou vomita-los de minha boca....ta,bém diz, tem nome de que vives mas estás morto. Por isso guarda o que tens para que ninguem tome a tua corôa. Não preciso perder meu tempo tentando afastar os cristãos do seus caminhos porque Deus me chamou para evangelizar, por isso eu sugiro que você use seu blog para levar uma palavra de fé e amor aos corações quebrantados e contritos, pois acho que tem muita gente querendo se gloriar no trabalho dos outros. Quem exalta é Deus, quem humilha também, cuidado com o orgulho porque o diabo vosso adversário está em derredor procurando a quem tragar.....(perder a salvação). Se não porque o diabo não vai dormir e deixa os crentes em paz? o que ele quer de nós se não tirar a nossa salvação?
porque pegar versículos da palavra e fazer doutrina deles, pois, não sei se vc sabe que para entender o significado da palavra temos que ler o texto anterior e o posterior......
prega a palavra< e nâo contendas entre irmâos< prega a palavra e nâo fique levantando assuntos polêmicos< e < perdendo tempo enquanto muitos estâo morrendo< sem receber a palavra da salvaçâo>>>>
fica com DEUS>>>

André Aloísio disse...
21 de junho de 2008 19:25

Olá Pra. Sônia, graça e paz!

Quem faz minha identidade não é uma denominação (no caso a Igreja do Evangelho Quadrangular), mas Jesus Cristo, por causa de quem sou chamado cristão. E como cristão meu compromisso é com a Palavra de Deus, não com denominações. Mas é importante dizer que mesmo a Quadrangular não apresenta problema algum para meu posicionamento teológico, uma vez que nossa Declaração de Fé não trata de tais assuntos. Eis o motivo porque ainda estou na Quadrangular, e tenho vivido bem nela até hoje. União é importante e devemos sempre buscá-la, mas a Verdade é prioridade. Como disse um grande homem de Deus: "A paz se possível. A verdade a qualquer custo!".

Se a senhora usou o texto de Paulo em II Co.3.6 - "a letra mata, mas o espírito vivifica" - para se opor ao estudo da Palavra de Deus, peço que reconsidere sua interpretação. Nesta passagem Paulo compara a Antiga Aliança (letra) com a Nova (espírito), não tem nada a ver com estudo bíblico. É o próprio Jesus quem nos manda estudar a Bíblia: "Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim" (Jo.3.39). E as palavras de Jesus não são letra que mata. Muito pelo contrário, "as palavras que eu vos tenho dito são espírito e são vida" (Jo.6.63).

Salvação não se perde, basta ler o meu artigo sem preconceitos e examinando com cuidado as passagens bíblicas que eu citei. Se a senhora acha que estou errado, te desafio a refutar o meu artigo com argumentos bíblicos. Do contrário, não posso mudar de opinião, pois minha consciência está cativa à Palavra de Deus, e apenas aquilo que está ensinado nela é minha regra de fé e prática.

A passagem de Mateus 7.21-23 onde Jesus diz que nem todo o que lhe diz "Senhor, Senhor" entrará no reino dos céus, não fala sobre um cristão perder a salvação. Tais pessoas que dizem "Senhor, Senhor" nunca foram verdadeiramente salvas, pois Jesus diz a elas no versículo 23: "Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade". Ele não diz que já as conheceu um dia, e agora não as conhece mais. Não! Ele nunca as conheceu.

Apocalipse 3 também não ensina a possibilidade de perder a salvação. Aqueles que são mornos e serão vomitados não são pessoas verdadeiramente salvas, apenas cristãos nominais, que nunca foram verdadeiramente justificados e regenerados por Deus. O fato de Jesus escrever a uma igreja não significa que todos da igreja eram salvos. É como nos dias de hoje: nem todos os que estão nas nossas igrejas são salvos realmente.

A senhora me disse que o que eu estou fazendo é perda de tempo, e eu deveria evangelizar. Com a graça de Deus tenho me dedicado às duas coisas: tanto com o evangelismo dos que estão "fora", quanto com o ensino dos que estão "dentro". O mesmo Deus que me chamou a evangelizar pecadores, me chamou a ensinar e exortar cristãos: "prega a palavra, insta, quer seja oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda longanimidade e doutrina" (II Tm.4.2). Você sugeriu que eu use meu blog para levar uma palavra de fé e amor aos corações quebrantados e contritos. Eu tenho feito isso, como a senhora poderá perceber lendo outros artigos do meu blog. Mas além disso, além do leite, tenho colocado aqui alimento sólido, para homens espirituais que já não são mais crianças em Cristo. E isso é tão necessário para os cristãos adultos quanto o leite é para os cristãos "crianças". Muitos irmãos tem sido abençoados por este blog e tem me escrevido a respeito. Portanto, isso não é perda de tempo. É um ministério que Deus colocou em minhas mãos.

Eu não entendi bem por que a senhora falou sobre se gloriar no trabalho dos outros. Eu tenho feito isso? Agradeço a exortação sobre o orgulho. O orgulho é algo com o que todos nós devemos tomar muito cuidado: "Aquele, pois, que pensa estar em pé, veja que não caia" (I Co.10.12). Por isso, eu faço essa mesma exortação à senhora. Tomemos cuidado com o orgulho e façamos como Pedro nos exortou: "Humilhai-vos, portanto, sob a poderosa mão de Deus, para que ele, em tempo oportuno, vos exalte" (I Pe.5.6).

A passagem de I Pe.5.8, que fala sobre o diabo que ruge como um leão, procurando alguém para devorar, não diz nada a respeito de perder a salvação. Essa interpretação foi a senhora quem deu, mas não está no texto. Pedro nos exorta a vigiarmos e resistirmos ao diabo, do contrário, cederemos às suas tentações e caíremos em pecado. O cristão pode cair em pecado, e algumas dessas quedas podem realmente ser graves, como a de Davi com Bate-Seba. O verdadeiro cristão pode cair, mas não fica prostrado: "porque sete vezes cairá o justo e se levantará" (Pv.24.16); "Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo; e ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro" (I Jo.2.1-2). Salvação é para sempre!

Eu não peguei versículos isolados da Palavra de Deus, sem dar atenção ao seu contexto. A senhora realmente leu todo o meu artigo e as passagens bíblicas mencionadas? O sentido que eu dei para os textos bíblicos foi exatamente aquele determinado pelo contexto histórico-gramatical. Releia e veja por si mesma.

Como a senhora me exorta no final, continuarei pregando a Palavra. As contendas entre irmãos podem acontecer, mas no caso deste assunto de extrema importância, que é a salvação pela graça, essas contendas servirão para edificar-nos na fé e redundarão em honra e glória ao nosso Deus e Pai. Se o assunto polêmico é um assunto fundamental na Palavra de Deus, então eu não posso deixar de falar dele, ainda que algumas pessoas não gostem: "Antes, importa obedecer a Deus do que as homens" (At.5.29).

Meu objetivo com todas essas palavras não é arrumar briga com ninguém. Eu apenas não posso abrir mão dessas verdades fundamentais da Palavra de Deus. E se alguém não concorda, estou pronto para ser contestado. Mas deixo claro desde já que só posso ser convencido pela mesma Palavra que tem sido "lâmpada para os meus pés e luz para o meu caminho" (Sl.119.105) até hoje. Do contrário, continuarei pregando essas verdades libertadoras que vêm de Deus!

Pastora, obrigado pelo comentário e que Deus continue abençoando a senhora!

Abraços,

André Aloísio
O principal dos pecadores (I Tm.1.15)

Edmlson Silva Costa disse...
22 de junho de 2008 16:27

Essa senhora (pastora) é incoerente com a ´própria Bíblia e até mesmo com a sua posição, advogando inclusive para si, um cargo inexistente no novo testamento. (pastora).Lamento que pessoas mal preparadas como esta senhora se arvoram no direito de serem luzes e diretrizes para as vidas de centenas de pessoas. .como diz um antigo ditado. um médico pode fazer mal a uma pessoa eventualmente, mas um mal educador, certamente comprometerá milhares de pessoas ao longo de sua vida...Gostei da posição firme do irmão, que foi extremamente claro e determinado em mostrar biblicamente o fervor doutrinário aliado com a concepção acurada e escrituristicas de um contumaz estudante das sagradas escrituras. Creio piamente, que atitudes como estas deveriam serem vistas mais vezes. Pois estamos vivendo momentos de dificil surgimento de mestres verdadeiros e o evangelho ficou na mão de muito prognosticadores e neo-pentecostais que interpletam as sagradas escrituras de modo leviano e sem qualquer responsabilidade teológica. Penso que esta senhora, deveria rever seus conceitos e não ficar vomitando doutrinas anti-bíblicas que associam boas obras ou qualquer outro valor. vituperando e ensino bíblico que estabele a única opção de salvação a fé, dada aos eleitos. at. 17;11..0s de Beréia eram mais nobre dos que os de tessalônicas, pois examinavam as escrituras...certo de que este texto contribue para o aperfeiçoamento dos ensinos sistemáticos das escrituras. me despeço.

André Aloísio disse...
23 de junho de 2008 19:37

Olá Fábio, graça e paz!

Quero dizer que fiquei muito decepcionado com o artigo que você publicou como um comentário aqui no blog, por algumas razões:

Primeiro, porque o artigo nem é seu. Procurei no Google e percebi que você copiou e colou o artigo inteiro do link A Perda da Salvação, da Igreja Evangélica Yohanan. Você nem mesmo se deu ao trabalho de escrever um texto em resposta ao artigo Certeza da Salvação, já que copiou algo pronto. Foi bastante injusto de sua parte, pois eu passei algumas horas escrevendo meu artigo, usando um tempo que eu poderia dedicar a outras coisas. Se é pra pegar textos prontos, eu conheço milhares que poderia te mandar, sem me dar ao trabalho de escrever.

Segundo, porque você nem mesmo colocou a fonte de onde pegou o artigo. Pareceu-me que você queria dar a impressão que o artigo era seu. Se foi essa a intenção, saiba que ninguém aqui no blog é ingênuo. Mas como você é um cristão prefiro acreditar que fez isso inocentemente.

Terceiro, porque se publicou o artigo sem colocar a fonte, provavelmente o publicou sem autorização. Se foi isso o que aconteceu, saiba que tal atitude é bastante anti-ética, e em alguns casos até crime.

Por todas essas razões, o artigo publicado como comentário foi excluído. Se você quiser continuar a discussão e comentar meu artigo, por favor, escreva um texto próprio. Se seu texto for um artigo e ficar muito grande, publique no seu próprio blog e coloque um link aqui, como um comentário. Mas não publique um artigo inteiro como comentário neste blog, pois há outros lugares mais apropriados para isso. Se for escrever, uma dica é que você comece dando uma explicação dos textos bíblicos que eu apresentei em favor da impossibilidade de um salvo perder a salvação.

Quanto ao artigo da Igreja Evangélica Yohanan, assim como você não se deu ao trabalho de escrevê-lo, eu não me darei ao trabalho de respondê-lo. Para quem se interessar, no site Monergismo, na seção Perseverança, há artigos e estudos muito bons a respeito do tema que respondem satisfatoriamente cada um dos pontos colocados pelo autor do artigo publicado por você. Recomendo especialmente os seguintes artigos:

- Objeções à Perseverança dos Verdadeiros Crentes, do Rev. Ewerton Barcelos Tokashiki;

- 80 Razões Pelas Quais o Crente Não Pode Perder a Salvação.

Além desses artigos, para ter uma visão mais global do que eu creio a respeito da salvação, leia os seguintes textos:

- Em que crê um cristão reformado?, de minha autoria;

- Cânones de Dort.

A graça seja contigo!

Abraços,

André Aloísio
O principal dos pecadores (I Tm.1.15)

João Pedro disse...
24 de junho de 2008 03:33

Graça e paz!

É cada vez mais triste perceber o quanto os líderes cristãos não têm firmeza teológica em pontos tão cruciais e claros da Palavra de Deus. Já imaginou se um neófito na fé é convencido de que pode perder sua salvação, como foi dito aqui? Vai viver uma vida legalista, retornar ao tempo da Lei, e seu conceito de Deus se limitará a um "deus" que está sujeito à vontade humana, conceito este, salientamos, que é completamente inverso ao que as Escrituras apresentam.

Parabéns pelo blog!
Deus continue abençoando!

(-V-) disse...
25 de junho de 2008 01:13

Glória a Deus!!!!!!!!!!

É difícil não ter essa reação depois de ler esse texto e o antecessor.
É incrível como o evangelho reformado e genuíno exalta a Cristo e nos humilha e o evangelho das obras hoje pregado em tantas igrejas exalta o homem.

Querido André, meu nome é Vinícius.
Tenho 22 anos e estou entrando no ramo dos blogs :P
E gostaria de pedir sua ajuda e, se você tiver tempo, que lesse meu blog, também. Que possamos crescer juntos em Cristo.

Mas só uma coisa... creio que eu você e Paulo teremos que ter uma pequena competição para ver quem é o principal dos pecadores hehehe...

glória ao nosso Cristo!!

No amor e na paz que nos une,
Vini

André Aloísio disse...
25 de junho de 2008 23:59

Olá Vinícius, graça e paz!

Obrigado pelo comentário. De fato, o evangelho é o "poder de Deus para salvação de todo aquele que crê" (Rm.1.16)! Ele exalta a Deus e humilha o homem.

Eu visitei seu blog e achei interessante. Vou colocar um link para ele aqui no Teologia e Vida. Também te adicionei no MSN, para que possamos nos conhecer melhor.

Quem é o principal dos pecadores, só Deus sabe, rsrs. Mas todo verdadeiro cristão se considera o principal, razão pela qual Paulo, você e eu nos vemos assim.

Nele, que veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal.

Abraços,

André Aloísio

ricardo ferran disse...
3 de julho de 2008 12:58

andre, graca e paz!!!
te enviei um e-mail a pouco tempo mais vc nao respondeu as minhas duvidas entao estou aqui para re perguntar( se e que existe essa palavra), a duvida e ??
alguns versiculos estao condicionados (gostaria de saber se estes versiculos falam realmente da perda da salvacao).
Se alguem nao permanecer em mim
jo15:6.
Se e que permaneceis fiel....Cl 1:23.
Hb 2:3,Hb 3;14 etc.... vc poderia tirar essa duvida.
abracos,
O principal dos pecadores (I Tm.1.15)
ricardo ferran!!!!!!!!

André Aloísio disse...
9 de julho de 2008 16:50

Olá irmão Ricardo Ferran, graça e paz!

Eu te enviei um e-mail com o comentário de algumas das passagens enviadas por você. Não consegui comentar todas ainda, e assim que terminar te envio outro e-mail.

Publiquei o seu e-mail e meu e-mail de resposta na postagem Passagens Distorcidas em Favor da Perda da Salvação (Parte 1), para que outros irmãos possam ter suas dúvidas resolvidas.

Que Deus te abençoe!

Abraços,

André Aloísio
O principal dos pecadores (I Tm.1.15)

Daniel Ramos da Silva disse...
24 de julho de 2008 20:01

Caro irmão André, após ler seu post senti - me renovado e humilhado em ver quão pobre sou!
Mas isso gratificou - me intensamente pois buscava saber mais sobre este assunto e aindad quero conheçer mais sobre, alias quero viver isto, meu irmão esse texto foi como um refrigério a minha alma!
Que Deus te abençoe ricamente com bençãos mil, as quais nãos posso imaginar!
Se possivel gostaria de ter seu email ou msn para aprender mais sobre as Escrituras pois sou novo na fé e quero aprender mais, reconheço a obra tremenda de Cristo Jesus em sua vida que a Luz dEle reine sempre em Ti e em sua vida.
Desde já amo - te em Cristo Jesus nosso Senhor e Salvador!
Daniel Ramos da Silva!
Deus abençoe!
Add me no orkut!
Meu user é:
Daniel 2 Timóteo 2.22

André Aloísio disse...
24 de julho de 2008 22:43

Olá meu querido irmão Daniel, graça e paz!

É bastante gratificante para mim saber que meu artigo foi de tão grande proveito para você. São comentários como o seu que me animam a continuar essa obra que Deus colocou em minhas mãos.

Meu artigo foi um refrigério a sua alma porque conhecer a graça de Deus é uma experiência libertadora! É impossível não viver uma vida de gratidão e adoração após conhecer essa graça imerecida que Deus demonstrou para conosco, pobres pecadores! Tudo o que somos, tudo o que temos e tudo o que podemos devemos a Ele!

Já te adicionei no Orkut e no MSN. Meu e-mail pessoal é tecmou@gmail.com . Vamos nos conhecer melhor e aprendermos juntos a respeito de Deus.

Também te amo em Cristo e desejo que Deus continue te abençoando!

Um forte abraço,

André Aloísio
O principal dos pecadores (I Tm.1.15)

Renan Guitar disse...
28 de julho de 2008 23:34

Glória a Deus pela sua vida Davi!
Que Deus te dê cada dia mais inspiração em direção ao chamado que Ele tem na sua vida!
Abraço meu querido!

heleni menezes disse...
19 de agosto de 2008 16:51

heleni. disse:]
foi muito recompensador ler este artigo sobre a salvação.Na verdade esse também é a minha visão em relação a salvação a certeza de te-la. ESSE assunto é o que vamos estudar em nossa igreja as terças feiras. a Paz do SENHOR.
pastora heleni da igreja evangélica ministério aviva-te.

tina disse...
24 de abril de 2012 18:55

Parabéns pelo artigo (não deu pra olhar todo blog).Há 3 anos rendi-me a doutrina da eleição...totalmente bíblica e consequentemente verdadeira. Após ler esse artigo e ter conhecimento que o irmão é da quadrangular, fui despertada pra conhecer de verdade esse grupo, devo confessar que tenho uma ideia nada boa dessa igreja, mas tendo como base, apenas o aspecto cultual. Lendo seu artigo, e percebendo tanta seriedade e fidelidade pelas Escrituras Sagradas quero saber o que lhe prende na quadrangular. A doutrina da eleição é tão clara que hoje me pergunto como não entendi isso antes. Abç

André Aloísio disse...
25 de abril de 2012 14:06

Tina,

Eu não estou mais na Igreja do Evangelho Quadrangular, mas na Igreja Presbiteriana do Brasil. Deixei a Quadrangular em 2009. A visão ruim que você tem da Quadrangular está correta e o fato de eu ter permanecido algum tempo nessa denominação como reformado não foi por ser uma boa denominação, mas porque eu tinha a intenção de reformá-la.

Que Deus te abençoe!

Abraços,

André Aloísio
O principal dos pecadores (1Tm 1.15)

Natanael dos Santos disse...
13 de julho de 2016 21:30

A paz do Senhor,

Descobri esse blog, hoje. Quando estava procurando textos sobre a certeza de salvação, afim de passar para um novo na fé, o qual, pela misericórdia de Deus, dou aula.
Quero parabenizar pelo texto. Quando descobri que salvação é para sempre, que é algo cujo inicio, meio e fim está sob controle de Deus, me senti seguro.
Glória a Deus para todo o sempre.

Manuel disse...
26 de maio de 2017 18:32

Manuel
Olá André Graça e Paz! Sou o Manuel e sou de Luanda-Angola. Verdadeiramente gostei do assunto postado. E gostaria também que esclarecesses um pouco aquele parte de que, os que não são verdadeiramente salvos. Quando é que a pessoa é verdadeiramente salva e quando é que não? Estou apenas querendo crescer em Cristo. Obrigado.

 

Teologia e Vida © Revolution Two Church theme by Brian Gardner
Converted into Blogger Template by Bloganol and modified by Filipe Melo