quarta-feira, 21 de maio de 2008

A Oração de Nosso Senhor

Comente Aqui


Este artigo foi escrito por André Aloísio em junho de 2003, para o Jornal O Caminho, um jornal evangelístico e discipulador, idealizado por André Aloísio e publicado de outubro de 2002 à novembro de 2003.

"Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu reino, faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu; o pão nosso de cada dia dá-nos hoje; e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores; e não nos deixe cair em tentação; mas livra-nos do mal [pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre. Amém]"
(Mateus 6:9-13).

A oração é uma conversa que travamos com Deus. Deus nos fala por meio da Palavra (Bíblia) e nós falamos com Ele por meio da oração. A oração é tão essencial para o cristão quanto a respiração é para os seres vivos. Entre os vários ensinamentos proferidos por Jesus no Sermão da Montanha, está a Oração Dominical, ou Pai-Nosso. Baseado nessa oração irei retirar várias verdades sobre como devemos orar ao Pai, o que será de grande proveito para todos nós.

Antes de ensinar a Oração Dominical, Jesus falou sobre algumas formas erradas de oração: "E, quando orardes, não sereis como os hipócritas; porque gostam de orar em pé nas sinagogas e nos cantos das praças, para serem vistos dos homens. Em verdade vos digo que eles já receberam a recompensa. Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará" (vers. 5,6). Nossa oração não deve ser feita com o fim de aparecermos e nos mostrarmos às pessoas, para sermos elogiados ou algo assim, mas deve ser feita em secreto. Deus é Quem precisa ouvir nossa oração e não outros. "E, orando, não useis de vãs repetições como os gentios, porque presumem que pelo seu muito falar serão ouvidos. Não vos assemelheis, pois, a eles; porque Deus, o vosso Pai, sabe o de que tendes necessidade, antes que lho peçais" (Vers. 7,8). Também não devemos em oração ficar repetindo sempre a mesma coisa, achando que assim Deus nos ouvirá. A oração não é uma reza, uma coisa mecânica, repetitiva, mas é a expressão daquilo que está no nosso coração, por meio das nossas próprias palavras.

Jesus ensinou a Oração Dominical não para que ficássemos repetindo sempre as mesmas palavras que Ele, mas para que tivéssemos um exemplo de como devemos orar. A Oração Dominical é uma oração modelo, para que nós próprios façamos as nossas orações. Repetir o Pai Nosso dezenas de vezes não causa efeito nenhum. Agora, vamos partir para os ensinamentos dessa oração:

"Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome". Toda oração deve começar com louvores a Deus pelo que Ele é. Devemos iniciar a oração engrandecendo o nome de Deus.

"venha o teu reino, faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu". Em nossas orações, devemos convidar a vontade de Deus para operar na terra. Deus espera que peçamos para que realize a Sua vontade.

"o pão nosso de cada dia dá-nos hoje". Deus se importa com cada detalhe de nossa vida, por mais pequeno que seja. Devemos pedir por cada detalhe diário, pois Ele ouve e realiza aquilo que pedimos.

"e perdoa-nos as nossas dívidas". Não devemos nos aproximar de Deus sem levar em conta nossa natureza pecaminosa e a necessidade de santidade. Devemos pedir perdão pelos pecados cometidos contra Deus e assim aproximarmos Dele, certos de que Ele nos perdoa: "Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça" (I João 1:9).

"assim como nós temos perdoado aos nossos devedores". Não podemos esperar que recebamos o perdão de Deus se não perdoarmos aos nossos semelhantes. Para sermos perdoados, devemos perdoar aqueles que estão nos devendo.

"e não nos deixe cair em tentação; mas livra-nos do mal". Devemos pedir para que Deus não permita que sejamos tentados além das nossas forças. Deus não é o autor da tentação (Tiago 1:13), mas é o nosso protetor nela.

"pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre. Amém". Toda oração é encerrada colocando tudo nas mãos de Deus. Devemos reconhecer que, apesar de tudo o que pedimos, a vontade de Deus é a que prevalece sobre todas as coisas.

Encerrando, Jesus não quis que todas as nossas orações seguissem rigorosamente esse modelo, mas que, por essa oração, tivéssemos um exemplo de como devemos nos portar na presença de Deus. Que suas orações, de agora em diante, estejam de acordo com o que Jesus ensinou. Que Deus te abençoe!

Comentários

Nenhum comentário em "A Oração de Nosso Senhor"

 

Teologia e Vida © Revolution Two Church theme by Brian Gardner
Converted into Blogger Template by Bloganol and modified by Filipe Melo