sexta-feira, 24 de março de 2006

Transferência de Responsabilidades

2 comentários

"E chamou o SENHOR Deus ao homem e lhe perguntou: Onde estás? Ele respondeu: Ouvi a tua voz no jardim, e, porque estava nu, tive medo, e me escondi. Perguntou-lhe Deus: Quem te fez saber que estavas nu? Comeste da árvore de que te ordenei que não comesses? Então, disse o homem: A mulher que me deste por esposa, ela me deu da árvore, e eu comi. Disse o SENHOR Deus à mulher: Que é isso que fizeste? Respondeu a mulher: A serpente me enganou, e eu comi."
(Gênesis 3:9-13 ARA)

Algo muito comum no ser humano é a tentativa de se ver livre da responsabilidade pelo seu pecado. Fazendo assim tem-se a falsa ilusão de que o pecado não será punido. Nada mais longe da verdade! A transferência da responsabilidade pelo pecado, muito longe de livrar-nos de sua condenação, aumenta ainda mais a nossa dívida. Porém, mesmo diante desse fato, não só o mundo, mas a própria igreja de Cristo tem caído no grave erro de culpar a outros por aquilo que ela mesma tem praticado. Vejamos isso com nossos próprios olhos, analisando o que a Palavra de Deus tem a dizer sobre o assunto.

Na passagem introdutória podemos ver Adão e Eva tentando fugir da responsabilidade pelo seu pecado. Nessa vã tentativa três classes de pessoas são apontadas como culpadas no lugar do verdadeiro criminoso: Deus, o próximo e o diabo. Como bem disse Salomão, "nada há novo debaixo do sol" (Ec. 1:9), e em nossos dias a coisa não é diferente: adoram botar a culpa nessas mesmas três classes de pessoas.

Veja no versículo 12 como Adão lança a culpa do seu pecado sobre Deus: "A mulher que me deste...". Não foi simplesmente a mulher que o fez pecar, foi a mulher que Deus lhe deu. Os irmãos percebem como Adão culpa o próprio Deus? Como se não bastasse ter pecado contra a santa lei de Deus, o primeiro homem tenta ainda responsabilizar o Justo por isso!

Quantas pessoas não fazem o mesmo hoje em dia? Muitos questionam a existência de Deus por causa da maldade do coração humano, como se Ele fosse o responsável. Ao verem o mundo envolto em pecado e miséria afirmam não ser possível existir um Deus amoroso. Querem lançar a culpa pelos seus pecados sobre o Senhor. Tiago trata disso em sua epístola: "Ninguém, ao ser tentado, diga: Sou tentado por Deus; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e ele mesmo a ninguém tenta. Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte" (Tg. 1:13-15 ARA). Deus não é o responsável pelo pecado. Ele não tenta a ninguém. A tentação e o pecado seguido dela tem origem no próprio coração corrupto do homem (Mt. 15:19).

Ainda no versículo 12 Adão responsabiliza outra pessoa pelo seu pecado: "A mulher... ela me deu da árvore...". Agora o homem culpa o seu próximo. Sua própria esposa é apresentada como a responsável pelo seu pecado!

Quero chamar a atenção dos irmãos para o fato de que esse tipo de acusação é muito comum em nossos dias. Se sou um filho rebelde é porque meus pais não souberam me educar direito. Se me tornei um criminoso a culpa é da sociedade ou do governo. Em nossas igrejas acusações similares se tornaram freqüentes com a vinda da doutrina da maldição hereditária. Se meu casamento não deu certo, não preciso mais me preocupar em corrigir algo em minha vida. Basta "quebrar" alguma maldição familiar, que teve origem com o pecado de algum antepassado, e tudo está resolvido.

Nos dias de Ezequiel um pensamento semelhante estava sendo divulgado: "Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos é que se embotaram." (Ez. 18:2 ARA). Um provérbio que tentava retirar da geração de Israel daquele tempo a responsabilidade pelos seus pecados, lançando-a sobre seus antepassados. Porém, o próprio Deus mostra o erro dessa falsa doutrina: "A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniqüidade do pai, nem o pai, a iniqüidade do filho; a justiça do justo ficará sobre ele, e a perversidade do perverso cairá sobre este." (Ez. 18:20 ARA). Cada um é responsável pelo seu próprio pecado. A responsabilidade pelo pecado é individual.

Na continuação da passagem de Gênesis, no versículo 13, Deus então questiona Eva sobre seu pecado. Ela responde: "A serpente me enganou...". Mais uma vez a transferência de responsabilidades, agora tendo como acusado o diabo.

Talvez esse tipo de acusação seja a realidade mais viva no mundo atual. Ultimamente tem-se "demonizado" tudo. Falsos cristãos tem tentado achar um tipo de demônio para cada tipo de pecado: temos o "espírito da gula", "espírito da fofoca", "espírito da preguiça" e a lista infindável continua. Em muitos cultos vemos pessoas amarrando todo tipo de demônio. Deveriam, antes, amarrarem a si próprias! Muitos pastores deveriam perder menos tempo mostrando os pecados do diabo e concentrarem-se em mostrar os pecados do ser humano.

Conhecemos a história de pessoas que cometeram terríveis assassinatos e, tentando livrar-se da responsabilidade, disseram-se possuídas por espíritos malignos no momento do crime. Ainda que isso seja verdade, não isenta-os do pecado cometido. É muito cômodo lançar sobre Satanás a culpa pelo pecado que nós próprios praticamos.

Na conclusão da história de Gênesis cada pecador recebe o devido castigo pelo seu próprio pecado: a serpente por ter enganado Eva (3:14-15), a mulher por comer do fruto proibido e levar seu marido a fazer o mesmo (3:16) e o homem por ter dado ouvidos à voz da mulher e comido do fruto (3:17-19). Isso nos mostra a grande verdade que toda a Bíblia se esforça por mostrar: cada indivíduo é responsável pelo pecado que comete. A responsabilidade pelo pecado é individual e sua punição também.

Diante deste fato quero convidar os que me lêem para analisarem suas próprias vidas e reconhecerem o estado de miséria e pecado no qual se encontram. Reconheça seu pecado! Não tente transferi-lo à outro. O reconhecimento do próprio pecado é o primeiro passo para o arrependimento. E se você ainda não buscou refúgio na cruz de Cristo, saiba que a todos aqueles que, reconhecendo seu próprio pecado, se voltam para Deus com arrependimento e fé, Ele os perdoará de todos os pecados e os cobrirá com Seu manto de justiça!

Notas:
ARA: Almeida Revista e Atualizada

quinta-feira, 16 de março de 2006

Vivendo para a Glória de Deus

7 comentários

"Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus" (I Co.10:31 ARA).

Atualmente tem sido dito que viver bem significa buscar o máximo de satisfação própria em todas as áreas da vida, ainda que essa satisfação seja alcançada quebrando-se toda espécie de moral ou amor ao próximo. A verdade é que o "amor" que domina o mundo hoje é o amor a si próprio. As pessoas tornaram-se egoístas e vivem para si mesmas.

Porém, muito ao contrário do que a sociedade atual tem praticado, a Bíblia ensina que o homem foi criado por Deus, não para que vivesse buscando seu próprio prazer, mas o prazer daquele que o criou. O homem foi feito para "glorificar a Deus e gozá-lo para sempre", como diz o Breve Catecismo de Westminster. A vida só passa a ter pleno significado quando nos damos conta desta gloriosa verdade.

Paulo, escrevendo aos cristãos de Corinto, exorta-os a que façam "tudo para a glória de Deus". Paulo não limita aquilo que podemos fazer para glorificar a Deus apenas a práticas ligadas ao Cristianismo ou que fazemos dentro do templo. Paulo nem mesmo menciona nessa passagem algum ato religioso, por assim dizer. Fala apenas de necessidades básicas do ser humano, como comer e beber. Mas depois é bastante amplo a ponto de dizer que TUDO o que fizermos deve glorificar a Deus.

Infelizmente, muitos cristãos evangélicos têm uma mentalidade um tanto quanto católica. Gostam de dividir suas vidas entre aquilo que é "sacro" e "profano", "religioso" e "secular". Esquecem-se que a Bíblia não faz esse tipo de divisão. Deus não está preocupado apenas com nossa vida dentro da igreja. Ele não quer ser adorado apenas com os ministérios que nos confiou. Muito pelo contrário, toda a nossa vida – trabalho, lazer, hobbies – deve ser uma constante adoração a nosso Deus e Pai.

O que Paulo está dizendo é o seguinte: esteja você na igreja ou no shopping, orando ou se divertindo com os amigos, faça tudo isso para a glória de Deus. Essa verdade deve nos levar a buscar a glória de Deus, e não a nossa própria, em tudo aquilo que fizermos. Deve nos levar a sermos bons filhos, bons pais, bons maridos, boas esposas, bons funcionários, bons cidadãos e bons cristãos. Não basta ser "cristão" dentro da igreja e em casa ser um "demônio". Deus está interessado na totalidade de nossa vida, não em partes dela.

Que possamos aplicar isso em nossas vidas, abandonando todo amor egocêntrico, vivendo para a glória de Deus. Soli Deo Gloria!

Propósito do blog Teologia e Vida

3 comentários

Por Teologia e Vida pretendo mostrar a dupla necessidade que temos como cristãos: buscar uma correta compreensão das doutrinas da Palavra de Deus (Teologia) e ao mesmo tempo aplicá-las em nossas vidas (Vida). Muitos falham nesse aspecto; alguns assimilando a doutrina apenas com a mente, não a colocando em prática, tornando-se meros intelectuais e teóricos; outros, negligenciando a doutrina, tentando ser cristãos práticos, não são nada mais que pessoas ignorantes da Palavra.

Portanto, meu propósito com a criação deste blog é divulgar a Palavra de Deus de forma bastante profunda e ao mesmo tempo prática, levando-nos a conhecer as profundezas de Deus com a mente e com o coração. Pretendo fazer isso de forma bastante variada, com artigos, meditações, reflexões, estudos bíblicos, textos teológicos, temas polêmicos, etc.

Meu desejo é que todos aqueles que acessarem este blog sejam grandemente abençoados e edificados, e que juntos possamos crescer na graça e no conhecimento do Senhor Jesus Cristo!
 

Teologia e Vida © Revolution Two Church theme by Brian Gardner
Converted into Blogger Template by Bloganol and modified by Filipe Melo