sábado, 30 de dezembro de 2006

Alguns Conselhos Importantes

Comente Aqui

Esta carta foi escrita por André Aloísio a um amigo no dia 11/12/2006

Depois de todas as conversas que já tivemos sobre determinados assuntos bíblico-teológicos e da própria convivência que temos como irmãos em Cristo, achei por bem te escrever para te dar alguns conselhos que julgo importantes. Peço que não repare na linguagem informal que utilizei e na falta de estruturação do texto. Na verdade, escrevi esse texto com um pouco de pressa, sem me preocupar tanto com beleza de estilo.

Antes de mais nada, quero dizer que me alegro muito por ver em você um desejo muito grande de aprender mais sobre a Palavra de Deus. Não sei ainda que ministério o Senhor tem reservado para você no futuro, mas não duvido em nada que Ele ainda pode te fazer um ministro do evangelho, usado como instrumento de avivamento e conversão de almas. Tenho visto que Deus tem levantado muitos jovens em nossa geração que buscam conhecê-lo e adorá-lo segundo a verdade das Escrituras. Jovens inconformados com a atual situação da igreja e desejosos de uma reforma, tanto em sua doutrina quanto em sua vida. E me alegro por saber que você está entre esses jovens, juntamente comigo.

Independentemente de como o Senhor te usará no futuro, quero compartilhar com você alguns conselhos que tenho seguido em minha própria vida. Escrevendo ao jovem Timóteo, Paulo lhe exortou: “Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade” (II Tm.2:15). Eu tomei essa exortação para mim próprio como um estilo de vida que tenho buscado viver, desde quando me converti ao Senhor. Com base nela quero te aconselhar com respeito a algumas coisas.

Em primeiro lugar, nunca desanime de ler e estudar a Bíblia diariamente. E procure lê-la por completo a cada ano, todos os anos de sua vida. Se possível, faça um voto com relação a isso. Lembre-se que o homem bem-aventurado é aquele que “tem o seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite” (Sl.1:2). Se quisermos ser obreiros aprovados precisamos ser profundos conhecedores da Lei do Senhor, meditando nela a todo o momento, dia e noite. Nunca coloque em seu coração que você não tem tempo para isso, pois é muito ocupado. Nós às vezes tentamos nos desculpar, porém, se fizermos um bom uso de nosso tempo, sempre o teremos para dedicar ao estudo diligente da Palavra.

Quando for ler ou estudar as Escrituras, faça com humildade, espírito de oração e na total dependência do Espírito Santo. Somente o autor das Sagradas Letras pode nos mostrar seu real significado. Porém, nunca despreze o estudo, achando que ele é desnecessário. Lembremo-nos que a Bíblia é um livro divino e humano ao mesmo tempo. Ela foi escrita por seres humanos, ainda que inspirados pelo Espírito. Precisamos analisar as passagens dentro de seu contexto histórico-gramatical, comparando-as com outras passagens das Escrituras, conferindo coisas espirituais com espirituais, deixando que a Bíblia interprete a si mesma.

Ao ler as Escrituras, nunca duvide ou rejeite algum ensinamento porque ele contraria o seu ego ou não te agrada. Existem muitas pessoas que só aceitam os ensinos bíblicos que lhe agradam. Gostam de falar do amor e da misericórdia de Deus, mas se calam quanto a Sua ira. Falam sobre as bênçãos que Deus tem para aqueles que se chegam a Cristo, mas vacilam ao pregar sobre o juízo vindouro e o inferno. E por que não falar também daqueles que insistem que o poder para determinar o próprio destino está nas mãos do homem, quando a Bíblia deixa bem claro que nosso destino está nas poderosas mãos de Deus, que faz conosco aquilo que bem entende? São pessoas que preferem ficar apegadas a conceitos filosóficos como o livre-arbítrio, do que a doutrinas vindas do céu como a soberania de Deus. Que você não seja como eles, mas que esteja apegado às verdades da Palavra, custe o que custar.

Nunca se esqueça que a Bíblia possui apenas um único sentido verdadeiro. Muitos defendem a possibilidade de uma mesma passagem possuir diversas interpretações. Esse é um erro terrível que a igreja católica cometeu no passado e muitos evangélicos têm repetido no presente. Ora, se algo é verdade, o oposto daquilo é mentira. Não há na Palavra lugar para meias verdades, nem para duplos sentidos. Uma vez que algo tenha se provado como verdadeiro, o oposto daquilo é mentiroso, e vice-versa. O verdadeiro sentido de uma certa passagem é sempre o sentido pretendido pelo escritor original, e não aquele que nós queríamos que fosse, movidos pelo erro.

Em segundo lugar, estude Teologia e livros que ajudem na compreensão da Palavra. Existem pessoas que acham isso desnecessário e, algumas, até acham perigoso. Dizem que devemos entender a Bíblia por conta própria, sem apelar para a opinião de outras pessoas. Concordo que é realmente muito bom que busquemos entender determinado texto das Escrituras por conta própria, pois aprendemos a colocar a mão na massa. Porém, não podemos chegar ao extremo do orgulho e achar que podemos compreender toda a Palavra de Deus sem a ajuda de irmãos mais capacitados, jogando no lixo mais de 2000 anos de conhecimento teológico que a igreja adquiriu. Isso é individualismo e egoísmo, características de todos os fundadores de seitas.

A Teologia é apenas uma sistematização das doutrinas bíblicas, ajudando na compreensão geral das Escrituras. Todo cristão que almeja ensinar na igreja seja como pastor, seja como professor, deve dar especial atenção a ela. Um dos maiores pregadores da história da igreja, Charles Spurgeon, disse certa vez: “Para serem pregadores eficazes devem ser teólogos autênticos”. Por negligenciar isso, muitos pregadores modernos estão pregando outro evangelho, que não é o evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo. Talvez por preguiça ou por alegarem falta de tempo não se preocupam com o estudo teológico, tornando-se superficiais na apresentação da Palavra e ineficazes na pregação do evangelho.

Infelizmente, atualmente existem muitas “teologias”, muitas delas anti-bíblicas. A Teologia da Prosperidade é um exemplo. Por isso, te recomendo estudar a Teologia Reformada, que é a Teologia original dos evangélicos, por ser totalmente fundamentada nas Escrituras, como você irá comprovar por si mesmo.

Em terceiro lugar, seja um homem de oração. Não tenho receio de afirmar que o que realmente faz a diferença num pregador do evangelho é o tempo que dedica para estar diante da presença de Deus. Confesso que tenho sido falho nesse aspecto, pois não dedico mais do que meia hora por dia em oração. Para minha vergonha, Lutero disse certa vez que não conseguia passar menos que quatro horas por dia em oração, e veja como Deus o usou de forma tremenda. Claro, nós não temos tanto tempo disponível assim, mas não deveríamos nos contentar com o pouco tempo que temos passado aos pés do Salvador.

Precisamos ter um desejo ardente pela presença de Deus, como se fôssemos morrer se estivéssemos sem ela por um segundo que fosse. Devemos encarar a oração com a mesma seriedade com que encaramos nossa respiração. Veja quanto tempo consegue passar sem respirar, então saberá quanto tempo pode passar sem orar, pois a oração é a respiração do cristão. Precisamos aprender a clamar como o salmista: “Como suspira a corça pelas correntes das águas, assim, por ti, ó Deus, suspira a minha alma. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando irei e me verei perante a face de Deus?” (Sl.42:1-2).

Além disso, precisamos também conhecer o poder da oração. Temo que muitas vezes não estamos dando a devida consideração a isso. “A oração do justo pode muito em seus efeitos” (Tg.5:16), diz Tiago. Se passarmos a entender que Deus é soberano sobre todo o universo e que Ele nos ouve quando oramos segundo a Sua vontade (I Jo.5:14-15), então o segredo do poder estará em nossas mãos, e nada nos será impossível. Eu pergunto: que criatura pode frustrar os planos do Senhor de toda a terra? Ora, se isso é impossível, não é certo que quando oramos segundo Sua vontade certamente aquilo que pedimos Ele fará? Foi o que Jesus mesmo nos prometeu: “E tudo quanto pedirdes em meu nome, isso farei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho” (Jo.14:13). Que possamos crer no poder da oração, pois ela é um meio escolhido por Deus para cumprir os Seus propósitos infalíveis.

Em quarto lugar, seja um homem santo. Não há como exagerar a santidade num cristão. Sabemos que não nos é possível alcançar uma santidade plena nesta vida (I Jo.1:8-10), porém devemos buscá-la com tanto zelo como se ela estivesse ao nosso alcance (Mt.5:48). Muito longe de nos desanimar no processo de santificação, o fato de que nunca estaremos totalmente livres do poder do pecado neste mundo deve nos incentivar a buscar com mais diligência ainda a santidade em nossas vidas. O cristão nunca estará tão santo que não possa se santificar mais. Olhe sempre para Jesus como o padrão de santidade que deve ser buscado e então você nunca poderá olhar para si mesmo sem reconhecer a grandeza dos seus pecados e a necessidade de mais santidade.

Lembre-se que a santificação, ao contrário da regeneração, é uma obra conjunta do homem e Deus. Paulo exorta: “Assim, pois, amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha presença, porém, muito mais agora, na minha ausência, desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade..” (Fp.2:12,13). Ele primeiro mostra a necessidade de desenvolvermos nossa salvação (ou seja, santificar-nos) e logo em seguida já nos mostra que tanto o ato de santificar-se quanto a vontade para fazê-lo são operados em nós pelo próprio Deus. Isso deve evitar dois extremos: o primeiro, achar que como é Deus quem nos santifica, não devemos contribuir em nada nesse processo, nem tomar uma atitude contra o pecado; o segundo, achar que como a santificação é uma responsabilidade humana, temos que alcançá-la com nosso próprio esforço e empenho. Mantenha o equilíbrio, como Paulo na passagem acima, e não tente separar essas duas verdades com respeito à santificação.

Evite o pecado onde quer que se apresente; olhe para o Senhor e você estará voltando as costas ao pecado. Evite também a aparência do mal. Conheço muitos irmãos imprudentes que adoram fazer aquelas coisas que são lícitas, mas que não convém. Vivem sua vida cristã andando à beira do abismo. Não seja como eles. Rejeite não só o pecado, mas também tudo aquilo que pode te levar a ele. Evite lugares, pessoas e coisas que podem se tornar em tentação e te fazer pecar. Seja tão santo que as pessoas, ao olharem para você, possam ver a beleza da santidade estampada na sua face, como aconteceu com o mártir Estevão (At.6:15).

Em último lugar, não desista de buscar o avivamento com todo o teu ser. Como tenho dito e insistido sempre, a situação da igreja moderna é crítica ao extremo. As heresias já não estão mais fora da igreja, mas dentro dos seus arraiais, trazidas por liberais e neopentecostais. A situação é tal que penso ser muito provável estarmos vivenciando o que foi profetizado por Paulo: “Ora, o Espírito afirma expressamente que nos últimos tempos alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios, pela hipocrisia dos que falam mentiras, e que têm cauterizada a própria consciência.” (I Tm.4:1-2).

Porém, isso não deve nos desanimar de clamar a Deus com todo o nosso ser por um avivamento na igreja; na verdade, deve nos motivar. Alguns dizem que não devemos fazer isso, pois estamos vivendo os últimos dias e é inevitável que a apostasia aconteça. Mas eu não penso assim. A igreja enfrentou grandes períodos de apostasia no passado, e Deus, no tempo determinado, derramou abundantemente do Espírito, trazendo vida onde só havia morte, em resposta à oração de homens inconformados com este século. Por que Ele não faria o mesmo hoje? Sem dúvida nenhuma o avivamento não pode ser produzido por homem nenhum, nem é iniciado por uma iniciativa humana; ele depende totalmente da soberania de Deus, pois “o Espírito sopra onde quer” (Jo.3:8). Mas assim como em outras áreas existe uma responsabilidade humana, nós temos aqui também a responsabilidade de buscar essa renovação e reforma com todo o nosso coração.

Busque esse avivamento orando especificamente sobre isso, rejeitando toda nova doutrina e ensinando a verdade em amor. Apegue-se à Palavra Fiel e dela jamais se afaste. Que sua consciência esteja cativa às Escrituras e que nada, senão as próprias Escrituras, venha te fazer mudar de opinião. Seja cheio do Espírito Santo e de sabedoria. Busque o discernimento e julgue todas as coisas, retendo o que é bom. Cultive um amor pelas almas dos homens e pregue o evangelho em tempo e fora de tempo. Deus, no tempo determinado por Ele mesmo, irá tirar Sua Igreja da humilhante e vergonhosa situação na qual se encontra, usando vasos como você, eu e todos quantos amam a verdade.

Peço que medite e guarde todos esses conselhos em seu coração. Independente de quais ministérios o Senhor tem reservado para você, creio que esses conselhos te serão muito úteis. Meu desejo e oração é que Deus possa continuar te abençoando em todas as áreas de sua vida, e que você possa crescer a cada dia na graça e no conhecimento do Senhor Jesus Cristo, vivendo uma vida para a glória de Deus!

Comentários

Nenhum comentário em "Alguns Conselhos Importantes"

 

Teologia e Vida © Revolution Two Church theme by Brian Gardner
Converted into Blogger Template by Bloganol and modified by Filipe Melo