sexta-feira, 20 de outubro de 2006

Em que crê um cristão reformado?

64 comentários

Muitos irmãos em Cristo devem ter percebido que me identifico sempre como um "cristão reformado", apesar de, logicamente, ser um evangélico. Talvez alguns já indagaram a si próprios sobre o que significa essa expressão, porém nunca tiveram coragem de perguntar. Escrevo este artigo com o objetivo de satisfazer a curiosidade de todos aqueles que ficam com um nó na cabeça sempre que ouvem ou lêem essa expressão de minha parte.

Um cristão reformado é alguém que crê na doutrina bíblica conforme expressa pela Teologia Reformada, elaborada no tempo da Reforma Protestante. Como já foi dito anteriormente, a Reforma foi o maior avivamento da história da igreja, tendo como marco inicial a publicação das 95 Teses contra a venda de indulgências, por Martinho Lutero, em 31 de outubro de 1517. Depois de Lutero surgiram muitos outros reformadores, entre eles João Calvino. Enquanto Lutero foi o responsável pela recuperação da doutrina da justificação pela fé, Calvino recuperou a doutrina da soberania de Deus. E foi sobre essas doutrinas que se construiu a chamada Teologia Reformada, que nada mais é do que uma sistematização da doutrina bíblica.

Para que a Teologia Reformada fique mais clara a todos, gostaria de fazer uma breve confissão de fé sobre o que creio como cristão reformado. Não tenho a pretensão de ser exaustivo nesta confissão, pois para isso já existem as confissões de fé históricas. Desejo apenas apresentar a fé reformada de forma resumida para aqueles que ainda não a conhecem.

Em primeiro lugar, creio como reformado que a Bíblia deve ser interpretada seguindo o modelo histórico-gramatical. Isto significa que, por ser um livro inspirado pelo Espírito Santo (II Tm.3.16), a Bíblia deve ser interpretada em espírito de oração e na total dependência do Espírito, que ilumina nossa mente para que possamos compreender seu verdadeiro significado (I Co.2.10-16). Porém, como a Bíblia também é um livro humano, no sentido de que foi escrita por seres humanos usados por Deus (II Pe.1.21), devemos interpretá-la usando regras de interpretação, a que damos o nome de Hermenêutica Bíblica. Essa interpretação é histórico-gramatical porque deve levar em consideração o contexto histórico em que a passagem analisada foi escrita (autor, destinarários, etc) e também o contexto gramatical no qual está inserida (tipo de literatura, versículos anteriores e posteriores, etc).

Neste ponto discordo dos neo-pentecostais, que muitas vezes interpretam a Bíblia alegoricamente, atribuindo um significado simbólico ou espiritual diferente do significado pretendido pelo escritor original do texto. Também discordo dos dispensacionalistas que, sob o pretexto de interpretarem a Bíblia literalmente, acabam pegando as passagens em seu sentido literal mesmo em escritos poéticos e proféticos, cheios de símbolos e figuras, chegando a interpretações precipitadas sobre o texto bíblico.

Em segundo lugar, creio como reformado na justificação pela fé. A justificação é um ato legal, no qual Deus declara que o pecador é justo (Rm.3.22-26; 4.5), não por alguma obediência ou boa obra dele próprio (Ef.2.8), nem por algo operado nele pelo próprio Deus, mas somente por causa da obediência perfeita de Cristo à lei (Rm.5.18-19). Essa justificação é composta de dois processos: o negativo, que consiste no perdão de pecados (Rm.4.6-8), e o positivo, que consiste na imputação da justiça de Cristo (II Co.5.21). O pecador é justificado somente pela fé (Rm.3.28).

Neste ponto discordo de diversas visões sobre a justificação pela fé. Discordo dos católicos, que crêem que a justificação é uma mudança moral do pecador, uma infusão de justiça (e não imputação), confundindo justificação com santificação, e fazendo, assim, com que ela dependa não apenas da fé, mas também das boas obras (Rm.4.1-5). Discordo de muitos dispensacionalistas, que freqüentemente negam que a justificação consista também da imputação da justiça de Cristo, fazendo ela consistir apenas em perdão de pecados, e considerando a fé como sendo, ela própria, a justiça que vem de Deus. Discordo também daqueles que ensinam que no Antigo Testamento a justificação era pela obediência à lei, pois as Escrituras são muito claras em afirmar que o homem nunca foi justificado pela lei (Rm.3.20), e a fé sempre foi a condição para justificação, mesmo no Antigo Testamento (Rm.4.3).

Em terceiro lugar, creio como reformado na soberania de Deus. Por soberania de Deus deseja-se mostrar o controle absoluto de Deus sobre toda Sua criação (Mt.6.26; 10.29), e todos os acontecimentos passados, presentes e futuros, sendo Ele o Senhor da história (Dn.4.35). Deus não é somente o Criador, é também o Preservador do Universo, sustentando todas as coisas pela Palavra do Seu poder (Hb.1.3). Ele é quem determina tudo o que acontece, Sua vontade é totalmente soberana (Is.46.10), inclusive sobre nossas vontades (Fp.2.13). Logo, não existe, como muitos dizem, um livre-arbítrio. Existe sim uma liberdade e responsabilidade humana, mas que é limitada pela vontade soberana de Deus.

Nisto discordo de diversos ramos cristãos, em diversos aspectos. Discordo daqueles que crêem que a oração pode mudar a vontade de Deus, fazendo orações "determinatórias", pois em Deus não há mudança, nem sombra de variação (Tg.1.17); nossas orações são respondidas quando feitas segundo Sua vontade (Mt.6.10; I Jo.5.14) e mudam apenas acontecimentos. Discordo daqueles que pensam que certas coisas acontecem fora do controle de Deus, como catástrofes naturais, guerras ou o problema do mal no mundo, pois tudo isso está em Seus planos e foi por Ele determinado, como demonstram diversas passagens do Antigo e Novo Testamento (Gn.50.20; Rm.8.28). Discordo também daqueles que pensam poder determinar o seu próprio destino, como se o poder da vida ou da morte estivesse em suas próprias mãos (Dt.32.39).

Em quarto lugar, creio como reformado na soberania de Deus especificamente em relação à salvação (Rm.8.29-30). Isso foi perfeitamente expresso num documento chamado Cânones de Dort, elaborado entre 1618 e 1619, onde a salvação é apresentada em 5 pontos: depravação total, eleição incondicional, expiação limitada, chamada eficaz e perseverança dos santos.

Depravação total significa que o homem foi de tal forma afetado pelo pecado que é totalmente incapaz de se salvar sozinho ou mesmo contribuir, por pouco que seja, nessa salvação (Rm.3.9-20). A depravação total mostra que "todos pecaram e carecem da glória de Deus" (Rm.3.23), que os pecadores estão "mortos em delitos e pecados" (Ef.2.1) e que "todo aquele que comete pecado é escravo do pecado" (Jo.8.34). Um morto espiritual não pode fazer nada para viver, e um escravo não tem vontade própria. O poder para ressuscitá-lo espiritualmente tem que vir de fora, e para ser livre precisa antes ser liberto pelo Filho (Jo.8.36) . Por isso, ninguém pode escolher a Jesus por si próprio para ser salvo, nem fazer uso de um tipo de livre-arbítrio para aceitar ou rejeitar a salvação alcançada por Cristo.

Eleição incondicional significa que Deus, somente pela Sua soberana vontade, escolheu desde toda a eternidade (Ef.1.4) uma multidão de "todos os povos, tribos, línguas e nações" (Ap.7.9) para serem salvos de seus pecados e herdarem a vida eterna. Porém, Ele não escolheu a todos (Rm.9.13). Essa escolha não se baseou em nada de bom ou que agradasse a Deus presente nos próprios pecadores , ou alguma fé que Ele tivesse previsto pela Sua presciência (Rm.9.11); pelo contrário, foi totalmente pela Sua maravilhosa graça que Ele os escolheu soberanamente, para o louvor da Sua glória (Rm.9.14-18; Ef.1.5,6,11,12). Aqueles que não foram escolhidos estão destinados à condenação eterna no inferno, sem que Deus seja culpado pelo seu destino ou pelos seus pecados. Deus salva uns para demonstrar a Sua graça, e condena outros para demonstrar Sua justiça (Rm.9.19-24). Outra coisa interessante a se observar é que Deus não era obrigado a salvar ninguém de seus pecados, nem deixaria de ser um Deus amoroso se não o fizesse. Logo, o fato de Deus salvar uma multidão da humanidade por pura graça já é uma demonstração infinita de amor e misericórdia, acima de toda comparação.

Expiação limitada significa que o valor da morte de Cristo é absolutamente infinito e poderoso para perdoar todos os pecados daqueles que Deus escolheu, e apenas desses (Is.53.11-12). Dizer que Cristo morreu pelo mundo não significa que Ele morreu por todas as pessoas do mundo, mas por pessoas de todas as partes do mundo (Jo.3.16; I Jo.2.2). Logo, Cristo não morreu por todos os homens literalmente; apenas pelos escolhidos de Deus, que são Suas ovelhas e Sua Igreja (Jo.10.11,15; 17.9; Ef.5.5-27). Porém, essa expiação dá aos eleitos uma salvação eterna, pois, perdoados de todos os seus pecados pelo sacrifício de Cristo, e tendo sido imputada a eles a justiça de Cristo, eles já não podem ser condenados; eles tem, agora, a vida eterna (Jo.5.24).

Chamada eficaz nos fala sobre como Deus salva os Seus escolhidos. Deus usa a pregação do evangelho como meio de chamar os eleitos para Si mesmo (Rm.10.14-17). O evangelho deve ser pregado a todas as pessoas (Mc.16.15), pois não sabemos quem Deus escolheu, e a Palavra se tornará eficaz na vida daqueles que foram eleitos antes da fundação do mundo (At.13.48). O Espírito Santo irá agir na vida dos eleitos, operando a regeneração (ou novo nascimento- Jo.3.3-8) pela Palavra (I Pe.1.23), tornando-os dispostos a responderem positivamente ao convite do evangelho (At.16.14). É nesse momento que os eleitos recebem a capacidade de "escolher a Deus" e receber a Cristo (Jo.6.65), arrependendo-se de seus pecados e tendo fé em Cristo para salvação. Tanto o arrependimento como a fé são dons de Deus, dados no momento da regeneração (At.5.31; 11.18; Ef.2.8; Fp.1.29; II Tm.2.25). Por isso, ninguém deve se achar melhor que os outros por ter se arrependido ou ter tido fé, porque essa capacidade é algo sobrenatural dado por Deus. Dizer que essa chamada aos eleitos é eficaz significa que é impossível a um eleito resistir ao convite do Espírito Santo, pelo evangelho, no seu coração (Is.43.13).

Perseverança dos santos significa que aqueles que foram eleitos por Deus, desde o dia em que foram salvos, não poderão mais perder essa salvação (Jo.6.39; Rm.8.30; Fp.1.6). Como Cristo morreu por todos os seus pecados - passados, presentes e futuros - nenhum pecado pode, agora, levá-los à condenação: "Nenhuma condenação há para aqueles que estão em Cristo" (Rm.8.1). Uma vez salvo, salvo para sempre. Eles têm a vida eterna e, se é eterna, não pode acabar um dia (Jo.10.28-29). Nada, agora, pode separá-los do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor (Rm.8.35-39). Porém, isso não significa que os eleitos nunca mais pecarão, porque isso certamente irá acontecer (I Jo.1.8-10). Mas como eles foram regenerados, seu prazer agora não é mais o pecado, mas a santidade (I Jo.3:6-10). Uma pessoa que viva em pecado e alegue ter sido salva deve ter sua salvação seriamente questionada. Um cristão pode até cometer um pecado terrível, porém, esse pecado certamente requererá uma disciplina da parte de Deus, não com o objetivo de fazê-lo pagar pelo seu pecado, que ja foi pago na cruz por Cristo, mas com a finalidade de aperfeiçoá-lo, para que seja participante da santidade de Deus (Hb.12.5-13). Davi foi um exemplo dessa disciplina de Deus, no caso de Bate-Seba (II Sm.11 e 12).

Em quinto lugar, creio como reformado que o "fim principal do homem é glorificar a Deus e gozá-lo para sempre", como diz o Breve Catecismo de Westminster. Logo, um reformado tenta viver uma vida que glorifique a Deus em todos os aspectos, e entende que Deus é adorado e glorificado em todas as áreas de sua vida: no trabalho, na família, na sociedade, no lazer, na igreja, etc. "Quer comais, quer bebais, ou façais qualquer outra coisa, fazei tudo para a glória de Deus" (I Co.10.31), como diz o apóstolo Paulo. A busca da glória de Deus e a adoração cheia de amor que brota do coração de um cristão reformado é a aplicação prática e conseqüência da doutrina da soberania de Deus. Pode-se perceber isso no próprio Paulo que, depois de discorrer sobre o assunto da soberania de Deus dos capítulos 9 a 11 de Romanos, encerra o assunto com adoração: "Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos! Quem, pois, conheceu a mente do Senhor? Ou quem foi o seu conselheiro? Ou quem deu primeiro a ele, para que lhe venha a ser restituído? Porque dele, por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém." (Rm.11.33-36).

Este é um pequeno resumo do que eu creio como reformado. Digo com segurança e convicção que essa é a doutrina original dos evangélicos, mas que, infelizmente, foi abandonada com o tempo. Tenho buscado um retorno ao evangelho bíblico conforme ensinado pelos reformadores, nossos pais na fé, e creio que esse é o único caminho para um verdadeiro avivamento na igreja evangélica moderna. O segredo do avivamento não é inovar, mas olhar para o passado e restaurar o que se perdeu: "Ponde-vos nos caminhos, e vede, e perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho, e andai por ele; e achareis descanso para as vossas almas." (Jr.6.16).

Minha sincera oração é que Deus utilize este artigo para abrir os olhos de muitos irmãos em Cristo às verdades esquecidas da Palavra de Deus, e que assim, despertos para o evangelho eterno, possam ter seus corações em chamas por essas mesmas verdades que custaram o sangue de nossos pais!

Comentários

64 comentários em "Em que crê um cristão reformado?"

Samir Mesquita disse...
24 de outubro de 2006 16:59

André, muito bom seu texto. Muito claro e é meu desejo também, buscar com maior integridade, obediência as verdades que os reformadores antigos viviam e com a graça de Deus, ser um cristão melhor.
Reformado. Um abraço e parabens.

Rev. Fabio Aguiar disse...
27 de outubro de 2006 21:51

Caro Irmao,
Gostei muito da sua exposiçao. Tambem sou um cristao reformado e defensor das doutrinas biblicas expostas pelas confissoes de fe reformadas.
Deus em Sua graça continue a derramar sobre voce e sua familia provisao abundante.
Em Cristo, a quem servimos juntos.

Rev. Fabio Aguiar
Igreja crista Evangelica do Brasil (1901)

Obs. Me desculpe pela falta de acentuaçao, mas meu teclado esta desconfigurado.

Rodrigo de Campos disse...
30 de outubro de 2006 16:55

Parabéns pelo texto meu irmão.
Vamos viver a Palavra de Deus!!!
Também sou completamente contra quem usa textos isolados para exporem seu próprio ponto de vista, ignorando cmpletamente a real mensagem; quem já ouviu pregarem sobre "Maldito é o homem que confia no homem..."? Esquecem completamente de fazer análises sobre a época, contexto histórico, costumes e culturas, etc...
==============
Deus seja contigo meu irmão!

Anônimo disse...
27 de maio de 2007 01:12

Olá meu irmão, achei muito interessante a tua exposição em expor o que é um Cristão reformado. Sabemos sim que DEUS é poderoso,é soberano, e é ele que reina este mundo conforme o próposito de sua vontade. O 3 céu é a sua morada, querendo conhecer mais sobre a história da reforma e estudos teológicos excelentes acesse este site www.monergismo.com Que DEUS abençoe a todos que defendem a verdadeira pregação das sagradas escrituras de Gënesis a Apocalipse e que tenham a mente aberta para compreender que DEUS é o autor da salvação por meio de seu filho Jesus Cristo e que a sua graça salvadora se cumprirá na vida dos seus eleitos. Sidnei Luiz - Igreja Batista Tradicional em SÃO PAULO

Leonilson disse...
3 de julho de 2007 07:30

AMADOS, CONHECEDORES VOCÊS SÃO MAS ANULAM O AMOR DE DEUS NA VIDA DE ALGUNS,E ISSO DESTROI TODA VOSSA EDIFICAÇÃO.

André Aloísio disse...
7 de julho de 2007 14:30

Irmão Leonilson,

É a própria Palavra de Deus que ensina que o amor de Deus não é o mesmo para todas as pessoas. Citando o profeta Malaquias, Paulo escreve em Romanos 9:13: "Como está escrito: Amei Jacó, porém me aborreci de Esaú". Deus não ama a todas a pessoas de igual forma. Ele ama especialmente os eleitos, e os demais pecadores Ele odeia tanto quanto odeia seus pecados.

Agradeço o elogio, mas aconselho-te a estudar mais a Palavra de Deus e a Teologia Reformada para eliminar qualquer espécie de preconceito. O Portal Monergismo (www.monergismo.com) pode ser de grande ajuda.

Que Deus te abençoe grandemente!

Pr. Ruy Marinho disse...
24 de outubro de 2007 12:26

Olá irmão... muito bom o artigo... bem resumido e bem claro.

Parabéns pelo blog.

Graça e Paz!

Carlos disse...
29 de novembro de 2007 19:33

Parabéns meu irmão, excelente artigo!

Despois de alguns anos na Igreja Reformada, algum tempo atraz, já como Pastor da mesma, estava caminhando nas ruas de Montreal, triste com tudo ao meu redor.

Bom, o Espírito Santo me fez uma pergunta: "olhe ao teu redor, é possível que alguma dessas pessoas se achegue a Deus sem que Eu os impulsione"? Minha resposta foi não! Então Ele me disse: "Creio que isso responde a tua dúvida sobre a eleição"!

Se fizermos essa mesma pergunta para nossos amados que crêem no livre arbítrio, e eu já fiz a vários, todos me dão exatamente a resposta que eu dei. Não é possível que ninguém se achegue a Deus sem o toque do Espírito, "Pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus". Todos cristãos tem isso em mente, e sabem que é necessário o toque do Espírito na vida do pecador para ele se converter. Isso é a eleição.

A respeito do avivamento, creio o mesmo, porém, gostaria de adicionar algo de extrema importância, todo avivamento começou com oração, a qual nos leva a um processo de santificação.

Gostaria de sugerir a todos a leitura do Catecismo de Hidelberg, para mim uma das preciosidades do legado que nos foi deixado pela Reforma. Vc irá se apaixonar e aprenderá de forma simples e maravilhosa, todos os pilares da fé cristã.

Deus abençoe ricamente a tua vida.

Pr Carlos

Anônimo disse...
17 de junho de 2008 12:38

Gente... nao vamos complicar.
O Evangelho é tao simples...
JESUS!!! Ele é o alvo. Ele é o centro.

André Aloísio disse...
17 de junho de 2008 22:20

Olá irmão Anônimo, rsrs, graça e paz!
O evangelho é sim muito simples: "Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal" (I Tm.1.15). Ele também é muito profundo. Para perceber isso basta ler as epístolas de Paulo. A epístola aos Romanos, por exemplo, apresenta desdobramentos doutrinários profundos do evangelho nos 11 primeiros capítulos, antes de começar as aplicações práticas no capítulo 12. Simplicidade e profundidade não são opostas. A Teologia Sistemática não contrasta com a simplicidade do evangelho.
Como o irmão bem observou, Jesus é o alvo e o centro. Mas em que ponto o meu artigo contradiz isso eu não pude descobrir.
Sem querer ofender o irmão, esse tipo de argumentação surge normalmente quando não se deseja aceitar todo o conteúdo doutrinário da Bíblia, mas apenas aquilo que é agradável para si mesmo. Qualquer pessoa que examinar a Palavra de Deus sem preconceitos reconhecerá que as verdades apresentadas no meu artigo são verdades de Deus e não invenções humanas.
Muito obrigado pelo comentário, meu irmão, e que Deus te abençoe de modo que você cresça a cada dia na graça e no conhecimento do Senhor Jesus Cristo!
Abraços!

Rev Ezedequias Ventura disse...
12 de agosto de 2008 21:45

Graça e Paz irmão André!
Uno-me ao vosso espírito reformado. Como diz o refrão da reforma: Um reformado vive sempre reformando! O Senhor Soberano e de toda Graça mantém os seus sete mil que não dobram seus joelhos à Teologia da Pós-Modernidade! Soli Deo Gloria! Rev. Ezedequias Ventura - pastor presbiteriano renovado.

Anônimo disse...
26 de abril de 2009 13:54

acho muito interessante ser um cristão reformado, poi da um certo conforto espiritual. é bom saber que estou salvo independente do que eu faça ou não.,mas não consigo ter esse mesmo conforto quando vejo uma pessoa pre destinada a ser ladrão,prostituta...etc e ainda ao inferno. porque Deus faria isso. não seria melhor salvar a todos.

André Aloísio disse...
26 de abril de 2009 16:24

Olá Anônimo,

"mas não consigo ter esse mesmo conforto quando vejo uma pessoa pre destinada a ser ladrão, prostituta... etc e ainda ao inferno. porque Deus faria isso. não seria melhor salvar a todos."

Paulo responde: "Que diremos, pois? Há injustiça da parte de Deus? De modo nenhum! Pois ele diz a Moisés: Terei misericórdia de quem me aprouver ter misericórdia e compadecer-me-ei de quem me aprouver ter compaixão. Assim, pois, não depende de quem quer ou de quem corre, mas de usar Deus a sua misericórdia. Porque a Escritura diz a Faraó: Para isto mesmo te levantei, para mostrar em ti o meu poder e para que o meu nome seja anunciado por toda a terra. Logo, tem ele misericórdia de quem quer e também endurece a quem lhe apraz. Tu, porém, me dirás: De que se queixa ele ainda? Pois quem jamais resistiu à sua vontade? Quem és tu, ó homem, para discutires com Deus?! Porventura, pode o objeto perguntar a quem o fez: Por que me fizeste assim? Ou não tem o oleiro direito sobre a massa, para do mesmo barro fazer um vaso para honra e outro, para desonra? Que diremos, pois, se Deus, querendo mostrar a sua ira e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita longanimidade os vasos de ira, preparados para a perdição, a fim de que também desse a conhecer as riquezas da sua glória em vasos de misericórdia, que para glória preparou de antemão, os quais somos nós, a quem também chamou, não só dentre os judeus, mas também dentre os gentios?" (Rm.9.14-24).

Abraços,

André Aloísio
O principal dos pecadores (I Tm.1.15).

Anônimo disse...
29 de abril de 2009 01:18

Não consigo ter esse mesmo conforto quando vejo uma pessoa pré destinada a ser ladrão ou prostituta...etc. Mas,se foi ele quem disse amaras o próximo como a ti mesmo. como posso ama-lo e não ter esse desconforto.? Walter.

André Aloísio disse...
29 de abril de 2009 08:52

Walter, graça e paz!

Primeiramente é importante observar que alguém que é um ladrão ou uma prostituta é inteiramente responsável e culpado pelo seu próprio pecado. Um pecador nunca poderá lançar a culpa do seu pecado em Deus, pois Deus é justo, santo e "tão puro de olhos que não pode ver o mal, nem pode contemplar a perversidade" (Hc.1.13). Deus é justo ao fazer o ímpio "para o dia da calamidade" (Pv.16.4), pois a impiedade do ímpio é de inteira responsabilidade do próprio ímpio, razão pela qual seu castigo é merecido. Sobre isso, leia o meu artigo Reprovação: um ato de injustiça divina? .

Outro ponto a ser observado é que o amor ao próximo não é incompatível com a predestinação. O objetivo prático dessa doutrina é trazer conforto ao eleito com respeito a sua salvação, não trazer conforto ao eleito com respeito à perdição do próximo. Jesus nos ensina a amarmos a todos, inclusive os nossos inimigos (Mt.4.44-48). Nós devemos amar a todos, sem exceção, pois não sabemos quem são os eleitos e quem são os réprobos. Esse é um conhecimento que só a Deus pertence. Nossa responsabilidade como cristãos é amar ao nosso próximo e pregar o evangelho a todos, e Deus salvará aqueles que lhe pertencem. Sobre esse ponto, leia meu pequeno artigo Soberania divina e responsabilidade cristã para com o ímpio.

Que Deus te abençoe!

Abraços,

André Aloísio
O principal dos pecadores (I Tm.1.15)

Anônimo disse...
6 de maio de 2009 00:47

Ola andré, graça e paz.
Irmão andre me desculpe te fazer tantas perguntas, é que voçe é o único "reformado" que eu conheço.na verdade eu nem sabia oque exatamente era isso.Só tomei conhecimento a alguns meses atrás lendo o seu blog.
meu nome é walter e eu sou membro da igreja do evangelho quadrangular aqui em são paulo. nunca me interesei por teologia sempre tive por satisfeito aquilo que eu ouvia na igreja., Mas ultimamente tenho pesquisado muito sobre esses assuntos na internet.e as vezes não encontro respostas para certos assuntos. por exemplo oque é "pré conhecimento" na visão de um arminiano? como Deus pode ter "pré" conhecimento de alguém de algo ou de tempo. por favor se quioser pode me mandar um email. obrigado. Meu email Walter.estofados@hotmail.com Um abraço.

André Aloísio disse...
6 de maio de 2009 08:51

Olá Walter, graça e paz!

Eu te mandei um e-mail respondendo seu comentário.

Que Deus te abençoe!

Abraços,

André Aloísio
O principal dos pecadores (I Tm.1.15)

Anônimo disse...
14 de julho de 2009 10:30

"Nós devemos amar a todos, sem exceção, pois não sabemos quem são os eleitos e quem são os réprobos. Esse é um conhecimento que só a Deus pertence. Nossa responsabilidade como cristãos é amar ao nosso próximo e pregar o evangelho a todos, e Deus salvará aqueles que lhe pertencem. "


Deus é soberano! Deus pode fazer o que quiser! Inclusive ouvir a oração de predestinado ao inferno e salva-lo. Deus pode fazer isto!

Não fique alucinado com a Doutrina da Salvação Livre- Arbitrio X Predestinação!

Pregue a Jesus Cristo. Deixe estes assuntos para o academicismo.

Deus te abençoe.

André Aloísio disse...
20 de julho de 2009 18:20

Olá Anônimo,

"Deus é soberano! Deus pode fazer o que quiser! Inclusive ouvir a oração de predestinado ao inferno e salva-lo. Deus pode fazer isto!"

Certamente Deus é soberano e pode fazer o que quiser. Eu acrescentaria que Deus não faz o que Ele não quer, pois Ele não age contra a própria vontade e não é esquizofrênico. Portanto, Deus não salvará alguém predestinado ao inferno, porque se esse alguém foi predestinado ao inferno por Deus, Deus não quer salvá-lo. No entanto, é importante dizer que alguém que vai ao inferno é inteiramente responsável por isso, e está indo pra lá de livre e espontânea vontade, por causa dos seus pecados.

"Não fique alucinado com a Doutrina da Salvação Livre- Arbitrio X Predestinação! Pregue a Jesus Cristo. Deixe estes assuntos para o academicismo."

Uma vez que os apóstolos falavam sobre a eleição abertamente em suas epístolas, dirigidas a todos os irmãos de determinadas igrejas locais, tanto simples quanto instruídos, eu não posso restringir meu discurso aos acadêmicos. Agindo assim eu estaria privando os irmãos mais simples de conhecerem uma gloriosa verdade que traz grande gozo e alegria para a vida cristã. São as próprias Escrituras que afirmam que "a revelação das tuas palavras esclarece e dá entendimento aos simples" (Sl.119.130). Sendo assim, meu dever é anunciar "todo o conselho de Deus" (At.20.27) a todos, e pela unção que vem do Santo até os simples entenderão (I Jo.2.20).

Que Deus também te abençoe!

Abraços,

André Aloísio
O principal dos pecadores (I Tm.1.15)

Anônimo disse...
13 de agosto de 2009 01:40

Meu irmão,


Cuidado!


Veja bem, o predestinismo precisa e usa jogo de palavras.


Para o céu o presdestinado por Deus.


Para o inferno o livre-arbítrio: "No entanto, é importante dizer que alguém que vai ao inferno é inteiramente responsável por isso, e está indo pra lá de livre e espontânea vontade, por causa dos seus pecados."


Deus permitiu (creio nisto) Manassés o pior dos homens na Bíblia a viver como quis.

Deus o chamou, mas ele não aceitou!
"E falou o SENHOR a Manassés e ao seu povo, porém não deram ouvidos." II Cr 33.10

Deus irou-se contra ele.
"Assim o SENHOR trouxe sobre eles os capitães do exército do rei da Assíria, os quais prenderam a Manassés com ganchos e, amarrando-o com cadeias, o levaram para Babilônia." II Cr 33.11

Deus ouviu o clamor dele.
"E fez-lhe oração, e Deus se aplacou para com ele, e ouviu a sua súplica, e tornou a trazê-lo a Jerusalém, ao seu reino. Então conheceu Manassés que o SENHOR era Deus." II Cr 33.13

Detalhe: VT Tempo da Lei e não da Graça.

Mas o Senhor é o mesmo!


Ninguém que tenha um pouco de conhecimento da Bíblia pode negar que Deus predestina alguns ao paraíso para que ele mesmo, o Senhor, conduza a história para o final que ele mesmo, o Senhor, estabeleceu.

Ninguém que tenha um pouco de conhecimento Bíblico afirma categoricamente que Deus só salva os predestinados ao paraíso, por um detalhe: Somos criaturas, agora na condição de filhos e limitadíssimos diante de Deus. Deus pode salvar quem ele quiser. PRINCIPALMENTE AQUELE QUE NÃO É PREDESSTINADO AO CÉU E NEM AO INFERNO!!!!

ESTE TEXTO É ÓTIMO, POIS SERVE PARA OS DOIS LADOS

"Porém ele disse: Eu farei passar toda a minha bondade por diante de ti, e proclamarei o nome do SENHOR diante de ti; e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia, e me compadecerei de quem eu me compadecer." Ex 33.19

"Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus." I Co 2.10

"Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos! Porque, quem compreendeu a mente do Senhor? ou quem foi seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém." Rm 11.33 a 36

Deus revelou seu amor em Jesus Cristo. Pregarei Jesus Cristo todos os dias de minha vida. Nunca pregarei a doutrina da Predestinação. Ela nada acrescenta a fé para a salvação.

Agora, bem claro. Quem entrega a vida a Jesus é salvo para sempre. (aqui não há divergência entre nós).


Proclame Jesus meu irmão e deixe isto para o academicismo, ou uma classe de estudos avançados em sua igreja.


Deus lhe abençoe ricamente, e que continue assim estudioso como tem sido.

Aqui termina meus comentários, pois como disse isto nada acrescenta a salvação.


Um Grande Abraço

E fica na paz de Jesus nosso Salvador

André Aloísio disse...
17 de setembro de 2009 18:08

Olá Anônimo, graça e paz!

Seus pensamentos sobre esse assunto são bem confusos, mas eu tentarei te responder de acordo com o que entendi. Você disse:

"Veja bem, o predestinismo precisa e usa jogo de palavras. Para o céu o presdestinado por Deus. Para o inferno o livre-arbítrio", e mostrou essas minhas palavras: "No entanto, é importante dizer que alguém que vai ao inferno é inteiramente responsável por isso, e está indo pra lá de livre e espontânea vontade, por causa dos seus pecados". Porém, eu não falei sobre livre-arbítrio nesse trecho. Apenas apontei a responsabilidade humana e a vontade corrompida do homem natural que só deseja o pecado. Devemos lembrar que o homem não precisa ser livre para ser responsável. Essa conexão que muitos fazem entre liberdade e responsabilidade não existe nas Escrituras. Outra coisa é que o fato de alguém estar indo ao inferno por livre e espontânea vontade não elimina o fato de que ela também está indo para lá porque Deus quer e assim determinou, o que eu também disse no comentário anterior: "Portanto, Deus não salvará alguém predestinado ao inferno, porque se esse alguém foi predestinado ao inferno por Deus, Deus não quer salvá-lo".

A vida de Manassés que você citou não apresenta nenhuma prova contra a predestinação. Apenas mostra como Deus está pronto para perdoar aqueles que se arrependem.

"Ninguém que tenha um pouco de conhecimento da Bíblia pode negar que Deus predestina alguns ao paraíso para que ele mesmo, o Senhor, conduza a história para o final que ele mesmo, o Senhor, estabeleceu."

Estou de pleno acordo!

"Ninguém que tenha um pouco de conhecimento Bíblico afirma categoricamente que Deus só salva os predestinados ao paraíso, por um detalhe: Somos criaturas, agora na condição de filhos e limitadíssimos diante de Deus. Deus pode salvar quem ele quiser. PRINCIPALMENTE AQUELE QUE NÃO É PREDESSTINADO AO CÉU E NEM AO INFERNO!!!!"

Esse trecho é tão confuso, tão absurdo e tão carente de fundamento bíblico-teológico que me parece até desnecessário responder. Conheço pessoas que crêem que Deus escolhe quem será salvo, e conheço outras que crêem que o salvo é quem escolhe ser assim, mas nunca vi alguém misturar essas duas coisas de forma tão bizarra. Acho que a melhor resposta é te pedir uma base para a absurda e contraditória afirmação de que "Deus pode salvar quem ele quiser. PRINCIPALMENTE AQUELE QUE NÃO É PREDESSTINADO AO CÉU E NEM AO INFERNO!!!!".

"Deus revelou seu amor em Jesus Cristo. Pregarei Jesus Cristo todos os dias de minha vida. Nunca pregarei a doutrina da Predestinação. Ela nada acrescenta a fé para a salvação."

Eu tenho pregado Jesus Cristo todos os dias de minha vida, o que inclui pregar a doutrina da predestinação. Foi o próprio Jesus quem falou sobre predestinação diversas vezes em seu ministério (Jo.6.44; 17.9). Se você não quer pregar predestinação, saiba que está agindo diferentemente de Paulo (Rm.8.29-30; 9.11-24; Ef.1.3-14) e dos outros apóstolos (I Pe.1.2). .

"Proclame Jesus meu irmão e deixe isto para o academicismo, ou uma classe de estudos avançados em sua igreja."

Sobre deixar essas doutrinas para o academicismo creio que já respondi suficientemente no comentário anterior.

Abraços,

André Aloísio
O principal dos pecadores (I Tm.1.15)

Paulo - Vencedores Por Cristo disse...
5 de maio de 2010 18:01

Esta fazendo dois anos que fui convertido a Cristo pelo Espírito Santo e até agora tudo sobre teologia que tenho lido e aprendido inclusive na internet em blogs como esse, me levam a ter a convicção de que sou um cristão reformado. também gostei muito do texto e agradecer pelo trabalho feito aqui e em outros blogs que muito tem ajudado nos edificando e evangelizando pessoas.Aproveito também para divulgar um novo blog que veio para somar e precisa do apoio de vocês.

http://tomeasuacruzesigame.blogspot.com/

A paz em Cristo

Paulo Fagundes.

remanecente disse...
27 de setembro de 2010 17:44

irmão andre, a Reforma foi o maior avivamento da história da igreja,lembre-se que,toda reforma não deve partirde um modelo eclesiástico,mas do modelo que é cristo e seu caminho é simples e revulocionario "amar a Deus e ao proximo" qualquer movimento que não caminhe por esta estrada já está em sua essência desencaminhado;este é o problema da reforma,dos reformadores e calvinistas de hoje viva a sua propria historia porque Deus muito quer fazer atraves de vc. um abraço meu querido!.

Lara disse...
31 de dezembro de 2010 18:40

Lara,
Olá irmãos queria fazer um pergunta simples, mas muito pessoal(para os reformadores):
O que vocês acham da renovação espiritual(dos assembleianos, etc) ?
e do chamado fogo Pentecostal?(não o dos neo pentecostais)

Obrigado desde já!

Lara disse...
31 de dezembro de 2010 18:40

Lara,
Olá irmãos queria fazer um pergunta simples, mas muito pessoal(para os reformadores):
O que vocês acham da renovação espiritual(dos assembleianos, etc) ?
e do chamado fogo Pentecostal?(não o dos neo pentecostais)

Obrigado desde já!

josias disse...
11 de janeiro de 2011 13:06

Senhor André. Sua inteligencia está acima da média.
Que tal se o irmão centrasse seu conhecimento somente em João 3:16. Experimente.Nem Luetro nem Calvino refformaou a igreja de Jesus. Só Jesus pode colocar ou tirar uma virgula da doutrina da sua igreja. Lutero brigou com a igreja católica, e não, com a igreja primitiva.
Quando Deus criou Adão, Ele disse; se voce pecar, voce morrerá. Como se trata de uma escolha, não é a força da predestinção, que está em jogo, mas sim o destino. A predestinação, dada por Deus, éla não volta a traz.Todos os seres humanos, foram destinados a irem para o inferno. O seu destino voce altera, mas se fosse predestinação todos irem para o inferno, Jesus não precisaria vir salvar , porque senão, Jesus estaria contrariando uma determinação de Deus.. Predestinação, destino, eleição, são assuntos que precisam ser estudados separadamente
M desculpe se não éra isso que o irmão queria ler;
Josias membro da piba de atibaia.

josias disse...
11 de janeiro de 2011 13:06

Senhor André. Sua inteligencia está acima da média.
Que tal se o irmão centrasse seu conhecimento somente em João 3:16. Experimente.Nem Luetro nem Calvino refformaou a igreja de Jesus. Só Jesus pode colocar ou tirar uma virgula da doutrina da sua igreja. Lutero brigou com a igreja católica, e não, com a igreja primitiva.
Quando Deus criou Adão, Ele disse; se voce pecar, voce morrerá. Como se trata de uma escolha, não é a força da predestinção, que está em jogo, mas sim o destino. A predestinação, dada por Deus, éla não volta a traz.Todos os seres humanos, foram destinados a irem para o inferno. O seu destino voce altera, mas se fosse predestinação todos irem para o inferno, Jesus não precisaria vir salvar , porque senão, Jesus estaria contrariando uma determinação de Deus.. Predestinação, destino, eleição, são assuntos que precisam ser estudados separadamente
M desculpe se não éra isso que o irmão queria ler;
Josias membro da piba de atibaia.

josias disse...
12 de janeiro de 2011 09:18

Senhor André. Não entendo o que é um crente reformado . Essa reforma consiste em , ser lavado novamente pelo sangue de Jesus, ou, mudar de doutrina
Jesus disse que, quem crer e for batizado será salvo.
Quantas reformas um crente precisa fazer para se salvar?
Essa reforma seria do espirito ou da matéria.Calvino , Lutéro quando fezeram essa doutrina, não sabiam quanta confusão ela ia trazer , entre os crentes fracos de espirito. Senhor André, esqueça Calvino e se dedique somente ao Senhor Jesus.A sua doutrina é simples, e quando uma pessoa resolve segui-lo, não precisa de mais reforma grato josias piba de Atibaia

Pb. Sandro L. Bitencourt disse...
30 de março de 2011 22:19

Muito de pentecostal pouco de Jesus muito de tradicional pouco de Jesus
Quantas pessoas estão sofrendo agora precisando de uma palavra de salvação enquanto os irmãos buscam o aperfeiçoamento em palavras de ataque e defeza, afinal contra quem é nossa luta, vejo muito engrandecimento disfarçado sob a alegoria da soberania humanizada e elitizada e busca de poder por dons em detrimento do SEnhor dos dons. Fiquem na Paz, mas é na Paz mesmo. 2 beijos e 2 abraços.

Pb. Sandro L. Bitencourt disse...
30 de março de 2011 22:25

Outra coisa, me expliquem por favor o que a reforma e o pentecostalismo me dizem sobre um crente que declara o seguinte: "Andei pelas trevas em busca da luz" Palavras retiradas de um livro maçom em relação aà declaração de alguem que está sendo aceito na ordem. Como assim um crente andando em trevas?
Me desculpem já fui presbiteriano e meu pai é Pr. da IPB e ele concorda comigo. Tanto debate acerca de questão pequenas como dança e palmas e ninguém se levanta para estirpar esta porta do inferno das igrejas que é a maçonaria fala sério, até as igreja pentecostais que tanto batiam nesta tecla vem se contaminando com esta escuridão, onde ha segredo não há Deus. Ele não tinha segredos com Abraão

André Aloísio disse...
31 de março de 2011 14:09

Olá Pb. Sandro,

Eu não sou maçon, não apoio a maçonaria e meu artigo não fala sobre o assunto.

Abraços,

André Aloísio
O principal dos pecadores (1Tm 1.15)

Pb. Sandro L. Bitencourt disse...
26 de maio de 2011 22:47

é óbvio que não fala, mas a minha ntenção não é esta o que eu quero saber é o que os reformados estão fazendo para mostrar um caminho de santidade à Igreja do Senhor, quando era da UPA na presbiteriana uma federação de adolescentes no mínimo batia 400 no domingo a tarde, fiu mês passado e não dia 20. Passei na catedral presbiteriana e vi um congresso de jovens, que esperavam um grande número de pessoas, por ver um máquinário de projetores do lado de fora, mas todos estavam desligados pois não passava de 50 pessoas, cadê a graça redentora? é muita discussão e pouco falar de salvação

André Aloísio disse...
27 de maio de 2011 16:50

Olá Pb. Sandro,

Entre na seção Vida Cristã do blog Teologia e Vida e veja o que os reformados daqui estão fazendo para ensinar um caminho de santidade à igreja do Senhor. Se você estudar a história da igreja verá que esse foi o padrão seguido pelos reformados no decorrer dos séculos.

Abraços,

André Aloísio
O principal dos pecadores (1Tm 1.15)

SySy Hastenreiter disse...
1 de novembro de 2011 15:05

Querido irmão responsável pelo blog, tenha Paz.
Em primeiro lugar eu louvo ao Senhor por usar homens de boa vontade como você para nos trazer uma exposição bíblica sincera, sóbria e "salvífica".
Quanto mais eu tenho lido sobre o assunto, mais me identifico com a visão reformada (salvo pequenas excessões quase imperceptíveis).
Só lamento que existem pessoas que leem artigos do gênero apenas para criticar e não apreciar e compreender a profundidade do ensino aqui dispensado. Mas tudo bem, entendo que as escamas só podem ser abertas se Deus assim o quiser. Mas, infelizmente, eu consigo ficar irritada com essa situação. Penso que seria mais proveitoso para a pessoa se ela criasse um blog tentando explanar a "visão" deles da bíblia com alguma coerência, do que criticar o trabalho bem intencionado e bíblico de irmãos em Cristo. Entendo e percebo que os reformadores nada fazem além de comunicar os mesmos ensinos das epístolas, salientando sempre os mesmos temas abordados. Se os apóstolos abordaram tais temas, é porque são relevantes para a compreensão da mensagem da Cruz. De qualquer forma, que Deus continue abençoando o trabalho de vocês.

lucas dos santos disse...
30 de julho de 2013 16:18

Meus amados em Cristo,sou assembleano e pentecostal, aqui tenho uma citação para vcs , vãos procurar saber sobre Daniel Berg e Gunnar Vingren. Leia sobre eles, e vejam como eles veiam para cá. Se vcs verem, vcs vão ver como Deus trabalha nas profecias e que a atuação dos dons espirituais, são tão atuais, mas que os reformados achavam que tal atuação não era mais atual, Deus reavivou esta chama que arde! Deus abençoe... paz do Senhor.

Pablo Martinez disse...
27 de novembro de 2013 17:44

Cristão reformado é todo aquele que rompeu com Roma e está em comunhão plena (concordância) com os princípios e valores morais da reforma protestante de 1517, sendo assim, também podemos ser chamados de protestantes ou evangélicos, tanto faz, no entanto, vejo que alguns irmãos, principalmente os calvinistas, estão aplicando bulliyng gospel pra cima dos irmãos luteranos e pentecostais ao nos excluir do clube dos reformados alegando que os luteranos são diferentes e os pentecostais uma seita, logo, acho isso um abuso e preconceito religioso que fere o artigo 19 da constituição brasileira, pois temos que analisar as pessoas de forma única e não dentro de um pacote como os calvinistas estão fazendo, pois ao que parece, eles querem se separar dos evangélicos e criar uma nova visão reformada como se eles fossem os donos da razão, logo, não posso ser conivente com isso, não mesmo!

André Aloísio disse...
18 de dezembro de 2014 17:03

Lara, minha opinião sobre o pentecostalismo pode ser vista aqui: http://teologia-vida.blogspot.com.br/2014/01/o-fenomeno-religioso-no-pentecostalismo.html.

André Aloísio disse...
18 de dezembro de 2014 17:08

Lucas dos Santos, eu conheço bem o pentecostalismo, pois já fui pentecostal. Faço uma análise do pentecostalismo no seguinte trabalho: http://teologia-vida.blogspot.com.br/2014/01/o-fenomeno-religioso-no-pentecostalismo.html.

André Aloísio disse...
18 de dezembro de 2014 17:14

Pablo Martinez, historicamente, "reformado" não é sinônimo de "protestante". "Protestante" é um termo mais abrangente que inclui todos aqueles cujas origens remontam à Reforma Protestante, incluindo luteranos, calvinistas e anglicanos. O termo "reformado", por outro lado, é usado para se referir a um ramo da Reforma Protestante, especificamente, aquele ramo cujas origens remontam a Zwínglio e Calvino. Assim, todo reformado é protestante, mas nem todo protestante é reformado. Afirmar isso não é contrário à Constituição Brasileira e nem uma forma de preconceito, assim como não é preconceito fazer uma diferença entre "católico romano" e "protestante", como eu creio que você faz.

analia andrade disse...
19 de fevereiro de 2015 22:44

Se alguem aceitou Jesus, mas desviou, é um "sinal" de que ela não é um predestinado a salvação,né?!

André Aloísio disse...
9 de março de 2015 22:43

analia andrade disse...
Se alguem aceitou Jesus, mas desviou, é um "sinal" de que ela não é um predestinado a salvação,né?!

19 de fev de 2015 22:44:00 Excluir

Analia,

Não necessariamente, porque é possível que um eleito também se desvie temporariamente. Leia a Confissão de Fé de Westminster, capítulo 17, seção 3, que explica esse ponto. Você pode lê-la aqui: http://www.monergismo.com/textos/credos/cfw.htm .

Abraços,

André Aloísio

Eva Freitas disse...
2 de julho de 2015 17:28

Um ótimo texto para ser lido. E como eu já ouvi dizer "Texto sem contexto é pretexto para heresia" e felizmente o seu vem com referencias biblicas o que me deixou feliz ao ler do começo ao fim. Agora estou observando atentamente e tomando algumas decisões quanto a "estudar" verdadeiramente a palavra da verdade. Pois se a manejarmos bem, certamente seremos livres de imposições de trechos. Obrigada por tamanha sabedoria. Que o Espirito Santo de Deus continue lhe conduzindo em triunfo. Graça e Paz.

Erika Rodrigues disse...
22 de julho de 2015 00:36

Olá André!

pesquisei sobre as diferenças do cristão protestante, reformado e calvinista e pude esclarecer sobre o "reformismo" se assim posso dizer. Porém confesso que está complicado de compreender essa linha de interpretação:
"Certamente Deus é soberano e pode fazer o que quiser. Eu acrescentaria que Deus não faz o que Ele não quer, pois Ele não age contra a própria vontade e não é esquizofrênico. Portanto, Deus não salvará alguém predestinado ao inferno, porque se esse alguém foi predestinado ao inferno por Deus, Deus não quer salvá-lo. No entanto, é importante dizer que alguém que vai ao inferno é inteiramente responsável por isso, e está indo pra lá de livre e espontânea vontade, por causa dos seus pecados."

O que não consigo compreender é essa ligação entre vontade própria e vontade de Deus. Se a vontade de Deus é soberana e os meus atos me levam a condenação, logo esses atos não seriam meus, eu seria um ser "obrigado" a viver assim porque Deus determinou que eu iria para o inferno.

Hosaias Oliveira disse...
11 de outubro de 2015 08:05

Concordo em parte .

Josué Meninel disse...
31 de dezembro de 2015 18:07

Caro André, poderia eu usar parte de seu texto como minha profissão de fé em meu blog?

PAZ!

Valter Nazario disse...
4 de fevereiro de 2016 16:49

A paz queridos,

Eu como cristão, posso jogar futebol com pessoas que não são cristãs?
Sabendo que sou nova criatura, que tenho que dar bom testemunho e glorificar a Deus, que Deus abomina a idolatria e que tenho que ser sal e luz.
Eu não troco o futebol pelo culto, pelo estudo bíblico e nem por minha família.
Eu gosto de praticar e me exercitar, mas não coloco isto como principal e fundamental item da minha vida.
Se eu praticar, estarei me moldando ao mundo? Estarei amando mais ao mundo do que a Deus?

Muito obrigado.

No Amor de Cristo,

Valter Nazario.

Roberto Saturnino disse...
2 de março de 2016 10:56

Eu gostei muito do artigo e concordo Deus é Soberano, não podemos crer em Deus como nós seres humanos sentimentais, cabe a Ele escolher, fazer, criar, quem somos nós meros homens e mulheres a contrariar a soberania de Deus, eu busco viver a verdade bíblica, há 24 anos e mês passado em um culto de doutrina descobri que estava errado e a Soberania de Deus é tão simples e esta inserida nas escrituras de Gênesis a Apocalipse, não há o que duvidar, é aceitar, é tudo Dele, pra Ele com Ele e sem Ele nada, traçou como será, desde a eternidade. Parabéns pelo artigo, agora cheguei a conclusão, sou Reformado Renovado (creio na contemporaneidade dos dons).

André Aloísio disse...
13 de abril de 2016 22:18

Josué, pode usar. Apenas identifique o autor e a fonte.

Valter, jogar futebol não é pecado. É possível alguém pecar jogando futebol (ao xingar, por exemplo), mas o futebol em si não é pecado. Então, veja como é o clima desses descrentes que jogam e, se estiver tudo beleza, não há problema algum. Conheço muitos descrentes que jogam futebol de uma forma muito tranquilo, sem violência ou xingamentos.

Abraços,

André Aloísio

SOMEBODY TOO! disse...
5 de outubro de 2016 18:58

Parabéns, seu texto é muito bem escrito. Sou Cristã, e até hoje me pergunto, quando vejo um conhedor da palavra dizendo que Deus, que é amor, poderia simplesmente fazer acepção de seus filhos. Como um ser que criou tudo e todos escolheria salvar uns e condenar outros? O mais irônico é que todos que defendem esse pensamento se considera salvo, O escolhido. Oremos, porque por meio de Cristo a redenção foi dada a todos infelizmente nem todos serão salvos, o que não diminui que o desejo de Cristo era salvar a todos.

André Aloísio disse...
7 de outubro de 2016 11:40

Somebody Too!,

Apenas para esclarecer, não é que Deus faça acepção de seus filhos. Os filhos de Deus são apenas aqueles que creem em Jesus (Jo 1.12,13). Deus não faz acepção de seus filhos. Todos eles serão salvos. Quanto aos seres humanos em geral, Deus, de fato, escolhe uns e rejeita outros (Rm 9). Isso não sou eu quem digo. É a Bíblia quem diz. Quanto a se considerar salvo, a Bíblia ensina que o cristão pode ter certeza da salvação (2Tm 4.8).

Sergio Siqueira disse...
11 de outubro de 2016 15:53

Belo texto. Mas o irmão coloca Deus como sendo mal e não atribui a influência de satanás na vida de quem está no mundo , o qual é regido por ele. Pois vos tb era de satanás antes de aceitar a Jesus, ou n era? Me perdoa meu irmão mas esse Deus que vc prega não é o Deus misericordioso que conheço, que dzlva , cura e liberta. Esse Deus q vc fala é muito impiedoso pois conhecendo a todos no ventre da mãe, já o condena só inferno? Me perdoe mas não creio nesse seu Deus.

Sergio Siqueira disse...
11 de outubro de 2016 15:56

Belo texto. Mas o irmão coloca Deus como sendo mal e não atribui a influência de satanás na vida de quem está no mundo , o qual é regido por ele. Pois vos tb era de satanás antes de aceitar a Jesus, ou n era? Me perdoa meu irmão mas esse Deus que vc prega não é o Deus misericordioso que conheço, que dzlva , cura e liberta. Esse Deus q vc fala é muito impiedoso pois conhecendo a todos no ventre da mãe, já o condena só inferno? Me perdoe mas não creio nesse seu Deus.

Sergio Siqueira disse...
11 de outubro de 2016 16:10

Como ouvir se n tem quem pregue. Amado a Palavra é para quem é convertido e não para quem não conhece. Conheceria vc se uma laranja é doce ou azefa sem vc provar? Poderia dizer q ela é doce e vc acreditaria ou não? Sem a pregação como conheceriM a Palavra de Deus? Creio que quanto mais se estuda, mais se aprofundam em teologia antigos, historiadores, calvinistas, e todos esses q já viraram pó e n temos a certeza se estão salvos, mais almas se perdem co suas teologias de separação e discriminação. O ladrão da cruz foi o primeiro a entrar no céu com Jesus. E aí ele ouviu a pregação de Jesus? Conhecia Jesus? Antes de criticar qualquer religião ou pensamento religioso saiba q na própria Escritura sagrada tem uma passagem q os discípulos dizem a Jesus q alguém pregava sobre ele mas n o seguia e ele responde: deixei o falar a meu nome seja pregado. Irmão creio q nos veremos na Glória pois vou orar a Deus por vossa vida. Paz a todos os irmão em Cristo Jesus.

Sergio Siqueira disse...
11 de outubro de 2016 16:13

És tu doutor da lei? Sabes tudo da palavra e rebate o irmão com ironia de seu estudo? Vigis irmão.

Sergio Siqueira disse...
11 de outubro de 2016 16:14

Meu Deus!!!

Sergio Siqueira disse...
11 de outubro de 2016 16:19

Acho q essa sua resposta poderia ser melhor redigida. Deus nesse contexto estava se dirigindo ao povo que escravizou seu povo escolhido. Teria ele misericórdia? Davi enfrentou várias batalhas, Deus teve misericórdia de seus inimigos. Si daqueles a tocam na menina dos meus olhos. Não seriam as prostitutas meninas dos olhos de Deus? Quem era Maria Madalena?

Sergio Siqueira disse...
11 de outubro de 2016 16:24

Deus n ouve a oração de um pré determinado só inferno? E o Teu que iria morrer quando o profeta lhe entregou a msg de Deus, e ele orou e Deus lhe deu mais alguns anos? Deus não ouviu sua oração?

Sergio Siqueira disse...
11 de outubro de 2016 16:36

Deus n ouve a oração de um pré determinado só inferno? E o Teu que iria morrer quando o profeta lhe entregou a msg de Deus, e ele orou e Deus lhe deu mais alguns anos? Deus não ouviu sua oração?

Pastor Bovolini disse...
19 de outubro de 2016 14:12

Se a doutrina do Calvinismo não existisse, que mudança isso traria para a Igreja?

Como uma pessoa pode sentir conforto em ser calvinista, se somente após a morte a certeza absoluta de que esta pessoa foi salva se concretizará? Há calvinistas que estão na igreja, mas nunca foram igreja! Mentem, caluniam, adulteram... Como poderiam ter certeza de salvação, aliás, qual o calvinista que não peca?

A certeza de salvação não tem nada a ver com a predestinação, mesmo por que para se saber se sou ou não um predestinado, só passando pelo juízo de Hebreus 9:27. Eu tenho certeza da minha salvação, pois sei em quem tenho crido e a vida que estou vivendo. Não por que creio em um Deus que escolhe quem será salvo na base do "bem me quer, mal me quer". A base é a Sua Graça e a aceitação da mesma por parte do homem, permitindo que Ele o converta!

Conclusão: Não faz diferença nenhuma ser calvinista ou arminiano! Para ser salvo preciso aceitar a oferta salvífica de Jesus Cristo, crendo ser Ele o meu único Senhor e Salvador, devo ser batizado, devo congregar com outros irmãos, devo cear conforme ordenado por Jesus, devo viver em santificação. Se eu pecar, devo confessar e confiar na Graça e na misericórdia de Deus!

Calvinismo é apontar o dedo para o Céu e dizer em alto e bom tom: "-O mérito é Teu, mas a culpa também". E, eu não creio nisso de jeito nenhum! Ainda que os calvinistas não admitam isso, a verdade é que isso está implícito em sua doutrina de homens!







Deborah GuriGuri disse...
31 de outubro de 2016 18:40

Ola , muito bom e esclarecedor .

A.D. Fogo do Espírito disse...
8 de novembro de 2016 10:57

concordo com o Pastor Bovolini e digo; se realmente isto acontecem não necessitaria ser cristão; para que se ele resolveria sozinho. o calvinismo é contra os princípios de Cristo, pois jamais Jesus diria, eu te obrigo a seguir me. ele disse; quem quiser venha,após mim, quem Crer será Salvo, quem for fiel ate a morte será salvo. Apocalipses 3-20 diz; eis que estou a porta e bato se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta eu entrarei, João 3-16 porque Deus amou o mundo de tal maneira que enviou seu filho amado para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. portanto, eu não sou um boneco controlado por um deus arbitrario que faz tudo sozinho, Creio em um Deus que me dar condições de crer ou descrer. quem quiser venha, que crer será salvo , isso é nossas escolhas.

Ivete Fernandes disse...
4 de março de 2017 23:39

Ótimo texto! Parabéns! Mas queria uma explicação Calvinista de João 3.16, se for possível por favor! Obrigada

Jose Endlich disse...
19 de maio de 2017 00:49

(Ele é quem determina tudo o que acontece, Sua vontade é totalmente soberana (Is.46.10), inclusive sobre nossas vontades (Fp.2.13). Logo, não existe, como muitos dizem, um livre-arbítrio. Existe sim uma liberdade e responsabilidade humana, mas que é limitada pela vontade soberana de Deus.) ISSO TORNA DE DEUS UM CARRASCO QUE PRENDE AS DECISOES PESSOAIS,ANALISE ISTO OU EXPLANE

Jose Endlich disse...
19 de maio de 2017 00:52

Gloria a Deus

 

Teologia e Vida © Revolution Two Church theme by Brian Gardner
Converted into Blogger Template by Bloganol and modified by Filipe Melo